Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Arquidiocese de Braga
Armas da fé
 

Descrição heráldica

Escudo peninsular português redondo, mantelado em curva. O primeiro flanco de azul com uma estrela de prata de 5 pontas; o segundo de verde com um grão de amêndoa de ouro. Mantel de vermelho com um cordeiro de prata, aureolado a ouro, sobre um livro de ouro, aberto, e sustendo um lábaro de prata carregado de uma cruz de Cristo, hasteado de azul e rematado por uma cruz de ouro.

Escudo sobreposto a uma Cruz Arquiepiscopal dupla de ouro, trifoliada, cravejada com 1 rubi no centro e em cada uma das extremidades das hastes.

Encimado por um chapéu episcopal de verde, forrado a vermelho, do qual pendem 2 cordões, um de cada lado do escudo, de 15 borlas cada, postas 1, 2, 3, 4, 5, tudo de verde.

Sotoposto ao escudo, um listel de prata com o moto Ad Docendum Christi Mysteria (Para Mostrar os Mistérios de Cristo), em letras maiúsculas, de verde. 

No fundo, o Pálio, como Metropolita, simboliza o poder na província e a sua comunhão com a Igreja Católica, ministério pastoral dos arcebispos e sua união com o Bispo de Roma.

 

Significado das cores e símbolos heráldicos

As peças, cores, e metais heráldicas pretendem aludir:

A estrela de prata em céu azul, a Nossa Senhora, estrela da Nova Evangelização, e à universalidade do amor gratuito de Deus representada na Stella Maris, ou Stella Matutina, de 5 pontas (os 5 continentes). 

A cor verde em que se inscreve o Grão de Amendoeira pretende acentuar, por um lado, a grande Esperança e por outro o mundo dos homens, o verde dos campos de que ressaltam, na Diocese de Bragança-Miranda, em especial as amendoeiras em flor. Simbolizando o seu grão a obra escrita pelo seu prelado “ O Grão de Amendoeira”.

Com a cor vermelha pretendeu aludir aos valores da fidelidade, do testemunho e do socorro aos oprimidos. A representação do Agnus Dei, o cordeiro pascal sobre as Escrituras significa Cristo, o único mistério de Deus, ou melhor ainda, a palavra de Deus contida nas Escrituras, o livro aberto pelo Cordeiro na liturgia. Este símbolo permite-nos aludir ao apelido familiar do novo Bispo, seguindo-se, assim, o secular costume de conseguir a identificação do prelado através da inclusão nas Armas de Fé, de heráldica familiar ou do apelido com que nasceu.

O chapéu episcopal, com as suas cores, cordões, número e ordem das borlas é o correspondente à representação heráldica do Timbre dos Bispos.

A Cruz Arquiepiscopal é dupla, como compete aos Arcebispos.

PARTILHAR IMPRIMIR
Arcebispo Primaz
Síntese
Nascimento

29 de Maio de 1967,
Vila Nova de Seles (Angola)

Ordenação Presbiteral

16 de Junho de 1991

Ordenação Episcopal

2 de Outubro de 2011

Nomeações

Arcebispo de Braga e Primaz das Espanhas

Membro da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos

Presidente da Comissão Episcopal da Liturgia e Espiritualidade

Delegado aos Congressos Eucarísticos Internacionais

Bispos Auxiliares
Contactos
Morada

Rua S. Domingos, 94 B
4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Twitter

Um convite de D. José Cordeiro. @diariodominho @diocesebraga #dmtv https://t.co/Ih6nB2jwwv

Fev 12