Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 16 Set 2021
Como pode África contribuir para o Sínodo sobre a sinodalidade?
Em poucas semanas, o Papa abrirá oficialmente uma consulta de dois anos aos católicos de todo o mundo em preparação para a assembleia do Sínodo dos Bispos em Outubro de 2023. Qual poderia ser a contribuição da África para este encontro histórico?
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Badru Katumba / AFP

Um sínodo é uma assembleia consultiva sobre questões específicas de interesse pastoral.

Pode ser diocesano, caso em que é convocado por um bispo.

Por exemplo, a Diocese de Kolda, no sul do Senegal, convocou o seu primeiro sínodo em 2020 por um período de três anos.

O seu propósito era reflectir sobre “como esta porção do povo de Deus forma a Igreja, bem como levar o povo à meditação sobre os direitos e deveres próprios de cada um – bispo, sacerdotes, religiosos e leigos – numa diocese em construção”.

Por sua vez, a Diocese de Rabat, em Marrocos, está a realizar o seu segundo sínodo desde finais de Maio.

Os católicos desta diocese são chamados a manifestarem-se sobre uma questão decisiva: “Considerando Jesus e o Evangelho, como deve ser a Igreja em Marrocos?”.

O Papa Francisco escolheu a “sinodalidade” como tema da próxima assembleia geral do Sínodo dos Bispos.

E convidou toda a Igreja universal a participar activamente na sua preparação.

Mas o que é que entendemos disto?

 

Sinodalidade

Antes de mais, é especificamente uma vasta consulta sobre os processos de consulta na Igreja.

“Ao convocar um Sínodo (assembleia) sobre a «sinodalidade», o Papa Francisco deseja convidar toda a Igreja a reflectir sobre como vivemos como uma «família» e aprender a viver «caminhando juntos»”, explica o padre Paul Béré, membro do secretariado da comissão teológica do Sínodo dos Bispos para a sinodalidade.

Este ponto de vista é partilhado por Rafael Simbine, um sacerdote moçambicano que, a 23 de Agosto, conduziu uma sessão do Encontro Inter-Regional dos Bispos da África Austral (IMBISA) sobre a consulta nos processos sinodais.

“A construção da Igreja como família de Deus em África foi real e concreta, graças à criação de pequenas comunidades Cristãs”, afirmou.

O termo “pequenas comunidades cristãs” refere-se às Comunidades Eclesiais Básicas (CEB) e Comunidades Cristãs Básicas (CCB), frequentemente chamadas de “comunidades de base”.

As CEB estão presentes na maioria dos países africanos. São subdivisões de paróquias, reunindo várias famílias numa área geográfica menor do que a de uma paróquia.

A BEC organiza orações, encontros e actividades recreativas ou de ajuda mútua, que ajudam a manter os laços de solidariedade e comunhão entre os católicos.

Simbine afirma que são “são verdadeiros lugares de estudo, meditação e partilha da Palavra de Deus”.

“Procuram formas de expressar a fé cristã no ambiente típico de uma comunidade tradicional africana”, destaca o sacerdote.

 

“A Igreja como a Família de Deus”

Outra contribuição da Igreja no continente africano para a próxima Assembleia Sinodal diz respeito “à ideia da Igreja como a Família de Deus”.

A imagem da Igreja como a Família de Deus é “uma expressão da natureza da Igreja [que é] particularmente apropriada”, observou o Papa João Paulo II na sua Exortação Apostólica de 1995, Ecclesia in Africa.

“Esta imagem distingue-se pelo seu espírito comunitário e destaca a solidariedade, a solicitude, a generosidade, o acolhimento e a hospitalidade”, afirma o Padre Leonard Santédi.

O Padre Béré nota que, com a sua própria experiência da Igreja como “a Família de Deus”, a África pode “oferecer a toda a Igreja a sua própria forma de aplicar a Palavra, difundi-la, ouvir, valorizar os outros… e dar atenção a cada categoria de membros (jovens, mulheres, estrangeiros por confissão e origem religiosa, padres, religiosos, leigos, etc.)”.

 

Filosofia Ubuntu

O sacerdote também aponta que outra possível contribuição da África poderia ser a filosofia Ubuntu, da qual o arcebispo anglicano sul-africano Desmond Tutu tem sido um dos principais promotores.

“Na visão Ubuntu, a existência humana atinge o seu mais alto nível quando é parte de um todo”, escreve o Padre Agbonkhianmeghe Orobator, presidente da Conferência Jesuíta de África e Madagascar, numa reflexão sobre a encíclica Fratelli Tutti.

“A sociedade cresce a partir de uma humanidade comum e o perdão e a reconciliação são condições para a preservação da harmonia social”, afirma.

Artigo de Lucie Sarr, publicado no La Croix International a 16 de Setembro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
África  •  Sínodo  •  Ubuntu  •  Sinodalidade
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui