Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 29 Set 2021
Líderes da Igreja na Venezuela destacam desafios que os refugiados enfrentam
Os mais de 5 milhões que fugiram têm que suportar uma condição de integração hostil nos países anfitriões e extorsão, sequestro e tráfico de pessoas no caminho para o seu destino.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © UNHCR

Os líderes da Igreja na Venezuela, por ocasião do 107º Dia Mundial do Migrante e Refugiado, a 26 de Setembro, estão a alertar a comunidade internacional sobre a questão da migração como forma de ajudar a conter a saída de pessoas do país.

A Cáritas Venezuela está a alertar as pessoas sobre a dura realidade da complexa emergência humanitária no país, onde o preço de uma xícara de café aumentou 2597% de Agosto de 2020 a Agosto de 2021 (…).

A Pastoral Social da Cáritas Venezuela quer apresentar a realidade dos migrantes venezuelanos a todo o mundo através de uma série de materiais elaborados para divulgação nas redes sociais.

A Conferência Episcopal da Venezuela (CEV), em nota à Fides, destacou que este ano permanece caracterizado pelo impacto adverso da pandemia de COVID-19, tendo tido um impacto significativo sobre os grupos mais vulneráveis ​​da sociedade.

Mais de 5,6 milhões de venezuelanos numa população de 30 milhões são refugiados em mais de 17 países, apesar de terem as maiores reservas de petróleo do mundo e de ser um país que não está em guerra.

As pessoas estão a fugir da Venezuela em busca de alternativas devido à deterioração dos serviços básicos, hiperinflação, colapso económico, falta de trabalho e fome. Especialistas em direitos humanos descreveram a crise de migrantes no país da América do Sul como a maior onda migratória que a região experimentou nos últimos 50 anos.

Aqueles que emigraram têm que suportar uma condição de integração hostil nos países anfitriões e extorsão, sequestro e tráfico de pessoas no caminho para o seu destino. Em linha com a mensagem deste ano – “Rumo a um «nós» cada vez mais amplo”, a CEV sublinhou o apelo do Papa Francisco para um caminho conjunto em direcção a um “nós” cada vez mais amplo, “em prol da renovação da família humana, construindo juntos um futuro de justiça e paz, e garantindo que ninguém seja deixado para trás”.

O Papa Francisco exortou a comunidade global “a construir um mundo mais inclusivo, que não exclua ninguém”. O êxodo venezuelano deve-se à escassez de combustível, alimentos e medicamentos, bem como à agitação política no país.

Ultimamente, o risco da travessia por terra e da COVID-19 levaram os venezuelanos desesperados a voltarem-se para uma rota marítima mais perigosa, onde o contrabando de pessoas, o narcotráfico, naufrágios e a pirataria os aguardam. As perigosas vias de navegação tornaram-se um meio de transporte, já que há uma corrida desesperada para obter o estatuto de refugiado no país.

Desde 2014, o número de venezuelanos que procura o estatuto cresceu 8000%. Mas foram menos de 145 mil os venezuelanos que o conseguiram, de acordo com a ACNUR, a agência das Nações Unidas para os refugiados.

A crise humanitária espalhou-se para os países vizinhos da Venezuela e transformou-se numa crise regional. Dos 5,6 milhões de venezuelanos que deixaram o seu país, 4,6 milhões estão alojados nas regiões da América Latina e do Caribe. Mais do que qualquer outro país, a Colômbia acolhe 1,7 milhões de venezuelanos e concedeu um estatuto de protecção temporária de 10 anos a mais de 1,7 milhões de venezuelanos em Fevereiro deste ano.

O governo dos EUA seguiu o exemplo com um estatuto de proteção temporária para cerca de 329 mil venezuelanos. Os observadores dizem que a comunidade internacional ainda não acordou para o escalar da catástrofe, classificando-a antes como uma mera crise regional.

As calamidades humanitárias e económicas na Venezuela também são agravadas por um conflito entre Juan Guaidó, líder da Assembleia Nacional e reconhecido pelos Estados Unidos e dezenas de outras nações como presidente interino, e Nicolas Maduro, de 58 anos, que venceu uma disputada eleição em Maio de 2018.

O povo da Venezuela, como observou a assembleia dos bispos católicos venezuelanos na sua 115ª Plenária em Janeiro, “está a sofrer as terríveis consequências de um modelo económico, imposto por um regime e ideologia de tipo comunista, que empobreceu a todos, especialmente os mais fracos”.

Uma transição democrática, acrescentou a Assembleia, é difícil de conseguir no meio da desqualificação dos membros da oposição, intimidação e ameaça do actual regime que chegou ao poder através de “eleições ilegítimas”.

 

Artigo publicado no La Croix International a 27 de Setembro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui