Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com CNS | 13 Set 2021
Padre filipino diz que as pessoas na mata australiana inspiram a sua fé
Sacerdote conduz por centenas de quilómetros para celebrar missa... para um paroquiano.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Padre Camonias / The Catholic Weekly

De partida para celebrar a eucaristia, o padre Harold Camonias carrega o carro com todas as coisas necessárias, incluindo lenha, água, um saco-cama, uma tenda e um fogão portátil.

Apesar de percorrer a viagem de 500 milhas em estradas quase todas asfaltadas, enfrenta muitos perigos e tem muito cuidado para ziguezaguear à volta dos cangurus, cobras e emas que aparecem aleatoriamente no seu caminho.

Passando por pequenas cidades e propriedades remotas, o seu empoeirado Mazda CX-5 descreve curvas e viragens na estrada como se o sacerdote tivesse vivido toda a sua vida na mata.

Após a longa e solitária viagem, chega e abre a igreja, preparando-se para celebrar a missa… para uma pessoa.

Gerry Agnew é o único paroquiano em Leigh Creek, uma antiga cidade de exploração de carvão com uma população de cerca de 200 pessoas. Vivendo sozinho, o morador de 60 e poucos anos chegou da Irlanda “ há muitos, muitos anos” e lembra uma época em que só havia lugar em pé na missa.

Com quatro igrejas durante o seu apogeu, hoje Leigh Creek tem apenas um local de culto não denominacional usado pelo Pe. Camonias e um ministro anglicano que a visita quatro vezes por ano.

Camonias é o pároco de Flinders Ranges, na Diocese de Port Pirie, que ocupa mais de 378.000 milhas quadradas – a maior parte do estado da Austrália do Sul.

Ele acredita que a região deve ser conhecida como a “alma” e não o centro da Austrália e diz que a sua vocação é inspirada por católicos como Agnew que, apesar de receber a Eucaristia apenas algumas vezes por ano, tem uma fé muito forte.

Camonias, sozinho, fornece orientação espiritual a menos de cem paroquianos que se estendem por uma área um pouco menor que o Connecticut. Diz que acredita ser a vontade de Deus que ele espalhe o Evangelho e leve as pessoas a encontros pessoais e relacionamentos com Cristo onde quer que estejam, incluindo Leigh Creek.

“Gerry é o único paroquiano que vem à missa sempre que estou na cidade e, mais do que eu exercer o meu ministério, é Gerry que me inspira sempre”, afirmou. “Sim, trago-lhe Jesus presente na Eucaristia, mas vejo Jesus nele, na sua fidelidade. Admito que às vezes me vem à cabeça cancelar as viagens, mas, no fim, sinto sempre que recebi mais dele do que aquilo que eu dei”.

Depois de passar algumas horas com uma chávena de chá e sandes, conversando sobre algumas das questões complexas e não tão complexas da vida, Camonias vai para casa.

Dependendo de como se sente, pode conduzir até ao fim ou encostar e acampar durante a noite numa tenda à beira da estrada. Depois de uma década nisto, não dramatiza sobre dormir sob as estrelas e deixar a sua vida nas mãos de Deus. Também nunca sai de casa sem água, estojo de primeiros socorros, protector solar, mosquiteiros e chapéu.

O padre nascido nas Filipinas diz que o seu posto rural lhe deu oportunidade de não apenas ver a beleza da criação de Deus, mas também o sentido de humor de Deus.

“Gosto de falar com Deus no silêncio do lugar e na beleza deste país acidentado”, explicou. “Para mim, o bónus é sempre acampar no mato e mergulhar na solidão com o Senhor. Se estou na estrada logo pela manhã, preparo o meu pequeno altar e celebro a missa; pode ser perto de um rio, debaixo de uma árvore de goma ou na base de uma montanha. Quantos padres podem fazer isso? Quando estás num lugar como este, onde o pôr do sol é um dos melhores, sentes que o olhar de Deus é realmente apenas para ti. Quer um padre seja chamado para a cidade ou para o campo, desde que esteja no lugar certo e na disposição certa do coração, acho que isso é que importa”.

Sacerdotes, pastores e pregadores há muito que desempenham um papel vital na vida das pessoas na Austrália remota e regional.

Frequentemente da cidade, são enviados para lugares dos quais nunca ouviram falar e são obrigados a usar muitos chapéus, lidando com pessoas que enfrentam secas, dívidas, solidão e doenças mentais. E, com a escassez de clero, os padres rurais já estão sobrecarregados entre as várias atribuições paroquiais e as longas horas de viagem entre as paróquias.

Têm muito pouco tempo para fazer qualquer coisa além de celebrar a missa e ministrar os sacramentos, algo de que Camonias está bem ciente. Admite que é um desafio evangelizar no mato e muitas vezes pergunta-se se está a tornar-se o ministro que o Senhor deseja que seja.

“Há muito a fazer no mato para levar as pessoas até Deus”, disse.

“Em última análise, é difícil evangelizar aqui; a maioria das pessoas, especialmente os jovens, está longe da igreja e não sinto que tenha conseguido fazer muito com os que não estão na igreja”, explicou o sacerdote, lamentando ainda não ter visitado muitas das localidades distantes da cidade, apesar de saber que essas visitas ocupar-lhe-iam logo um dia inteiro sozinho.

“Depois acontecem os funerais dos locais e surpreendo-me sempre com a quantidade de pessoas que aparecem. Pergunto-me: de onde vêm todos? Mas esses momentos são também momentos de evangelização, especialmente com a homilia e o acolhimento que dás às pessoas de todas as classes sociais e a ajuda que dás às famílias; podemos apenas esperar e confiar que a graça de Deus irá tocá-los nesses momentos”, adiantou.

Camonias descobriu que, embora a vida no mato seja difícil, as pessoas são incrivelmente hospitaleiras. O sacerdote afirmou que embora faça a sua nova vida parecer relativamente fácil, demorou um pouco para se habituar.

“Quando aqui cheguei pela primeira vez, tive alguns momentos engraçados. Lembro-me de um lagarto sonolento visitar o meu quintal e eu não saber o que era ou o que fazer com ele. Então peguei nele com uma pá e atirei-o o mais longe que pude”, disse ele, rindo.

“O outro padre que estava comigo viu e, como era o dia da festa de São Francisco de Assis, olhou para mim e sugeriu que eu fosse um pouco mais gentil com os animais”, concluiu.

Artigo de Debbie Cramsie, publicado no Catholic News Service a 12 de Setembro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Vocação  •  Austrália  •  Eucaristia  •  Sacerdócio
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui