Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com NCR e La Croix International | 2 Set 2021
À medida que as mudanças climáticas se intensificam, como é que a "Laudato si’" pode orientar as respostas da comunidade?
Procurar viver no espírito da encíclica deve reflectir um sentido de cuidado mútuo e partilha mútua que vê a Terra como parte dessa comunidade e não simplesmente como um repositório de recursos.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS / Gregory A. Shemitz

As inundações são um problema que prevalece em Charleston, Carolina do Sul.

Em 2019, a cidade costeira do Atlântico sofreu com 89 dias de inundações, ou quase uma em cada cinco dias naquele ano.

Isto ultrapassou o recorde anterior de 58 vezes, estabelecido em 2015, e representou uma mudança dramática em relação a mais de meio século antes, quando em 1950 os episódios de inundação ocorreram aproximadamente duas vezes por ano, de acordo com um estudo recente do Centro de Ciência do Oceano Costeiro da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional.

De certa forma, não é surpresa que Charleston inunde regularmente — fica apenas alguns metros acima do nível do mar, fica próxima de um oceano e está rodeada de rios e afluentes.

Isso torna-a especialmente sujeita a tempestades causadas por fortes chuvas e tempestades costeiras, embora as inundações também possam ocorrer em dias ensolarados.

Os riscos são exacerbados pelas mudanças climáticas, que estão a causar tempestades mais intensas e também elevam o nível do mar.

Mas isso apenas explica em parte o aumento das inundações em Charleston, disseram algumas pessoas envolvidas nos Ministérios da Justiça num workshop virtual sobre a encíclica Laudato Si’ do Papa Francisco.

Elas apontam o desenvolvimento que substituiu pântanos cruciais por propriedades à beira-mar numa das cidades de crescimento mais rápido do país.

“Se construirmos naquele pântano salgado, estamos a afastar essa protecção contra o aumento do nível do mar, a protecção contra inundações, tempestades e uma protecção em geral”, disse Lee Ann Clements, cientista marinha e presidente do comité de Ecologia Integral da Diocese de St. Augustine, Flórida.

“É muito fácil para as pessoas verem aquele ambiente costeiro, aquela propriedade à beira-mar, como aquilo que desejam, como desejável. Mas em detrimento de todo o meio ambiente e em detrimento da comunidade”, afirmou.

As inundações também intensificaram o fosso racial e económico da cidade do Sul.

As comunidades negras e pobres estão localizadas em áreas mais propensas a inundações, mas menos propensas a receber assistência, disse Marina Lopez, membro do Ministério de Justiça da Área de Charleston que trabalhou com comunidades latinas em Lowcountry.

“Nunca temos dinheiro suficiente para os bairros pobres e para as coisas que precisam de ser feitas nesses lugares. Mas estamos a debater sem nenhuma preocupação o dinheiro que vamos gastar para salvar os bairros mais ricos”, adiantou.

A situação em Charleston era um dos vários desafios ambientais identificados durante o workshop Laudato Si’, a 17 de Agosto. O evento foi organizado pelo Centro de Acção Directa e Formação e Pesquisa, ou Centro DART, e co-patrocinado por cinco dioceses católicas, pelos Ministérios Franciscanos Allegany e a Campanha Católica para o Desenvolvimento Humano (CCHD) da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos.

O workshop contou com a presença da Irmã Franciscana Ilia Delio e do Arcebispo de Miami, Thomas Wenski, que reflectiram sobre a encíclica do Papa e sobre como católicos e outras pessoas podem responder à sua mensagem.

Em Julho de 2020, a Campanha Católica para o Desenvolvimento Humano doou 500 mil dólares ao DART Center – que é composto por 28 organizações multireligiosas do Ministério da Justiça no Sudeste e no Centro-Oeste – para colocar os princípios da Laudato si’ em acção nas comunidades do Sudeste que enfrentam os perigos das mudanças climáticas.

Dezessete grupos afiliados ao DART estão a construir equipas de criação como parte da iniciativa, com o objectivo de identificar os impactos do clima em cada comunidade e mobilizar organizações religiosas para fazerem lobby para as políticas locais os abordarem de forma justa e equitativa.

O workshop Laudato si’ foi o início de uma série de sessões de escuta planeadas para os próximos meses que procuram envolver até mil pessoas em cada um dos 17 locais para continuarem a discutir os impactos locais das mudanças climáticas e as soluções que beneficiam todas as pessoas, especialmente aquelas que são pobres e historicamente desfavorecidas.

Josette Josue, paroquiana da Igreja Católica de St. James em North Miami, descreveu como os valores das propriedades e os alugueres estão a aumentar no bairro de Little Haiti – localizado perto do centro da cidade e, portanto, mais longe da costa e do nível do mar em elevação –, forçando as pessoas a abandonar um bairro onde moram há décadas.

“Os residentes haitianos estão a sair enquanto comunidades ricas se mudam para lá”, afirmou. Wenski disse que para os moradores da Flórida preocupados com a elevação dos mares “as notícias não eram boas” no relatório recente do Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas das Nações Unidas sobre o estado do clima global.

O arcebispo disse que uma mensagem central do Papa Francisco na Laudato si’ é que encarar os desafios ambientais que o planeta enfrenta começa com o restabelecer de relações feridas com Deus, com o próximo e com a própria Terra.

“Estamos todos interligados e, se vamos resolver os problemas que nos afligem, temos que reconhecer isso”, disse Wenski.

A Irmã Delio afirmou que parte do problema é a humanidade ter-se desligado da Terra.

“Nós construímos um mundo muito complexo para nós mesmos a um ritmo muito rápido. E não aprendemos como realmente viver neste mundo de forma adequada”, explicou.

Isso levou a uma mentalidade egoísta, particularmente evidente durante a pandemia de coronavírus: “cuidar de mim primeiro, deixa-me cuidar de mim primeiro e, se eu tiver alguma coisa de sobra, talvez te possa ajudar”, acrescentou. “Esse é um grave problema nosso. Não temos a percepção real de que realmente pertencemos uns aos outros e pertencemos uns aos outros nesta Terra”.

A religiosa disse que a resolução dos problemas da mudança climática e da degradação ambiental começa com a mudança nas pessoas e que as comunidades que procuram viver no espírito da Laudato si’ devem reflectir um sentido de cuidado mútuo e partilha mútua que vê a Terra como parte dessa comunidade e não simplesmente como um repositório de recursos.

“A maior preocupação do ser humano deve ser a integridade do universo do qual depende de forma absoluta. Com o Cuidado pela Terra parece que estamos no comando, mas o facto é que a Terra cuida de nós. E, se nos destruirmos, é provável que a simples vida biológica continue”, concluiu.

 

Artigo do National Catholic Reporter, publicado no La Croix International a 20 de Agosto de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Laudato si'  •  Ecologia  •  Casa comum  •  Humanidade  •  EUA  •  Mudanças climáticas
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui