Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 15 Out 2021
Numa falha monumental de liderança, muitas dioceses não se estão a envolver no caminho sinodal
O que fazer quando um bispo falha em iniciar o processo sinodal na diocese? Contribuir directamente junto da Secretaria Geral do Sínodo.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Jon Bower / Alamy

Em 1638, John Milton produziu uma elegia pastoral para um colega estudante, um jovem clérigo, cuja morte incitou o seu criticismo aos bispos anglicanos da época. Ele via o clero jovem a viver a vida em resposta ao valor evangélico da liderança pastoral, mas sem o apoio do episcopado. O modelo do Bom Pastor era um marco dos Evangelhos e a comparação com aqueles pastores que não conheciam o seu rebanho e as suas necessidades era uma constante nos ensinamentos de Jesus.

Em Maio de 2021, o Cardeal Mario Grech escreveu a todos os bispos para iniciar o processo sinodal que levaria, em última instância, ao Sínodo dos Bispos em Outubro de 2023. Eles deveriam identificar um contacto diocesano que lideraria uma equipa e actuaria como o contacto entre o processo diocesano e a Conferência dos Bispos Católicos de Inglaterra e País de Gales. A equipa devia ter quatro meses para se preparar para o processo sinodal, conforme estabelecido no Vademecum, o manual publicado no início de Setembro.

A sinodalidade não é um conceito novo, uma maneira nova de fazer as coisas na Igreja. As suas raízes estão no ministério dos primeiros “seguidores do caminho”, conforme descrito nos Actos dos Apóstolos. Garantir o desenvolvimento da Igreja primitiva exigia discussão, escuta atenta do Espírito e humildade para aceitar a necessidade de mudança à medida que as circunstâncias mudavam.

Não é menos necessária no século XXI do que foi no primeiro. O apelo do Papa Francisco à Igreja Católica mundial para se envolver num processo sinodal – uma “jornada em conjunto” — para discernir como devemos mudar como povo de Deus é tão oportuno quanto necessário. A pandemia sublinhou muitas das coisas que precisam de mudar na sociedade em geral, e não menos dentro da Igreja Católica.

O bispo é considerado central neste processo em virtude do seu ofício e da sua responsabilidade de actuar como garante da fé: “Portanto, o papel principal do Bispo diocesano neste Processo Sinodal é facilitar a experiência sinodal de todo o Povo de Deus no caminho para uma Igreja mais sinodal” (Vademecum 4:2).

Um processo sinodal é construído sobre a pedra fundacional do episcopado. A autoridade do bispo deriva, pelo menos em parte, do exercício desse dever específico. Em Westminster, East Anglia e Salford, vemos planos a serem traçados para um discurso significativo entre o pastor e o rebanho. Apoiaríamos esses esforços e estimularíamos uma ampla participação, o que valoriza a qualidade do diálogo e a validade das decisões tomadas.

Noutras dioceses, pode haver poucos, se houver, planos para que tal processo sinodal ocorra. A ausência de um processo sinodal significativo retira do bispo o acesso à mente e ao coração dos fiéis, através dos quais mudanças significativas e duradouras podem ser realizadas. Ao exigir que os bispos designem uma equipa para liderar este processo sinodal, o Vaticano reconheceu que a participação de todos os fiéis era um sinal e um testemunho tangível da autenticidade desta experiência sinodal: a participação é baseada no facto de todos os fiéis serem qualificados e chamados a servirem uns aos outros através dos dons que cada um recebeu do Espírito Santo.

“Na Igreja sinodal, toda a comunidade, na livre e rica diversidade dos seus membros, é convocada…” (Vademecum 1:4). O manual sublinha a necessidade de qualquer processo sinodal ser aberto a todos. Qualquer processo que exclui alguns e minimiza a voz de outros é um processo falhado. Cada diocese precisa de examinar quão adequadamente será capaz de ouvir as vozes dos marginalizados; um bom pastor será aquele que sabe atrair aqueles que têm menos probabilidade de serem ouvidos.

Embora o Vaticano tenha sublinhado o papel central do bispo no manual e encorajado a participação activa das associações, também reconhece a possibilidade de outras associações do povo de Deus poderem ter de comunicar as suas preocupações directamente ao Vaticano. “As comunidades religiosas, movimentos laicais, associações de fiéis e outros grupos eclesiais são encorajados a participar no Processo Sinodal no contexto das Igrejas locais. No entanto, têm a possibilidade de, tal como qualquer grupo ou indivíduo que não tenha oportunidade de o fazer a nível local, enviar os seus contributos diretamente para a Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos”. (Vademecum 1:5)

Entre outros, a ACTA, A Call to Action, é uma associação, e o Root and Branch é um movimento que trabalha para ouvir todos atentamente. Apoiar o diálogo e encorajar uma Igreja que escuta estão entre seus princípios básicos. (O Root e Branch irá disponibilizar o seu Texto de Bristol a todos os grupos de reforma, bem como o irá enviar directamente a Roma).

Estas organizações e outras estão prontas para trabalhar com os bispos para garantir o máximo envolvimento e participação de todo o povo de Deus. As dioceses têm grandes oportunidades de trabalhar com associações leigas, confrarias e comunidades religiosas para garantir que o processo sinodal é compreendido, que ouve as periferias e não apenas o centro e que garante um processo autêntico.

A maioria das dioceses tem uma rede de redes que está pronta, disposta e capaz de apoiar um processo sinodal. Deve ser uma questão de profundo pesar que a conferência dos bispos não tenha conseguido envolver esses grupos para garantir uma fase inicial bem-sucedida. A situação noutras dioceses é motivo de preocupação ainda maior. A ausência de qualquer sinal tangível de preparação sinodal até ao momento sugere que qualquer processo provavelmente não terá envolvimento e será conduzido com pouco interesse ou impacto.

Será um fracasso monumental da liderança pastoral quando era mais necessária. Em consequência, prestará um péssimo serviço à questão da sinodalidade.

Em tais circunstâncias, qual é o dever dos leigos? A questão da corresponsabilidade dos leigos foi exposta com clareza pelo Papa Bento XVI: “Isto exige uma mudança de mentalidade no que diz respeito particularmente aos leigos, passando do considerá-los "colaboradores" do clero ao reconhecê-los realmente "co-responsáveis" do ser e do agir da Igreja, favorecendo a consolidação de um laicado maduro e comprometido”.

A Lei Canónica 212.3 estabelece as responsabilidades dos leigos em termos de trazer à atenção do pastor as questões de interesse. É o fundamento sobre o qual assenta a corresponsabilidade dos leigos: “Os fiéis, segundo a ciência, a competência e a proeminência de que desfrutam, têm o direito e mesmo por vezes o dever, de manifestar aos sagrados Pastores a sua opinião acerca das coisas atinentes ao bem da Igreja, e de a exporem aos restantes fiéis, salva a integridade da fé e dos costumes, a reverência devida aos Pastores, e tendo em conta a utilidade comum e a dignidade das pessoas”.

Esses dois elementos do ensinamento da Igreja sobre o papel dos leigos significam que não pode haver aceitação passiva se algumas dioceses deixarem de se envolver com um processo sinodal porque o bispo falhou em iniciá-lo. Os leigos, os religiosos e o clero de tal diocese seriam privados de direitos no momento em que havia uma clara necessidade de liderança pastoral para uma Igreja sinodal. Nesta eventualidade, é próprio e necessário que outros – associações leigas, comunidades religiosas e clérigos – sejam capazes de organizar e gerir um processo utilizando os materiais fornecidos no Vademecum.

Na ausência de um processo sinodal numa diocese, os leigos são encorajados pelo Papa Bento XVI a adoptar essa mudança de mentalidade. O Vademecum também reconhece isso ao incentivar contribuições directas junto da Secretaria Geral.

A Igreja Católica na Inglaterra e no País de Gales foi afectada, assim como a maioria das religiões, pela pandemia e pelas suas restrições. Em todas as esferas da vida, há um clamor para corrigir os erros do passado, para desenvolver uma economia que cuide dos fracos, dos refugiados, dos marginalizados. Na nossa Igreja, há uma faixa de rejeitados, abandonados, excomungados. Mais de metade são mulheres – o próprio povo recusou qualquer voz da Igreja, mesmo que sem ela não tivesse existência prática. Muitos paroquianos vivem vidas solitárias e abandonadas sem a Eucaristia, punidos pelas suas “relações irregulares”. Outros sofrem pelas suas diferentes sexualidades ou identidades de género.

Muitos jovens simplesmente abandonam a Igreja, com alívio palpável.

O Root and Branch dá voz a esse público crescente que o sistema nunca conta; aqueles que vão embora em desespero. A oportunidade de criar uma Igreja alegre, responsável e justa, mais receptiva às necessidades, mais acolhedora com o estranho e mais inclusiva deve ser a ambição de cada Bispo. Não pode haver regresso ao velho normal. O movimento em direcção a uma Igreja sinodal é o resultado e uma resposta ao mundo pós-pandémico e marca um desenvolvimento necessário na relação entre rebanho e pastor. O poema Lycidas, citado no início desta publicação, termina com uma nota salutar. O rebanho que foi ignorado pelo clero sénior já não está mais por perto: “Amanhã para novos campos e novas pastagens.”

 

Artigo de Frank Callus e Mary Ring, publicado no The Tablet a 6 de Outubro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sínodo  •  Sinodalidade  •  Episcopado  •  Dioceses  •  Root and Branch  •  Inglaterra
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui