Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com America | 22 Nov 2021
A crise da cadeia de abastecimento pode salvar o Natal
A desaceleração da cadeia de abastecimento deste ano pode ser o convite de que não sabíamos que precisávamos para vivermos com mais intenção.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

Criar um plano e um orçamento para a compra de presentes de Natal é algo que as famílias fazem todos os anos. Queremos sublinhar “o motivo da temporada” e evitar exagerar nos presentes, sem parecer mesquinhos ou avarentos. Mas esta não é uma época festiva comum.

Enquanto eu crescia nos anos 80 e 90, os meus pais passavam algumas tardes e noites em Dezembro à procura de presentes em lojas locais. Se não havia armazenamento na nossa vizinhança, não era para estar sob a nossa árvore. Agora, compramos quase tudo em quase qualquer lugar, quase a qualquer hora, e quase nos esquecemos de como viver sem esse luxo. Se não tivermos mais detergente, podemos usar o nosso telemóvel para uma entrega à nossa porta em poucas horas, então é claro que podemos pedir um novo brinquedo fabricado em qualquer lugar do mundo e tê-lo embrulhado sob a árvore na véspera de Natal.

Este ano, a crise da cadeia de abastecimento, ilustrada pelos contentores sem carga que se acumulam nos nossos portos marítimos, resultou em lojas com stock insuficiente e tempos de entrega imprevisíveis para presentes encomendados online. Por isso, estão a dizer-nos para encomendarmos com antecedência e para depois fazermos mais encomendas, antes que os nossos vizinhos despejem tudo nos seus carrinhos de compras digitais. Mas, e se, em vez disso, reconhecêssemos o quão pouco os presentes “certos” realmente importam?

Esta ideia não é nova, é claro. Contadores de histórias como Dickens, Alcott ou o Dr. Seuss lembram-nos que o Natal não é sobre os presentes; é sobre pessoas, família, o lar e Jesus. Podemos fazer bem este ano em tentar viver como se isso fosse verdade.

Como é que isto poderia ser? Primeiro, podemos limitar as nossas compras em lojas até um raio de cinco quilómetros das nossas casas. Podemos restringir-nos àquilo em que conseguimos pegar com as nossas mãos reais e colocar num carrinho da vida real. Não só podemos apoiar melhor os nossos lojistas locais, como também podemos moderar os nossos próprios desejos, traçando uma fronteira literal à volta das nossas opções.

Também podemos dar prioridade a eventos como presentes em vez de itens tangíveis. Ao relembrar as festas da infância, lembra-se de tudo o que desembrulhou? Provavelmente não, mas poderá lembrar-se mais facilmente do que fez com a sua família e amigos. Deve lembrar-se de ir a um concerto ou a um serviço religioso à meia-noite na véspera de Natal, reunir-se com a sua família e sentar-se à “mesa das crianças” com os seus primos, fazer biscoitos com o seu amigo ou embarcar num avião. Da mesma forma, os ingressos para um concerto ou uma peça podem não ser tão divertidos de desembrulhar quanto os presentes volumosos, mas costumam ser mais divertidos de usar.

Também podemos seguir o caminho do presente caseiro, por mais banal que possa parecer. A minha filha adolescente coze e embrulha uma fornada de biscoitos para o pai dela todos os Natais, Dia dos Pais e aniversários, e ele nunca se cansa disso. Ele sabe que vai ter os biscoitos, mas mal pode esperar para ver o que é que ela inventou desta vez. Chapéus de malha, tigelas feitas à mão, uma fotografia bem emoldurada de um lugar amado – há ideias ad infinitum; e nenhuma delas é banal, independentemente do que digam as lojas.

Finalmente, há a solução óbvia à qual poderemos ser forçados de qualquer maneira: comprar menos. Talvez este seja o Natal em que finalmente dizemos “chega” mais cedo do que costumamos fazer e em que descobrimos que isso não vai estragar o dia. Na verdade, podemos criar uma abundância de outro tipo, em que abrimos os presentes mais lentamente, gastamos mais tempo com puzzle em grupo ou iniciamos uma nova tradição de uma longa caminhada pela vizinhança no dia de Natal.

A encíclica “Laudato Si’" convida-nos a “um regresso à simplicidade que nos permite parar a saborear as pequenas coisas, agradecer as possibilidades que a vida oferece sem nos apegarmos ao que temos nem entristecermos por aquilo que não possuímos” (n. 222). A desaceleração da cadeia de abastecimento deste ano pode ser o convite de que não sabíamos que precisávamos para vivermos com mais intenção. Que esta temporada de festas seja mais sobre a simplicidade das pequenas coisas, e que possamos levar esse presente connosco para o Natal que está por vir.

 

Artigo de Tsh Oxenreider, publicado em America a 18 de Novembro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Natal  •  Presentes  •  Jesus  •  Oração  •  Consumismo
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui