Arquidiocese

Uma Igreja Sinodal e Samaritana

Programa Pastoral 2020/2023

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS | 14 Jan 2021
Restaurar a Igreja depois da epidemia de COVID-19
Artigo de Daniel Moulinet, professor de história da Igreja na Universidade Católica de Lyon (França), publicado no La Croix.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DACS

A Igreja irá tornar-se mais uma vítima do coronavírus? Em muitos locais da França, parece ter havido um declínio maciço no culto dominical. O levantamento do anterior limite de 30 pessoas não parece ter provocado um retorno massivo de fiéis. Alguns idosos talvez tenham considerado que não é prudente exporem-se à doença ao regressarem à missa nas suas paróquias. Talvez, com a ajuda do Inverno, tenham descoberto que a missa através da televisão era suficiente para alimentarem a sua fé. Parece que em muitas paróquias são precisamente essas as pessoas que agora estão ausentes da Missa dominical. 

Embora permita uma qualidade real da oração, a Missa através dos meios digitais não oferece, no entanto, certas dimensões da Eucaristia que são – ou deveriam ser – importantes: uma verdadeira participação através de respostas ou cantos, a possibilidade de comunhão e, por fim, a dimensão comunitária. Este último ponto merece mais reflexão. Se alguns fiéis não têm pressa em regressar ao seio da sua igreja paroquial, talvez seja porque a dimensão comunitária era pouco perceptível para eles.

 

A paróquia pré-pandémica era realmente uma comunidade? 

A "comunidade paroquial" (para usar a terminologia usual) dessas pessoas era mesmo uma comunidade real? A própria crise de saúde deveria levar os membros da Igreja – tanto padres, quanto leigos – a perguntar-nos em que medida temos cuidado dos nossos irmãos e irmãs. Estivemos atentos à saúde deles, ao possível isolamento e solidão que, em tempos de confinamento, poderiam ser ameaçadores, principalmente aos idosos que estavam sozinhos, doentes ou a viver longe das suas famílias? Fizemos um acompanhamento, oferecemo-nos para ajudar de pequenas formas? Em quantas eucaristias de Domingo o gesto da paz é apenas superficial? Antes da pandemia, os fiéis paravam para conversar um pouco, para conhecerem os seus companheiros paroquianos ou mesmo apenas para trocarem sorrisos? 

Se a honestidade nos leva a responder negativamente a estas perguntas, devemos concluir que a comunidade paroquial não existia, havia simplesmente um agregado de fiéis. Se as pessoas frágeis não encontraram o calor humano que esperavam nas nossas igrejas, elas irão realmente querer voltar? 
 

Em quantas eucaristias de Domingo o gesto da paz é apenas superficial? Antes da pandemia, os fiéis paravam para conversar um pouco, para conhecerem os seus companheiros paroquianos ou mesmo apenas para trocarem sorrisos? Se a honestidade nos leva a responder negativamente a estas perguntas, devemos concluir que a comunidade paroquial não existia, havia simplesmente um agregado de fiéis. Se as pessoas frágeis não encontraram o calor humano que esperavam nas nossas igrejas, elas irão realmente querer voltar? 

 

Um desafio para os agentes pastorais

Talvez alguns digam que tiveram uma visão muito redutora da Eucaristia se não anseiam mais pela comunhão de hoje. Mas simplesmente repreendê-los, sem nos questionarmos a nós mesmos, seria insuficiente. Se esses companheiros católicos não regressarem depois de a pandemia acabar, a missa de Domingo será bastante reduzida. Em alguns lugares, especialmente nas áreas rurais, os idosos constituem uma grande proporção da assembleia, às vezes de 70% a 80%. A COVID-19 acelerou um fenómeno de declínio constante da participação na missa semanal. A queda parece agora brutal. Não deveria isso desafiar os agentes pastorais a colocar o amor a Deus e ao próximo, traduzido em verdadeira fraternidade no seio da comunidade cristã, de volta ao primeiro plano do que é essencial? 

Para isso, talvez pudéssemos dar um incentivo decisivo à criação de pequenas "comunidades de base", cujos membros se conhecessem, cuidassem uns dos outros e se encontrassem regularmente para orar em comum. Quase sempre essas comunidades poderiam ter uma base geográfica, uma aldeia, um bairro. Mas também poderiam ter outras faces, por exemplo, uma comunidade profissional. A Ação Católica e os movimentos de espiritualidade já não figuram nessas comunidades? O trabalho pastoral promovido pelo movimento "Igreja para o Mundo" também caminha nessa direção.

 

Uma espécie de federação de “comunidades cristãs de base” 

Desta forma, um verdadeiro tecido eclesial seria refeito. Em tais comunidades, os líderes poderiam ser leigos espiritualmente bem formados que tivessem uma experiência real de encontro e caminhada com Cristo Jesus. A escola inaciana certamente seria de alguma utilidade aqui. Os diáconos também teriam o seu lugar de acompanhamento. A paróquia surgiria então como uma federação de "comunidades cristãs de base" e o papel do pároco seria garantir a comunhão dessas comunidades. 

Isso não significa que a pastoral tradicional deva ser abandonada. Pelo contrário, enriqueceria. Vejamos um exemplo. Hoje em dia, os pais não praticantes que pedem à sua paróquia local o baptismo do seu filho são geralmente bem recebidos e acompanhados no seu processo. Mas, uma vez que a celebração termina, o contacto é interrompido e, no melhor dos casos, só será restabelecido ocasionalmente. Num contexto renovado, poderiam ser acompanhados por pessoas mais próximas, com as quais estabeleceriam laços a longo prazo, e que, aos seus olhos, dariam um rosto à Igreja, deixando esta de parecer uma entidade impessoal. A pandemia não teria assim um efeito benéfico na nossa Igreja, levando-nos a renovar o nosso cuidado pastoral a fim de construir uma comunidade verdadeiramente fraterna de crentes? 

 

Artigo de Daniel Moulinet, professor de história da Igreja na Universidade Católica de Lyon (França), publicado no La Croix.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Igreja  •  fiéis  •  paróquia  •  comunidade paroquial  •  La Croix
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui