Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 21 Abr 2021
Jane Goodall: "O Papa Francisco é uma razão para termos esperança no futuro"
Conhecida antropóloga elogiou o Papa pelo papel activo que tem desempenhado na defesa do meio ambiente.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Victoria Will/Invision/AP

A mundialmente conhecida antropóloga de renome Jane Goodall juntou sua voz à do Vaticano no apelo à defesa da biodiversidade, explicando que viu tendências promissoras na luta global para proteger o meio ambiente e que uma delas é o próprio Papa Francisco.

Durante um webinar sobre biodiversidade organizado pelo Vaticano a 20 de Abril, Goodall, de 87 anos, disse que em mais de 60 anos de trabalho no campo científico, viu “muitas mudanças”.

“Uma das minhas razões de esperança é o Papa Francisco”, disse a inglesa, já que a posição do Papa, “com toda a Igreja Católica à volta do mundo, em relação ao meio ambiente realmente fez  realmente uma grande diferença”.

“O outro motivo de esperança é que as outras religiões também estão a começar a falar cada vez mais sobre o meio ambiente”, continuou.

“Então, esta é realmente uma das grandes esperanças para o nosso futuro, e que mais e mais cientistas – nunca pensei que viveria para ver este dia – estão a unir-se para concordar que existe inteligência, com “I” maiúsculo, por trás da criação do universo”, afirmou.

Fundadora e médica do Instituto Jane Goodall, a antropóloga saltou para a ribalta com a sua pesquisa inovadora no mundo dos chimpanzés. Viajou para a Tanzânia em 1960, aos 26 anos, para viver entre eles e aprender “in loco” sobre a espécie.

A sua descoberta de 1960 – que os chimpanzés fazem e usam ferramentas – ainda é considerada uma das maiores conquistas em estudos do século XX. A sua pesquisa de campo transformou não apenas a compreensão da comunidade científica sobre os chimpanzés, mas também redefiniu a relação humano-animal em todo o mundo.

Além de educar a comunidade global sobre a urgência de salvar os chimpanzés da extinção, o trabalho de Goodall também reformulou amplamente a conservação de espécies para incluir as necessidades da comunidade local e do meio ambiente.

Goodall interveio num webinar sobre diversidade biológica intitulado “The Road to COP15”, uma importante conferência da ONU sobre biodiversidade agendada para acontecer entre os dias 11 e 24 de Outubro em Kunming, China.

O webinar foi organizado pelo Dicastério do Vaticano para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral, liderado pelo cardeal Peter Turkson, que também falou no evento.

Durante a sua intervenção , Goodall disse que aprendeu muitas coisas sobre as semelhanças entre humanos e chimpanzés enquanto conduzia a sua pesquisa de campo, mas uma coisa que também aprendeu é que os humanos são diferentes.

“O nosso intelecto desenvolveu-se explosivamente a partir do intelecto dos nossos parentes vivos próximos. Sim, os chimpanzés são animais muito mais inteligentes do que o que as pessoas pensavam, mas nós projectámos um foguetão que subiu até Marte”, explicou.

“A determinado ponto pensava-se que poderia suportar vida, mas nós temos este lindo planeta verde e azul, o planeta Terra, criado por Deus. Como é possível que a mais intelectual das criaturas que pisou este planeta esteja a destruir o seu único lar?”, questionou.

Sobre a pandemia de coronavírus e os danos globais por ela causados, Goodall argumentou que parte da causa reside na comunidade humana e o seu “desrespeito absoluto” pelos animais e pela natureza. 

“À medida que destruímos habitat após habitat no meio ambiente, e à medida que levamos à extinção de espécie após espécie, os animais que permanecem nos habitats que restam estão muito próximos dos humanos. Os humanos invadem o seu território e, para além disso, ainda são caçados e comidos, capturados vivos, eles ou partes dos seus corpos são traficados em todo o mundo para serem vendidos em mercados de animais selvagens em todos os lugares para alimentos, remédios, roupas e para animais de estimação ”, disse ela.

Observando que as condições dos mercados de animais são muitas vezes “anti-higiénicas, superlotadas e cruéis", Goodall afirmou ser relativamente fácil para um patógeno como um vírus passar de um animal para uma pessoa, onde se pode ligar a uma célula nesse ser humano e criar uma nova doença, como a pandemia de Covid-19.

A antropóloga também alertou para os perigos da agricultura industrial e o impacto dos pesticidas e herbicidas nos alimentos e no solo, bem como o impacto das mudanças climáticas na biodiversidade.

Em termos do que deve ser feito para impedir que uma nova crise climática ocorra, Goodall sugeriu várias etapas, incluindo reduzir “o estilo de vida insustentável” de tantas pessoas no planeta que têm muito mais do que aquilo que necessitam.

“Temos que pensar nas escolhas que fazemos a cada dia”, afirmou, explicando que até a decisão de comprar alimentos mais caros produzidos de forma ética e ambientalmente sustentável pode fazer a diferença. “Pode custar mais, mas também é mais valorizado e menos desperdiçado”, sublinhou.

Goodall também defendeu o fim do uso de combustíveis fósseis, pesticidas e produtos químicos na produção e preservação de alimentos, pedindo que sejam criados programas de água em áreas com escassez e mais educação para as mulheres. Apelou igualmente ao empoderamento das comunidades locais para que possam administrar os seus próprios recursos, em vez de deixarem tudo para as grandes empresas.

“Juntos podemos criar um futuro melhor, onde humanos e animais são respeitados não pelo que podem dar, mas por quem são”, disse Goodall.

O cardeal Turkson reiterou a afirmação de Goodall de que o comportamento humano é pelo menos parcialmente responsável pelo início das pandemias, citando um estudo da Plataforma de Política Científica Intergovernamental que relatou que as mesmas acções humanas que levam à perda de biodiversidade também causam um aumento de pandemias.

“A relação entre as duas coisas é muito importante e significativa”, explicou, acrescentando que o conceito de biodiversidade está presente na Bíblia desde o início, quando Deus criou o mundo no livro do Génesis.

“Hoje há uma destruição devastadora dos ecossistemas do mundo, o que está a colocar em risco essa biodiversidade. Quando a natureza está doente, a própria humanidade está muito doente, como é evidenciado pelo crescente fosso entre ricos e pobres e a falta de acesso a cuidados de saúde adequados a muitas pessoas”, indicou.

O cardeal delineou quatro objectivos que antecederam a conferência COP15 sobre biodiversidade: aumentar as áreas protegidas para que a biodiversidade possa prosperar; valorizar a contribuição da natureza para as pessoas, adoptando a agenda de desenvolvimento sustentável; partilhar de forma justa e equitativa os recursos obtidos dos recursos genéticos; e verificar de que forma é que o cumprimento destas metas está a ser implementado.

“Os seres humanos devem respeitar as leis da natureza e o delicado equilíbrio existente entre as criaturas e o próprio mundo”, afirmou, explicando que isso também se relaciona com o ensino da Igreja Católica “sobre o descanso no sétimo dia, que é também para o ser humano preservar a criação”.

 

Artigo original de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 21 de Abril de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Jane Goodall  •  Papa Francisco  •  biodiversidade  •  covid-19  •  pandemias  •  meio ambiente  •  Vaticano  •  webinar
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui