Arquidiocese

Ano Pastoral 2020+2021

"Uma Igreja sinodal e samaritana"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 6 Abr 2021
A Igreja digital
Papa Francisco já se viu debaixo do fogo dos "media" digitais, mas não desiste de os utilizar com vista a um "crescimento em unidade".
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Alamy/Marka

O Papa Francisco afirmou que não vivemos numa era de mudança, mas numa mudança de era. A revolução digital mudou tudo, como a pandemia deixou bem claro. Dentro da Igreja, novas e entusiasmantes possibilidades podem ser aproveitadas para um caminho conjunto e crescimento em unidade.

Enquanto a Covid se tornou viral na última Primavera, a nossa paróquia de Londres não tinha um serviço de streaming. A família entregou-se a uma versão paroquial de zapping, experimentando uma série de homilias e eventos de santuários. Acabámos a conformar-nos com a missa diária do Papa na capela de Santa Marta do Vaticano. Vemos cada expressão sua de perto; escutamos a sua voz tranquila de madrugada; podemos até ouvi-lo respirar.

É em tempo real, mas é esta “presença real”? Como o próprio Papa avisou, a transmissão ao vivo está bem por enquanto, “para passar pelo túnel, não para ficar dentro dele”. Francisco sublinhou a importância da presença física e do toque; da mesma forma, muitos alertaram sobre os efeitos dessensibilizantes da vida experimentados através de um ecrã de um dispositivo.

A partir do final do século XIX, os Papas adoptaram novas tecnologias para governar ou chegar até às pessoas. O Papa Leão XIII explorou a impressão em massa para publicar as suas encíclicas e retratos coloridos. O seu sucessor Pio X utilizou telefones, cabos criptografados e um mimeógrafo para encontrar os “hereges” modernistas. Pio XI pediu a Marconi que montasse a Rádio Vaticano em 1931. Durante a Segunda Guerra Mundial, Pio XII ajudou a dirigir um filme sobre ele mesmo, “Pastor Angelicus”, amplamente exibido em toda a Itália numa tentativa de combater o voto comunista nas eleições do pós-guerra. João XXIII instigou um dos primeiros decretos do Vaticano II, “Inter Mirifica”, acolhendo todas as formas de comunicação social, incluindo a televisão. O decreto foi promulgado por Paulo VI em Dezembro de 1963. Adepto de todas as formas de mass media, João Paulo II saudou a internet como uma ferramenta de evangelização; Bento XVI viu o e-mail como um incentivo para a amizade.

Francisco tem explorado os media digitais para interromper a relação entre Roma e a Igreja no mundo. Os líderes empresariais americanos viram semelhanças com a “gestão disruptiva”. Em 2014, Francisco ganhou dois dos prémios New York Tribeca Disruptive Innovation Awards: o Prémio Adam Smith, apresentado pela Harvard Business Review; e o prémio de Livro do Ano pela inovação da sua exortação apostólica “Evangelii Gaudium”. A Forbes comparou o Papa a um CEO que luta contra a redução das margens de lucro e a perda de participação no mercado. A revista advertia (como se Francisco precisasse de tal cautela) que a ruptura cria “ansiedade e resistência por parte da administração em exercício e leigos conservadores”.

 

O Sínodo da Amazónia em Outubro de 2019 fez uso extensivo de novos media, permitindo que os delegados se reunissem a partir das suas vastas e muitas vezes inacessíveis regiões. A experiência revelou como a tecnologia da informação pode ser uma parte essencial do futuro sinodal da Igreja, criando novas oportunidades para reequilibrar e manter em tensão criativa as relações entre o Papa e os bispos, os bispos e o clero e os religiosos, o clero e o povo. A Igreja é um diálogo entre culturas e gerações, entre o passado, o presente e o futuro, com potencial para celebrar o que nos une e também para exacerbar o que nos separa. A revolução digital tem o poder, apesar dos actuais conflitos internos, de nos manter juntos.

 

A inovação disruptiva normalmente envolve a tecnologia da informação a minar a dominância actual de um distribuidor de serviços ou produtos: telefones fixos são ultrapassados por telemóveis; os Uber substituem os táxis. A tecnologia aumenta o controlo do cliente. Francisco tem plena consciência daquilo a que chama de “mudanças de época nas comunicações” e das suas consequências para a Igreja e a Santa Sé. Herdou três gigantes da informação que se sobrepõem: a Sala de Imprensa, o Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais e os Serviços de Informação do Vaticano. Entre esses departamentos, que somam cerca de 650 funcionários de 40 nacionalidades diferentes, estavam estabelecimentos veneráveis: a Rádio Vaticano e o jornal L'Osservatore Romano; bem como editoras, bibliotecas e arquivos.

Francisco chamou consultores experientes em media. Fundiu e reformulou os três departamentos num único Secretariado de Comunicações, lançado em Abril de 2015. A empresa de consultoria Accenture foi contratada para ajudar na digitalização completa, estendendo-se a todos os aspectos dos arquivos, administração e finanças do Vaticano. O software de última geração agora supervisiona regulamentações relevantes para a receita, investimento, fundos de caridade do Vaticano e assuntos relacionados com leis civis e criminais em todo o mundo, incluindo acusações e condenações de abuso sexual. Os serviços de informação permaneceriam agora abertos depois do meio-dia, nos dias sagrados e nos fins de semana: 24 horas por dia, 7 dias por semana.

O prefeito fundador foi D. Dario Viganò, 50 anos, de ascendência italiana, criado no Brasil (e sem parentesco com o ex-diplomata papal Carlo Maria Viganò). Viganò trouxe consigo experiência prática em media, assim como teoria. Corajosamente, anunciou o seu objectivo de construir “um centro de conteúdo central... segundo o modelo de negócios da Disney”. A comparação com o conglomerado de media e entretenimento americano com a sua gama de filmes, parques temáticos, serviços de streaming, bandas desenhadas, brinquedos e jogos de computador parece rude à primeira vista. Uma característica essencial do modelo Disney é a interacção directa entre o centro e os clientes: em linguagem técnica, de “ofertas directas ao consumidor”.

Imitar esse modelo pode sugerir uma Igreja moldada por grupos de foco, uma versão eclesiástica de um negócio orientado pela procura. Em termos menos comerciais, Viganò invocou a influência no novo modelo de comunicação do Vaticano da filosofia social Tomista. “Aderindo ao conceito de subsidiariedade”, a autoridade abriria mão do controlo sobre questões que podem ser tratadas localmente. “As igrejas locais desenvolveram as suas próprias estruturas de comunicação e devemos interagir com elas de forma subsidiária, nunca substituí-las”, explicou Viganò.

Francisco fala em descentralizar o que chamou de Cúria Romana “autorreferencial”. No entanto, insiste que o centro e a periferia devem ser mantidos juntos em tensão criativa. Deixou isso claro em 2019, quando o caminho sinodal dos bispos alemães parecia estar a ir na direcção de uma declaração de independência de Roma. “Caminhamos juntos”, disse-lhes Francisco, ou corremos o risco de “perpetuar os males que [a sinodalidade] procura resolver”.

 

Poucos minutos depois da sua eleição, um blogue chamado Rorate Caeli anunciou: “Horror! De todos os candidatos impensáveis, ele é talvez o pior!”. Uma queda de chuva ácida poderia ser mais apropriada. Francisco foi atacado implacavelmente por uma variedade de plataformas dos media católicos, muitas vezes por citação de “fontes” anónimas, incluindo bispos. Foi acusado de heresia, insanidade e até satanismo. 

 

Com um orçamento de cerca de 50 milhões de libras por ano, o conteúdo das notícias e reportagens do Vaticano é abundante, acessível, multilingue e com relevância internacional e multicultural. Os recursos de arquivo são fáceis de usar e não têm acesso pago. As páginas do Vaticano recebem anualmente 240 milhões de visualizações em 38 idiomas; os números não representam a recepção de conteúdo gerado pelo Vaticano, incluindo liturgia transmitida, partilhada pelos meios diocesanos, paroquiais e locais.

No quinto ano do pontificado de Francisco, o próprio Monsenhor Viganò foi afastado. Promovendo uma série de pequenos livros sobre a teologia de Francisco, redigiu uma nota crítica sobre uma carta de apoio ao projecto pelo Papa emérito Bento XVI. Com o burburinho gerado, Viganò renunciou. Francisco reteve-o como consultor. O seu substituto é o jornalista Paolo Ruffini, o primeiro leigo a chefiar um departamento tão importante no Vaticano.

Enquanto isso, Francisco convocava reuniões sobre o futuro da tecnologia da informação com foco na inteligência artificial (IA), a expressão suprema da tecnologia digital. A questão era o perigo de entregar o julgamento humano e a tomada de decisões ao poder do algoritmo. O Papa estava determinado a envolver-se com as principais corporações técnicas e comerciais para compreender a natureza e as consequências de longo alcance da IA: sociais e éticas. Conheceu Demis Hassabis, o fundador e CEO britânico da DeepMind, Yann LeCun, cientista-chefe de IA do Facebook, o presidente da Microsoft Brad Smith, o CEO do Facebook Mark Zuckerberg e Eric Schmidt, da Google.

Em Setembro de 2019, responsáveis por media e filósofos morais reuniram-se com Francisco num seminário do Vaticano intitulado “O Bem Comum numa Era Digital”. Em Fevereiro de 2020, o Vaticano emitiu um “Apelo a uma Ética de IA” que apoiou o desenvolvimento de uma “linguagem comum para interpretar o que é humano”, a fim de criar um futuro em que a inovação digital e o progresso tecnológico sirvam o génio e a criatividade humanos e não a sua substituição gradual por uma suposta superinteligência artificial.

 

Em 2014, Francisco ganhou dois dos prémios New York Tribeca Disruptive Innovation Awards: o Prémio Adam Smith, apresentado pela Harvard Business Review; e o prémio de Livro do Ano pela inovação da sua exortação apostólica “Evangelii Gaudium”. A Forbes comparou o Papa a um CEO que luta contra a redução das margens de lucro e a perda de participação no mercado. A revista advertia (como se Francisco precisasse de tal cautela) que a ruptura cria “ansiedade e resistência por parte da administração em exercício e leigos conservadores”.

 

Entretanto, o Papa confirmou o potencial positivo dos media sociais através de exemplos pessoais. Está no Twitter em nove idiomas, provavelmente com mais influência do que os líderes políticos porque é constantemente “retweetado”. Conversou com astronautas no espaço e deu palestras TED via podcast; colabora na aplicação “Rede Mundial de Oração – Click to Pray” em seis idiomas. Kevin Systrom, co-fundador do Instagram, conta como fez duas visitas a Francisco em 2016. “Tínhamos acabado de chegar. Ele entrou, dobrou a esquina e disse «Kevin!». Foi como ver um velho amigo... Tínhamos um iPad e já estava tudo configurado. O nome foi preenchido. Então, literalmente, tudo o que o Papa precisava de fazer era clicar em «inscrever-se»”, descreveu Kevin. Com o nome de usuário @franciscus, publicou a sua primeira fotografia em Março de 2016.

Em 2013, Viganò convidou o cineasta alemão Wim Wenders para fazer um filme sobre Francisco. Teve acesso quase ilimitado e independência substancial. Wenders usou uma tecnologia de câmara conhecida como Interrotron. O entrevistado olha cara a cara para o entrevistador numa tela, em vez de o fazer para lentes frias, criando uma impressão de presença e intimidade marcantes. O filme resultante, “Papa Francisco: Um Homem de Palavra”, foi distribuído pela Amazon, Netflix, Google e YouTube. Um crítico afirmou que mostra Francisco “a abrir a Igreja a todos e a estender a mão ao mundo. Ninguém está além dos limites”. Explorando imagens do Vaticano de 800 horas de viagens papais, o filme retrata a extensão das preocupações morais católicas de Francisco, incluindo o cuidado com os migrantes, os sem-abrigo, aquilo que chama de “sobras”, e o cuidado com o meio ambiente numa altura em que o mundo enfrenta a catástrofe das alterações climáticas.

Ainda assim, ao longo do seu pontificado, várias plataformas de media católicos exploraram os meios digitais para semearem conflitos. Poucos minutos depois da sua eleição, um blogue chamado Rorate Caeli anunciou: “Horror! De todos os candidatos impensáveis, ele é talvez o pior!”. Uma queda de chuva ácida poderia ser mais apropriada. Francisco foi atacado implacavelmente por uma variedade de plataformas dos media católicos, muitas vezes por citação de “fontes” anónimas, incluindo bispos. Foi acusado de heresia, insanidade e até satanismo. O rancor da proliferação de plataformas de media e redes sociais nos Estados Unidos mina a reivindicação de unidade da Igreja.

A tecnologia digital também tem sido usada para fins políticos. Os católicos norte-americanos são cada vez mais alvos ​​do geofencing, uma prática digital explorada pela primeira vez em ambientes de comércio. Os profissionais de marketing acedem aos dispositivos dos paroquianos na missa de Domingo. A CatholicVote.org, que opera o maior programa de mobilização de eleitores católicos nos Estados Unidos, afirma que a delimitação geográfica de católicos pode ganhar eleições e gabou-se da sua contribuição decisiva para a vitória de Trump em 2016. Em Dezembro de 2020, depois de o voto eleitoral católico estar dividido, o site usou o seu alcance para lançar dúvidas sobre a vitória de Biden.

No entanto, ao criar novas maneiras de fragmentar os católicos, a info-tecnologia também mostra  o seu poder de aproximar as pessoas. Perto da nossa casa em Waterloo, Londres, a nossa igreja paroquial recebe semanalmente um movimento carismático, o “Cenáculo”. O grupo atrai membros espalhados pela cidade, mas em contacto através dos seus dispositivos. Outra paróquia de Londres, Corpus Christi em Covent Garden, é um local popular para os devotos da Missa Latina. Em tempos normais, os fiéis vinham de toda a Grande Londres; agora, um número muito maior pode participar graças às missas transmitidas em directo.
 

Francisco apoiou e demonstrou o amplo e positivo poder da tecnologia digital. Conseguiu chegar ao diálogo com as gigantes tecnológicas, mesmo alertando para os seus perigos e limitações. As suas interrupções digitais derrubaram paredes de separação. E, ao mesmo tempo, criou novas perspectivas sobre o título papal Pontifex Maximus: o criador de acessos através das barreiras do tempo e do espaço, o construtor de pontes.


Numa era de fecho de paróquias e escassez de padres, a info-tecnologia oferece novas maneiras de formar comunidades católicas. O Sínodo da Amazónia em Outubro de 2019 fez uso extensivo de novos media, permitindo que os delegados se reunissem a partir das suas vastas e muitas vezes inacessíveis regiões. A experiência revelou como a tecnologia da informação pode ser uma parte essencial do futuro sinodal da Igreja, criando novas oportunidades para reequilibrar e manter em tensão criativa as relações entre o Papa e os bispos, os bispos e o clero e os religiosos, o clero e o povo. A Igreja é um diálogo entre culturas e gerações, entre o passado, o presente e o futuro, com potencial para celebrar o que nos une e também para exacerbar o que nos separa. A revolução digital tem o poder, apesar dos actuais conflitos internos, de nos manter juntos.

“Uma boa comunicação ajuda a aproximar-nos”, diz o Papa. “A conhecer-nos melhor e, em última análise, a crescermos na unidade”, explica. Francisco apoiou e demonstrou o amplo e positivo poder da tecnologia digital. Conseguiu chegar ao diálogo com as gigantes tecnológicas, mesmo alertando para os seus perigos e limitações. As suas interrupções digitais derrubaram paredes de separação. E, ao mesmo tempo, criou novas perspectivas sobre o título papal Pontifex Maximus: o criador de acessos através das barreiras do tempo e do espaço, o construtor de pontes.

 

Artigo de John Cornwell, publicado no The Tablet a 31 de Março de 2021

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
digital  •  Igreja  •  disrupção  •  Papa Francisco  •  discurso de ódio  •  inovação  •  redes sociais
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui