Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 11 Out 2021
Conselho Plenário sugere mais de 40 formas para mudar a Igreja
O histórico Conselho Plenário da Austrália concluiu a sua primeira assembleia com mais de 40 propostas apresentadas como formas de remodelar a Igreja australiana.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

Muitas das propostas apresentadas durante seis dias de intensas discussões, principalmente à porta fechada, abordaram a relevância da Igreja na Austrália contemporânea, na vida paroquial e alcançando as periferias, incluindo católicos indígenas e sobreviventes de abuso clerical.

“Durante toda a semana, exploramos juntos as possíveis formas de nos reformularmos, de nos reposicionarmos, a Igreja na Austrália, para esta missão”, disse o Arcebispo de Perth e Presidente do Conselho Plenário, Timothy Costelloe.

O quinto Conselho Plenário da Austrália, o primeiro desde 1937, visa apresentar uma igreja missionária mais centrada em Cristo, depois das chocantes descobertas dos abusos sexuais de crianças, diminuição da participação nas eucaristias, falta de padres e o desejo de alargar o papel das mulheres.

A primeira assembleia foi realizada virtualmente devido a restrições impostas pela pandemia, com 278 membros de todo o país entre leigos, mulheres, diáconos, religiosos, padres e bispos.

“Tentamos todos ouvir-nos uns aos outros”, disse o Pe. Michael Goonan, líder congregacional da Sociedade de São Paulo.

“O desafio ... [com] todas estas crenças e opiniões diversas e firmemente sustentadas – como podemos encontrar um caminho que respeite todos e que de alguma forma abranja todos?”, perguntou.

Kym Keady, directora de uma Pastoral de Jovens e facilitadora do conselho de Brisbane, afirmou: “Muitas das propostas são viáveis ​​e são tão encorajadoras... foi uma experiência poderosa”.

Declarações resumidas dos grupos de trabalho do Conselho propuseram apoiar os australianos indígenas que procuram reconhecimento constitucional; adopção de modelos inovadores de governação com leigos e clérigos a trabalhar em conjunto; ampliação dos programas de formação leiga e religiosa contemporânea; supervisão profissional para clérigos e trabalhadores da Igreja; expansão da participação influente das mulheres, incluindo a consideração das mulheres diáconas e o estabelecimento de fóruns para um diálogo aberto e discernimento, especialmente com aqueles grupos que se sentem excluídos da igreja.

Um dia inteiro foi dedicado ao escândalo do abuso sexual do clero, à cultura da Igreja que o permitiu e à dor contínua dos sobreviventes.

Os membros do conselho rezaram e reflectiram sobre como ver através dos olhos daqueles que foram abusados ​​e como alcançar os que estão nas periferias.

“Foi muito emocional, reavivou memórias, lembrou-me das minhas próprias Irmãs na congregação que também foram vítimas de abuso”, disse a Irmã Catherine Reuter, Líder das Irmãs da Misericórdia de Brisbane e mebro do Conselho.

“Como é que me sinto? Que de alguma forma as coisas podem ser diferentes... passos curtos e cuidadosos de muitos como eu, que têm papéis de liderança, que têm responsabilidade, que prestam contas aos outros e que trabalham de forma colaborativa em grupos religiosos, dioceses, paróquias e corpos civis específicos”, adiantou.

O Professor Emérito John Warhurst, membro do Conselho e presidente da Concerned Catholics Canberra Goulburn, escreveu diariamente num blogue diário, expressando as suas opiniões sobre a discussão plenária.

“A minha impressão é que, quanto ao abuso sexual infantil e protecção, a assembleia vai insistir na tolerância zero e no arrependimento e generosidade duradouros para com os sobreviventes”, escreveu.

“Em duas grandes questões sociais, reconhecendo a cultura e espiritualidade indígena, e a conversão ecológica, tanto com os aspectos internos quanto externos, a assembleia quer tanto uma acção interna quanto uma liderança externa mais forte da Igreja na sociedade em geral. Sobre o papel das mulheres na tomada de decisões dentro da igreja, há também um claro apetite por inclusão, responsabilidade e igualdade. Sexualidade, incluindo justiça para LGBTQI + católicos, é o elefante no meio da sala sala (…)”, acrescentou.

Uma equipa de especialistas e consultores da Igreja irá agora pesquisar, refinar e desenvolver as propostas para uma discussão mais aprofundada quando o Conselho Plenário se reunir pela segunda vez em Sydney, em Julho do próximo ano.

Artigo de Mark Bowling, publicado no The Tablet a 11 de Outubro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui