Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 30 Nov 2021
Padre do Chipre diz que viagem Papal incentiva cristãos nas periferias
Dias antes da visita do Papa Francisco à Grécia e ao Chipre, um padre cipriota disse que a viagem é um sinal de encorajamento para o pequeno rebanho católico da ilha mediterrânea e um sinal da atenção constante do Papa às periferias do mundo.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Vatican Media

Para o Padre Jerzy Kraj, Vigário Geral do Mosteiro Franciscano da Santa Cruz em Nicósia, Chipre, a decisão do Papa Francisco de visitar a pequena nação insular é uma aplicação concreta da “sua mensagem de ir às periferias, encontrar pequenas comunidades e encorajá-las”.

Quando a visita foi anunciada pela primeira vez, “foi uma surpresa” para os locais, disse Kraj, observando que existem outros grandes países europeus, como a Espanha, que ainda não tiveram uma visita papal, enquanto o Chipre teve duas em apenas 11 anos, após a visita do Papa Bento XVI em Junho de 2010.

O Papa Francisco chegará ao Chipre a 2 de Dezembro, onde ficará por dois dias antes de seguir para a Grécia, onde fará uma visita oficial de 4 a 6 de Dezembro.

Apontando para o tema da visita desta semana ao Chipre, “Confortando-nos uns aos outros na fé”, Kraj disse que a mensagem subjacente é que não só o Papa irá confortar a pequena minoria católica, mas também irá para ser consolado por ela.

“Um sinal desta viagem é o encorajamento, porque o Papa encoraja-nos, mas também será encorajado pela presença da igreja local”, disse Kraj, insistindo que esse encorajamento não se limitará aos católicos de rito latino da ilha, mas aos de toda a comunidade cristã, “porque o ecumenismo é muito importante”.

 

O Cristianismo no Chipre

De uma população de aproximadamente 1,2 milhões, cerca de 73% praticam o cristianismo. Desses cristãos, cerca de 95% pertencem à Igreja Ortodoxa, enquanto apenas 1% são católicos de rito latino e 0,9% pertencem às igrejas ortodoxas Arménias ou Católicas Maronitas.

Cerca de um por cento dos cristãos cipriotas pertencem à Igreja de Inglaterra e cerca de 0,6 por cento são Muçulmanos.

O Chipre está historicamente sob a jurisdição do Patriarcado Latino de Jerusalém, que actualmente é liderado pelo Arcebispo Pierbattista Pizzaballa. Kraj serve como vigário do patriarcado no Chipre.

Segundo Kraj, as minorias oficialmente reconhecidas pela República do Chipre e pela sua constituição são os Arménios Apostólicos Ortodoxos, os Latinos Católicos e os Maronitas Católicos.

Citando estatísticas oficiais do governo, Kraj disse que há cerca de 25.000 católicos de direita latina na ilha mediterrânea e cerca de 6-7.000 católicos maronitas, que se encontram principalmente no norte controlado pela Turquia.

Apenas 10 por cento dos católicos de rito latino em Chipre são nativos, disse, com o restante em grande parte composto por trabalhadores estrangeiros das Filipinas, Índia, Sri Lanka ou de alguns países europeus, como a Polónia ou Roménia.

“Se contássemos apenas o lado latino local, seríamos poucos e pobres. Em vez disso, as nossas assembleias são muito activas”, afirmou.

Actualmente, a Igreja de rito latino do Chipre, administrada em grande parte por membros da ordem Franciscana, tem paróquias na capital de Nicósia, em Limassol, Larnaca e Pafos. Os pastores, incluindo ele próprio, também se deslocam até ao Norte para celebrarem as missas dominicais, incluindo algumas nas paróquias Maronitas, disse Kraj.

A Igreja Maronita tem uma forte presença na grande aldeia de Kormakitis, com duas freiras e um padre permanentes, e também trabalham noutras aldeias menores onde não têm uma presença regular.

Aos Domingos, afirmou Kraj, os Franciscanos irão até ao Norte e celebrarão missas nas aldeias de Kyrenia e Famagusta, que é onde a maioria dos estudantes africanos que estudam nas universidades turcas no norte vão ao culto, resultando numa congregação de 4.500 para as missas dominicais.

“É uma comunidade animada com jovens, estudantes, que estão muito preparados e entusiasmados com a celebração”, disse Kraj.

 

Ecumenismo e relações com os Ortodoxos

Dois dos maiores pilares da visita do Papa Francisco serão a questão da migração e o reforço das relações com os Ortodoxos.

Como sinal do seu compromisso ecuménico, no seu segundo dia no Chipre, Francisco fará uma visita de cortesia ao arcebispo Chrysostomos II, arcebispo ortodoxo do Chipre, no arcebispado ortodoxo de Nicósia. De seguida, encontrar-se-á com o Santo Sínodo na catedral ortodoxa, onde fará um discurso.

Nessa noite, o Papa irá realizar um serviço ecuménico de oração com os migrantes na paróquia católica de Santa Cruz em Nicósia, onde Kraj actua como pastor.

De acordo com Kraj, agora as relações entre católicos e ortodoxos na nação insular “são boas, senão óptimas”. À parte algumas áreas problemáticas quando se trata de casamentos mistos ou com certos padres ou bispos, “ao nível da colaboração e do respeito pelas estruturas, é muito boa”, disse ele.

Os católicos actualmente têm sete locais diferentes onde celebram regularmente missas dominicais no sul do Chipre, três dos quais pertencem à Igreja Latina – em Nicósia, Larnaca e Limassol – enquanto os outros quatro são igrejas ou capelas Ortodoxas que concederam aos católicos acesso para celebrações litúrgicas.

“Este é um sinal de uma colaboração concreta”, disse Kraj, observando que também realizam frequentemente conferências em conjunto sobre temas como mariologia, e há um grupo de diálogo na ilha composto por quatro líderes cristãos – incluindo o arcebispo Ortodoxo Crisóstomo, o arcebispo Maronita, o arcebispo Arménio e ele próprio como vigário do patriarcado latino – e um representante Muçulmano.

“Não fazemos milagres, mas encontrarmo-nos e falarmos transmite um sinal de esperança muito visível”, disse, apontando a oração ecuménica do Papa a 3 de Dezembro com os migrantes como um exemplo dessa colaboração.

Observando que representantes de todas as comunidades não católicas em Nicósia terão algum tipo de representação na reunião ao lado de migrantes e refugiados, Kraj disse que esta é a prova de que “se a Eucaristia não nos une, a caridade trata de o fazer”.

 

A migração e o problema do Chipre

Esta caridade é especialmente necessária no Chipre, que está na linha da frente como ponto de chegada de milhares de migrantes e refugiados que chegam do Médio Oriente e da África, e que está a lutar para hospedar o número crescente de requerentes de asilo que cruzam a fronteira.

Para o Chipre, a questão da migração é actualmente “muito dramática”, disse Kraj, porque “o número de migrantes aumenta a cada semana, principalmente na parte norte que não é bem protegida”.

Muitos desses migrantes vêm da Turquia e cruzam a chamada “linha verde” que divide a ilha na República Turca do Chipre do Norte, que procura reconhecimento como estado independente, e a República do Chipre, cujo governo é o único reconhecido pelo comunidade internacional, e que é membro da UE desde 2004.

O Chipre está dividido por esta “linha verde” desde que um acordo de cessar-fogo em 1974 foi implementado após uma invasão turca na sequência de um breve golpe apoiado pela Grécia.

As tensões entre as duas partes ainda se fazem sentir hoje, com negociações de paz em curso, inclusive ao nível das Nações Unidas, para encontrar uma solução para o conflito que divide a ilha há quase cinco décadas.

Essa tensão é palpável mesmo para aqueles que não estavam por perto quando o cessar-fogo foi declarado, disse Kraj, acrescentando: “Não é que as pessoas sintam isto, mas sentem uma forte ferida na realidade social... a nova geração não sabe o que é a coabitação pacífica entre duas etnias, dois grupos”.

Actualmente, a esperança de “diálogo está bloqueada e as declarações são muito claras”, disse ele, observando que a Turquia está a pressionar para uma solução de dois estados, enquanto o Chipre grego, que considera o norte do Chipre um território ocupado, resistiu à sugestão.

“Agora estamos num momento de impasse e de dificuldade em avançar politicamente”, disse Kraj, dizendo que o seu papel, e o papel de todos os líderes religiosos, não é envolver-se na política, mas insistir que “a paz é possível, e a reconciliação é uma esperança para todos”.

Kraj expressou esperança de que o Papa, durante a sua visita, traga uma mensagem de reconciliação, dizendo que Francisco não pode ir ao norte e provavelmente irá esquivar-se das disputas políticas no seu discurso às autoridades, “mas certamente a mensagem será lançada, que mais pontes devem ser construídas, e não muros”.

Este conflito transformou-se na questão da migração, com muitos sulistas a acusarem a Turquia de enviar migrantes pela Linha Verde ou de não conseguir fazer cumprir os controlos adequados, numa tentativa de desestabilizar e mudar a demografia do Chipre grego. Aqueles que vêm do norte são amplamente vistos pelos sulistas como entradas “ilegais”.

Enquanto isso, os migrantes e refugiados que sobrevivem e apresentam pedidos de asilo na Europa são enviados para campos superlotados ou, quando saem do campo, lutam para encontrar acomodação e acesso a serviços básicos, incluindo saúde e vacinação contra a Covid-19.

Para este fim, várias organizações de caridade e ONGs estão a trabalhar para ajudar as famílias necessitadas, incluindo a Cáritas, que assiste cerca de 10.000 pessoas, disse Kraj.

“O processo é muito lento no Chipre, por isso cabe às organizações de caridade ajudá-los e dizer-lhes como preencher formulários, como procurar ajuda ao nível da assistência social”, afirmou, observando que há um dentro de migrantes na sua paróquia de Santa Cruz, mas “não é uma estrutura grande e organizada”.

“Temos alguns voluntários, mas não estamos preparados e não temos recursos económicos para fazer frente a essa situação”, disse.

A crise de Covid também piorou a crise de migração, forçando os migrantes a permanecer no que deveriam ser acampamentos temporários por meses de confinamento e a sobrecarregar o sistema de saúde da ilha.

Kraj disse que não há grande preocupação com a Covid pela visita do Papa, e que as autoridades envolvidas no planeamento fizeram adaptações para cumprir as directrizes de segurança impostas pela pandemia.

Para as principais liturgias públicas do Papa Francisco, um grande estádio de futebol, o “GPS Stadium” em Nicósia, será usado, ao contrário de um menor que foi usado durante a visita de Bento XVI em 2010, e aqueles que comparecerem à missa Papal serão obrigados a mostrar uma prova de vacinação ou um teste à Covid negativo para entrarem.

“Estamos a tentar cumprir essas regras. As pessoas ficarão sentadas umas ao lado das outras, mas não será uma multidão onde todos estarão próximos, todos estarão sentados ”, disse Kraj, observando que o estádio tem capacidade para cerca de 7.500 pessoas.

Em termos das suas expectativas para a visita do Papa, Kraj disse: “Cada viagem deve ser considerada uma semente... Ele vem certamente com uma mensagem do Evangelho, que é a Boa Nova. Irá proclamar o Evangelho a todos e irá lembrar cada um das suas responsabilidades”.

No entanto, os frutos desta visita dependem dos locais e de como implementam a mensagem do Papa, afirmou Kraj, acrescentando: “não é suficiente esperar que o Papa transmita uma mensagem e os frutos surjam. Esta é uma semente. É encorajar a igreja local. Depois, temos que trabalhar”.

“Não é que o Papa vá fazer milagres e toda a assembleia irá ficar melhor. Cada um de nós deve trabalhar, dia após dia, para ser melhor”, disse. “O Papa virá para nos ouvir, mas nós também devemos ouvi-lo. Se colaborarmos desta forma, haverá frutos”, concluiu.

 

Artigo de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 30 de Novembro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Papa Francisco  •  Visita Papal  •  Chipre  •  Periferias  •  Migração
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui