Arquidiocese

Ano Pastoral 2020+2021

"Uma Igreja sinodal e samaritana"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 3 Mai 2021
A Covid e o impacto – diferente e semelhante – na adoração de judeus e cristãos
Ministro da Sinagoga Maidenhead afirma que a sua Sinagoga manterá um programa online em adição ao presencial, esforçando-se por manter pessoas que se aproximaram da religião durante a pandemia.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

Judeus e católicos podem viver juntos na Grã-Bretanha, muitas vezes até são vizinhos, mas tiveram uma experiência relativamente à Covid muito diferente em três aspectos, que simbolizam algumas das diferenças práticas entre as religiões que não são tão óbvias quanto algumas das teológicas.

A primeira diz respeito ao local onde rezamos. Para os católicos, a vida religiosa tende a girar em torno da igreja. É o seu lar espiritual e uma alta percentagem de rituais e adoração ocorrem lá. Não foi surpresa, portanto, que o fecho das igrejas tenha causado uma enorme sensação de perda e dor religiosa.

Para os judeus, pelo contrário, o fecho das sinagogas era inconveniente, mas não preocupante. Para nós, o lar sempre foi igualmente importante, com muitas das observâncias semanais e festivas a serem domésticas, seja saudar o Sábado, a refeição da Páscoa, construir um tabernáculo no jardim ou acender os candelabros de Hanukkah. Em grande medida, a vida religiosa continuou inabalável.

A segunda diferença é a maneira como rezamos. Aqui, os católicos tinham vantagem, pois há tanto ênfase na oração individual quanto na adoração congregacional. Sim, é adorável cantar hinos com outras pessoas à nossa volta, mas a comunhão pessoal com Deus é o coração da vida de oração de um católico.

Para os judeus, porém, a oração é um exercício comunitário. Na verdade, há partes significativas do serviço que não é permitido fazer sem um quórum de dez pessoas, incluindo o que geralmente são considerados os dois aspectos mais importantes: a leitura da Torá / Pentateuco, e a oração memorial para aqueles que já faleceram.

Não importa se o serviço é realizado em qualquer outro edifício que não uma sinagoga – desde a sala de estar de uma pessoa até ao corredor da escola – mas, sem esse quórum, a nossa vida de oração fica bloqueada... e foi exactamente isso o que aconteceu durante a pandemia e o subsequente confinamento.

A terceira diferença é fiscal. Muitas igrejas ainda contam, em grande medida, com a colecta semanal de Domingo. É uma parte importante do seu fluxo de receitas, mas sem nenhum serviço, simplesmente secou.

Os judeus nunca trazem dinheiro para os serviços, mas contribuem para a manutenção da sinagoga através de um sistema de adesão que envolve o pagamento de uma assinatura anual. Embora alguns membros tivessem que reduzir ou até mesmo cancelar a sua contribuição devido à perda de rendimentos, a maioria continuou a pagar através dos débitos directos que haviam constituído.

No meio dessas diferenças, existia também uma semelhança crucial. As igrejas e sinagogas que conseguiram manter os serviços através da tecnologia digital – fosse em directo ou pelo Zoom – descobriram que a audiência disparou, com muito mais pessoas a participarem virtualmente do que anteriormente.

O aumento no número de pessoas surgiu por uma série de razões: aqueles que sempre tiveram a intenção de vir, mas nunca tinham arranjado tempo; aqueles fisicamente incapazes de comparecer devido a problemas de mobilidade ou distância; aqueles que estavam solitários e queriam interagir com outras pessoas; aqueles que sentiram a necessidade do senso de esperança que a religião tem a oferecer no meio da insegurança que os cercava.

A questão óbvia que enfrenta o clero judeu e católico é como manter os recém-chegados quando o confinamento terminar. Até certo ponto, isto está para além do nosso controlo, pois os factores externos que trouxeram a maior parte dessas pessoas podem desaparecer e, como resultado, as suas prioridades irão mudar. Não dirá nada de bom sobre o que temos para oferecer se nenhum deles permanecer. Portanto, uma folha de pontuação assustadora avizinha-se!

Ao mesmo tempo, e de forma igualmente problemática, temos de convencer os crentes regulares em quem sempre confiamos e que agora podem estar relutantes em regressar. Isto acontece porque eles simplesmente saíram da rotina semanal – e o hábito é uma ferramenta religiosa poderosa.

Também pode ser que alguns achem que preferem a adoração em casa, poupando-lhes o esforço de uma viagem ou o tempo gasto em viagens. Todos dizem que estão "desesperados" para voltar ao normal, mas isso pode não incluir todos os aspectos das suas vidas anteriores… e é possível que os locais de culto sejam algumas das vítimas.

É importante lembrar que o fim do confinamento não significará o fim das precauções. Distanciamento social, ventilação e uso de máscaras ainda podem ser uma característica das nossas vidas, mesmo depois de a maioria das actividades recomeçar. Teremos de assegurar às pessoas com mais de 50 anos ou com problemas de saúde subjacentes de que é seguro voltar.

Isso significa que as sinagogas e igrejas precisarão de ter uma campanha definitiva de revitalização para manter tanto os antigos, quanto os recém-chegados. Poderia ser um serviço especial de “boas-vindas”, mas também, como pretendemos fazer na minha sinagoga, um piquenique comunitário – ao ar livre, fácil de organizar, adequado para todas as idades e para os diversos graus de fé!

Enquanto isso, as nossas actividades regulares terão que levar em consideração o nosso alcance online e mantê-lo a funcionar como uma opção, juntamente com eventos presenciais. Não queremos que os que se conectaram façam logoff e saiam.

Por mais estranho que seja para o clero adaptar-se a um público híbrido, essa será a realidade que terão de aceitar. O novo mundo religioso também incluirá funerais com a ajuda do Zoom e o uso de e-mails para a revista paroquial, tanto quanto possível.

Durante o confinamento, a minha sinagoga tinha o lema: "O edifício está fechado, mas a comunidade ainda está aberta”. Em breve teremos de o alterar para: "O edifício agora está aberto, mas a comunidade tanto está lá, como online.”

Artigo de Jonathan Romain, ministro da Sinagoga Maidenhead e autor de "Confessions of a Rabbi" 

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Religião  •  judeus  •  católicos  •  pandemia  •  online  •  igrejas  •  sinagogas  •  adoração
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui