Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 19 Nov 2021
A ideia do Papa do Sínodo parece muito pequena e secreta – vamos mudar isto
Kate Keefe é uma paroquiana de Inglaterra que lamenta a pouca informação dada aos paroquianos sobre o Sínodo.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS/Remo Casilli

É difícil pensar num momento em fosse mais problemático realizar o tipo de sínodo que o Papa parece desejar, a não ser tempos de guerra. Como este é um sínodo global para uma Igreja católica, em alguns lugares as pessoas realmente tentarão fazê-lo no meio da guerra, e devemos lembrar-nos delas em nossas orações. Mas, mesmo aqui, na próspera Europa Ocidental, a situação não é propícia para a escuta mútua cuidadosa e orante que deveria estar no cerne do processo.

Nos últimos quase dois anos, e parece mais mais tempo, as nossas paróquias foram atomizadas, limitadas, reduzidas e até mesmo durante algum tempo encerradas completamente. Vimos muito menos das nossas comunidades do que teríamos visto em circunstâncias normais, com alguns paroquianos vulneráveis ​​e idosos isolados durante meses. À medida que entramos em Novembro e realizamos serviços em família para os mortos, há lembretes gritantes, como a longa lista de mortes por pandemia no Livro da Memória no altar, de que perdemos membros valiosos e nem sequer pudemos ir aos seus funerais, mesmo que os funerais pudessem ser realizados. As nossas relações normais com os nossos companheiros paroquianos são quase irreconhecíveis. Muitas das nossas igrejas estão frias e ainda pouco povoadas.

No entanto, aqui estamos nós no início do processo sinodal, que supostamente se moverá da base para as sessões no Verão em Roma até ao Outono de 2023. Mas quando a relva foi pisada e maltratada, há hipótese para as flores silvestres rastejarem; ou, para mudar de metáfora, o Espírito Santo entra facilmente pelas fendas, e esta deve ser a nossa esperança aqui, especialmente com o nosso Deus das surpresas. Aqui está o que está a acontecer na minha paróquia.

Eu soube do sínodo por ler o The Tablet, e não por causa de algo estar a acontecer localmente ou a partir de qualquer informação oferecida ao nível da paróquia. Esse é um dos motivos pelos quais leio o The Tablet, é claro. Eu sei o que está a acontecer. Mas, especialmente neste momento, isso significa que é provável que haja muitas pessoas que ainda não conhecem o sínodo.

Todos os nossos jornais e publicações católicas foram removidos dos nossos alpendres no primeiro confinamento para impedir que alguém tocasse em alguma coisa, e ainda não voltaram. Sem missais, sem hinários, sem boletins da paróquia, exceto online para nós, compulsivos, e sem imprensa católica. Portanto, excepto aqueles de nós que tiveram a sorte de ter uma assinatura postal ou digital do The Tablet, nenhuma informação, excepto a que foi divulgada oralmente nos editais no final da missa, e o sínodo não aparecia lá, de todo.

Eu estava a começar a perguntar-me se tudo tinha sido cancelado, quando, do nada, tivemos uma carta pastoral em vez de um sermão na missa do dia 17 de Outubro, do arcebispo, onde nos disseram que o processo era basicamente para o próximo mês e cada paróquia foi convidada a nomear duas pessoas como representantes da paróquia. Havia perguntas a serem consideradas que poderiam ser encontradas online.

Isto foi surpreendente, no mínimo, e certamente bastante para absorver de uma vez. Também era uma novidade completa. Duas coisas se destacaram imediatamente: primeiro, se a paróquia precisava de dois representantes, teria sido uma boa ideia falar connosco mais cedo, sobretudo porque o prazo era muito curto; e, segundo, foi um período de tempo completamente risível para o tipo de conversa que se pretendia. Se o processo está a decorrer até 2023, como é que as paróquias têm um mês para iniciar e terminar o seu contributo? Nós somos a Igreja. A proporção de tempo disponibilizada era quase insultuosa. E precisaríamos de reunir para conversar e ouvir-nos uns aos outros sobre estas coisas, já que actualmente não há grupos para fazer isto na minha paróquia, nem, imagino, na maioria das paróquias. As dioceses, as conferências episcopais, todos têm fóruns que podem reorganizar para terem as suas discussões e fazer o seu discernimento; nós estamos a começar do zero, embora grupos como o SVP e semelhantes sejam capazes de organizar uma resposta conjunta com mais facilidade.

Fico feliz por saber que esta parte do processo foi estendida, embora não muito, mas não senti nenhum senso de urgência na carta pastoral. Descobri bem depois do evento que havia uma missa transmitida ao vivo para lançar o sínodo, seguida de algum tipo de reunião ou sessão de perguntas e respostas. Talvez eu devesse ter sido capaz de descobrir isto antes. Mas não o fiz. Não havia nada no nosso boletim paroquial (apenas digital) nas semanas anteriores (voltei e verifiquei, para o caso de me ter enganado) e, desde então, simplesmente passamos a ter a oração sinodal escrita e um apelo online cada vez mais desesperado por voluntários. Estávamos ausentes para a segunda semana da consulta de quatro semanas (a meio do tempo), e resolvi apoiá-la tanto quanto pudesse num estágio posterior... mas nada parece estar a acontecer ainda. Lemos juntos a oração sinodal depois da missa de Domingo esta semana, pelo menos aqueles de nós que pegaram num cartão ao entrar, embora ninguém tivesse sugerido que esta fosse uma boa ideia, ou tivesse oferecido o postal quando as pessoas entraram. Esta foi a primeira vez que lemos a oração sinodal juntos; esta é a terceira semana da suposta consulta de quatro semanas, agora felizmente prolongada, embora eu não tenha a certeza de que a parte paroquial tenha recebido muito tempo extra.

Tive um grande golpe de sorte na semana passada (anjo da guarda ou o Espírito Santo, talvez). Fui à igreja para a minha hora de Adoração e aproveitei para olhar os quadros de avisos à entrada da igreja, porque ainda sentia que devia haver mais informações em algum lugar. Neste momento certamente deve estar certamente a tentar envolver os paroquianos, não? Não encontrei nada sobre o sínodo, excepto, num canto distante, uma cópia impressa da carta pastoral de 17 de Outubro. Apenas uma cópia, mas já era 4 de Novembro, e sou surda de um ouvido, então achei que se justificava levá-la comigo. E numa nota de rodapé havia um endereço electrónico para mais informações. Fiquei encantada, mas também preocupada.

Este deve ser um processo de conversa e de escuta, especialmente para aqueles cujas vozes geralmente não são ouvidas. Se quiseres fazer isso, terás de tornar as coisas mais fáceis para as pessoas. Conheço bastante tecnologia e, graças a Deus, tenho filhos em casa se precisar de mais ajuda digital. Como é que todas as outras pessoas saberão onde procurar, visto que tenho a única cópia impressa da carta pastoral? E há tão pouco tempo. As questões que devemos debater são vastas. Em qualquer cimeira ou reunião de alto nível, como todos sabem, a maior parte da conversa e da escuta deve ser realizada de antemão. O Espírito Santo pode fazer qualquer coisa, mas precisa da nossa cooperação. Sinto que a minha paróquia está a debater-se porque isto parece estar fora do seu alcance e nenhuma liderança está a actuar. E o Papa não quer apenas uma loja de debates, ele quer tempo e espaço para falar, ouvir e discernir. Construir isso do zero é uma tarefa e tanto.

Eu li (obrigada novamente, Tablet) que outras paróquias têm questionários ou sondagens, e acho que isso é uma boa ideia. Outro modelo que pode ajudar são os “cafés da morte”, onde as pessoas vêm e se sentam em pequenos grupos deliberadamente para falarem sobre as coisas das quais a maioria das pessoas se esquiva. Para isso, porém, podemos precisar de algo menos difuso do que as perguntas sugeridas, menos pressão e mais abertura. Eu não tenho nenhuma resposta. Estou apenas a observar o que nos pedem que façamos. Parte do problema é que não temos mecanismos actuais para obter as opiniões das pessoas das periferias. Nas paróquias, quando vivíamos no exterior, poderia começar com o meu grupo de estudo bíblico ou discuti-lo com as pessoas depois da missa, mas eram paróquias menores. Aqui, quando tentei ingressar num grupo de estudo da Bíblia, disseram-me que não havia lugar para outra pessoa em nenhum dos dois grupos paroquiais. Por causa da pandemia, gastar tempo a conversar depois da missa foi desencorajado por algum tempo. Os padres estão sobrecarregados e menos disponíveis do que costumavam estar, e é quase impossível encontrar um com quem conversar.

Outro problema é o clericalismo, ou aquilo a que poderemos chamar uma versão particular da Igreja de masculinidade tóxica, em que as opiniões das mulheres são consideradas irrelevantes ou insignificantes. Ainda assim, as mulheres costumam ser as pessoas que realizam grande parte do trabalho básico da Igreja. Precisamos de saber realmente o que elas pensam. Elas estão mais próximas das ideias de Jesus e do Papa sobre para que serve a Igreja. Muitas são mães, que sabem que desistir de alguém simplesmente não é uma opção (…). As suas percepções sobre a Igreja como hospital de campanha, como um lugar de serviço, amor e cura, precisam de ser ouvidas; mas elas foram activamente desencorajadas a falar abertamente durante muito tempo, e essa atitude é difícil de mudar. Construir confiança leva tempo.

Com uma instituição como a Igreja, a inércia é uma força colossal. Ninguém quer balançar a barca de Pedro; sabemos que é atacada por todos os lados e amamos a Igreja, mas semper reformanda é tão verdade hoje como sempre foi. Acho que a ênfase do Papa na escuta é para permitir que todos nós não reajamos defensivamente. Se todos nós amamos a Igreja, então todos queremos que ela seja o melhor que pode ser e, se não tirarmos conclusões precipitadas, o Espírito Santo tem espaço para agir.

Esta deveria ser uma oportunidade colossal, por isso não devemos desperdiçá-la. Precisamos de liderança da hierarquia e envolvimento das pessoas, mas nada vai acontecer a menos que transmitamos as informações. Somos o povo e Inglaterra e ainda não falámos. Até agora, na minha paróquia, o sínodo parecia um pequeno e distante segredo; mas talvez esta seja a nossa oportunidade.

 

Artigo de Kate Keefe, publicado no The Tablet a 17 de Novembro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sínodo  •  Paróquias  •  Escuta  •  Inglaterra  •  Processo sinodal
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui