Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 2 Dez 2021
Uma escolha crucial: como é que a Igreja selecciona os seus bispos?
O processo de nomeação de bispos católicos permanece extremamente arcaico e excessivamente secreto. Precisa de ser mudado.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Jomarc Cala

Tempos difíceis para os bispos!

Para aqueles que estão habituados aos tons geralmente complacentes que caracterizaram a relação dos fiéis católicos com a hierarquia até agora, deve ser dito que isto está a mudar.

Os bispos em França estão agora a ser directa e duramente criticados por “católicos comuns”, após a publicação do Relatório Sauvé, que trouxe ao de cima graves falhas na maneira como os líderes da Igreja no país lidaram com os casos de abuso sexual.

Cada vez mais, os católicos estão a desafiar abertamente a legitimidade dos seus bispos. Os fiéis leigos não toleram mais os excessos de um poder solitário.

Também querem ter uma palavra a dizer e, em particular, querem fazer parte do processo que decide quem é que se torna um bispo.

Porque todo o paradoxo está lá. Na Igreja, o bispo é todo-poderoso.

 

É ridículo pensar que o Papa pode nomear todos os bispos do mundo

Não importa quão brutal seja questionar isto, é apenas uma reacção contra um sistema de governo onde o poder está concentrado nas mãos de um homem que possui todas as chaves de uma diocese.

Se um bispo comete um erro ou não está à altura da tarefa, é toda a comunidade católica que tem de pagar as consequências. E a Igreja local é permanentemente penalizada.

Dada a importância do cargo, a escolha do homem errado pode acabar por ser desastrosa.

A nomeação dos bispos é, sem dúvida, um dos procedimentos mais arcaicos da Igreja. É ridículo pensar que o Papa pode, individualmente, nomeá-los a todos.

Se tivermos em consideração que há mais de 5.000 bispos no mundo, podemos ver que mesmo um Papa que nunca dormisse nunca poderia cumprir esta tarefa.

 

Um processo protegido pelo “segredo pontifício”

Na verdade, os bispos são escolhidos pelo Núncio Papal – o embaixador do Papa num país – ou por cardeais ou bispos influentes em Roma. Ou por uma combinação dessas opções.

O processo de selecção dos candidatos permanece confidencial, até ultraconfidencial, já que é protegido pelo famoso “segredo pontifício”. Isto significa que quem for consultado para essas nomeações não deve contar a ninguém que foi contactado. Não devem divulgar os critérios pelos quais o candidato é examinado, nem as perguntas que lhe foram feitas.

É preciso obedecer ao segredo pontifício, sob pena de excomunhão, a pena mais grave da Igreja Católica. Portanto, no fim de tudo, são principalmente os bispos e os padres que são consultados.

O questionário que lhes é dado visa garantir que o candidato a bispo não tenha falhas notáveis. Deve ser totalmente ortodoxo na doutrina, nunca ter falado a favor da ordenação de homens casados ​​(muito menos mulheres), ser “emocionalmente equilibrado”, ter uma vida de oração autêntica e assim por diante. Em suma, o objectivo é mais de evitar casos problemáticos do que fazer uma escolha baseada em critérios positivos que revelem uma capacidade real de exercer responsabilidades futuras.

 

Os mais afectados não têm a palavra

O sistema de escolha dos bispos nunca foi revisto após o Concílio Vaticano II (1962-65). Permanece clerical e carece de transparência.

Claro, o primeiro entre eles – o Bispo de Roma – é eleito. É certo que este processo eleitoral decorre no segredo do conclave. Mas envolve debates e discussões reais num processo colegial que pode dar origem a várias rondas de votação.

No entanto, quando se trata de escolher os bispos diocesanos, os fiéis católicos – os mais afectados pela escolha – não têm absolutamente nenhuma palavra a dizer.

Não estamos a pedir à Igreja que organize eleições em todas as dioceses! Mas, entre um processo democrático aberto e uma política de nomeação centralizada monolítica, um meio-termo deverá ser possível.

No mínimo, a Igreja poderia apresentar um guia de boas práticas. A peculiaridade religiosa da instituição não justifica a forma anacrónica pela qual nomeia os seus líderes espirituais.

 

Artigo de Isabelle de Gaulmyn, publicado no La Croix International a 30 de Novembro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui