Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 29 Nov 2021
Aumenta a percepção da necessidade do ministério da saúde mental na Igreja
PARTILHAR IMPRIMIR
  © James Ramos/Texas Catholic Herald via CNS

Jeri McNulty recorda os ataques de ansiedade e stress que chegaram no início da pandemia de COVID-19 com a mudança para o online das suas aulas de leitura para jovens alunos, e o isolamento geral que experimentou na sua vida pessoal num mundo remoto.

McNulty, que sofre de transtorno bipolar e ansiedade, também se lembra da importância da sua fé católica nessa época. Afirmou que o simples facto de estar presente na igreja, sentar-se num banco e aproveitar o momento foi fundamental para ultrapassar esse período.

“[Saúde mental e fé] andam de mãos dadas”, disse McNulty ao Crux. “Quando estou bem, sou extremamente grata e a minha fé desempenha um grande papel nisso e quando estou em baixo, tenho a minha fé para me ajudar a superar os tempos difíceis”.

A carreira de McNulty modificou-se um pouco quase dois anos após a pandemia de COVID-19. Ela ainda está na área da educação. No entanto, em vez de trabalhar na leitura com alunos do jardim de infância ao quarto ano, está a trabalhar no desenvolvimento de professores. E nessa função, embora o país esteja muito longe dos confinamentos de 2020, testemunha a forma como os professores estão sobrecarregados e stressados ​​enquanto fazem os alunos entrar no ritmo.

É certo, disse, que a exacerbação dos desafios de saúde mental da pandemia COVID-19 ainda é uma realidade para muitas pessoas. É algo que o Papa Francisco também reconhece. A sua intenção de oração em Novembro de 2021 é por “pessoas que sofrem de depressão”.

“Oramos para que as pessoas que sofrem de depressão ou esgotamento encontrem apoio e uma luz que as abra à vida”, diz a intenção de oração.

Um vídeo acompanha a intenção de oração onde o Papa Francisco vai mais a fundo sobre os desafios que as pessoas enfrentam em todo o mundo, incluindo excesso de trabalho e stress relacionado com o trabalho “que faz com que muitas pessoas experimentem um esgotamento mental, emocional, afectivo e físico extremo”.

“Tristeza, apatia e cansaço espiritual acabam a dominar a vida das pessoas, que estão sobrecarregadas com o ritmo da vida hoje”, continuou o Papa, acrescentando um lembrete de que as palavras de Jesus são uma ferramenta eficaz para ajudar com doenças mentais.

De acordo com um comunicado de imprensa que acompanha o vídeo, cerca de 1 em cada 10 pessoas em todo o mundo vive com um transtorno de saúde mental, o que se traduz em cerca de 792 milhões de pessoas. Cerca de 700.000 pessoas cometem suicídio a cada ano, tornando-se esta a quarta causa de morte em pessoas com idades entre os 15 e os 29 anos.

O vídeo foi feito em consulta com a Associação de Ministros Católicos da Saúde Mental – que trabalha desde 2019 para agregar o ministério da saúde mental às paróquias e dioceses dos Estados Unidos e quebrar o estigma em torno da doença mental.

McNulty participa no ministério da saúde mental para ajudá-la com a sua própria saúde mental. Mora em Scranton, Pensilvânia, assim como um dos fundadores da associação, o diácono Ed Shoener.

Shoener, como alguém que sofre de depressão ligeira, também reconhece o desafio que o isolamento da pandemia criou.

“Para começar, a depressão e a ansiedade podem isolar as pessoas, e o isolamento é necessário por razões de saúde pública que podem ser particularmente difíceis”, disse Shoener ao Crux.

Shoener fundou a associação em 2019. Naquela época, disse, a Diocese de San Diego era a única diocese com o ministério da saúde mental. Nos três anos desde então – principalmente ao longo da pandemia de COVID-19 – o ministério da saúde mental foi adicionado a mais de 30 dioceses em todo o país, a nível paroquial ou diocesano. Shoener descreve a associação como uma rede para o ministério da saúde mental; para formar e inspirar as pessoas a disponibilizá-lo em todo o lado.

“O nosso foco [como ministros da saúde mental] é acompanhar as pessoas e as suas famílias, como o Papa Francisco diz, que convivem com essas doenças e desafios de saúde mental e deixá-las simplesmente saber que não foram esquecidas pela igreja, que existe uma comunidade que os apoia, porque muitas vezes as pessoas com doenças mentais estão isoladas”, disse Shoener.

Para incentivar o ministério, a associação disponibilizou recursos no seu site, criou programas de formação, ofereceu subsídios para ministérios da saúde mental em todo o país, organizou conferências e fundou o Instituto Católico de Saúde Mental da Universidade de San Diego.

Para Shoener e outros líderes da instituição, a paixão pelo ministério está enraizada nas suas experiências pessoais de viverem o impacto que a doença mental pode ter.

A inspiração de Shoener para criar a associação veio depois da sua filha, Katie, que sofria de transtorno bipolar, ter cometido suicídio em 2016. Um curto obituário que escreveu sobre a sua filha tornou-se posteriormente viral, fazendo-o reconhecer a necessidade do ministério da saúde mental.

Conseguiu com que a associação avançasse com o bispo auxiliar John Dolan, de San Diego, cuja família também sofreu tragédias de saúde mental. Quando o bispo era jovem, o seu irmão, Tom, cometeu suicídio. E quando estava na faculdade, a sua irmã e o marido dela cometeram suicídio também.

Essa experiência pessoal e o desejo de ajudar aqueles que sofrem de doenças mentais foram o principal motivo pelo qual se quis envolver no ministério. Dolan serve como capelão da associação.

“O objectivo era garantir que as pessoas com problemas de saúde mental fizessem parte da estrutura da igreja”, disse Dolan ao Crux.

“Acho que o que me empolgou sobre o ministério católico da saúde mental foi que, mesmo como adulto, como padre, percebi como me excluí disto porque simplesmente não falamos sobre questões relacionadas com a saúde mental por causa da vergonha. Então, ao falar e partilhar com outras pessoas, percebemos que não estamos sozinhos”, explicou.

Margery Arnold, uma psicóloga na Califórnia, tornou-se coordenadora do ministério da saúde mental da Diocese de Orange depois de experimentar um esgotamento no seu trabalho anterior como psicóloga pediátrica. Também sofre de crises de depressão.

Durante a pandemia, Arnold conduziu o ministério da saúde mental com pessoas através do Zoom e, recentemente, iniciou sessões pessoais em grupos de 8-14 pessoas na sua paróquia. Disse que, entre entre outras coisas, as pessoas expressaram que estão cansadas, sozinhas e separadas por causa da pandemia,.

Apesar disso, Arnold disse que se sente encorajada pelo que parecem ser mais pessoas a falar sobre saúde mental e a pedirem ajuda. Espera que as palavras do Papa Francisco incentivem mais pessoas a trazer a saúde mental e o ministério da saúde mental para o primeiro plano.

“[O ministério da saúde mental] está a levar o amor de Deus às pessoas que precisam, ou que estão a sofrer ou foram deixadas de lado e, ao ouvir o Papa dizer isso, o ministério da saúde mental é o Evangelho, por isso não podemos mais olhar para ele como uma questão secundária. É realmente fundamental para a nossa fé ”, disse Arnold.

McNulty disse que a Igreja abordar a saúde mental fá-la sentir que não está sozinha.

“Quando fui para o ministério, aquilo que é mais profundo é que não estou sozinho”, disse McNulty. “Estas pessoas entendem e, voltando ao Papa, ele entende e isso é muito importante”, concluiu.

 

Artigo de John Lavenburg, publicado no Crux a 26 de Novembro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Saúde  •  Ministério  •  Saúde Mental  •  EUA  •  Papa Francisco
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui