Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La croix International | 15 Dez 2021
Igreja em Benim leva a sério a inclusão de leigos no trabalho sinodal
Sete das dez dioceses católicas do Benim, na África Ocidental, iniciaram o processo sinodal que o Papa Francisco traçou para a Igreja universal.
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Os católicos em Benim, que representam algo como entre um quarto e um terço da população estimada do país de 12 milhões de habitantes, iniciaram o processo sinodal.

A Arquidiocese de Cotonou abriu o caminho em Outubro, ao criar a primeira equipa para facilitar a fase diocesana de preparação para a assembleia do Sínodo dos Bispos em 2023 sobre a “sinodalidade”.

“Esta equipa, criada pelo Arcebispo Roger Houngbédji, de Cotonou, é composta por sete pessoas: quatro sacerdotes, dois leigos e uma irmã religiosa”, disse o padre Rodrigue Gbédjinou, responsável pelo processo.

Existem configurações semelhantes nas outras dioceses.

O arcebispo Pascal N'koué, de Parakou, reuniu uma equipa no final de Outubro e nomeou o padre Tiburce Apovo para liderá-la. É composta por três sacerdotes, três leigos e uma irmã.

Há seis membros em N'Dali e oito em Djougou, duas dioceses do norte cujas equipas de contacto iniciaram as suas actividades a 23 de Novembro.

D. François Gnonhossou, Ordinário da diocese de Dassa-Zoumé, constituiu a equipa diocesana para o sínodo a 28 de Outubro, sob a orientação do padre Koba Damien Zomahoun.

Todas estas equipas estão a seguir um programa de três etapas que inclui trabalho preliminar, verdadeiras consultas e compilação de resultados.

“A nossa equipa diocesana já realizou quatro reuniões”, explicou o Padre Gbédjinou, de Cotonou. “Por enquanto, estamos a assentar as bases das acções, a trabalhar as questões para as consultas (gerais e particulares) e ao mesmo tempo a identificar o público-alvo”, disse.

 

Métodos de trabalho baseados nos coordenadores locais

Na Diocese de N'Dali, o Pe. Simplice Boco, Vigário Geral e Director da Equipa Diocesana, acaba de lançar o projecto.

“Foi pedido às paróquias que elaborassem os seus calendários, todos coordenados pelos responsáveis ​​do sector que receberam recomendações da equipa sinodal diocesana”, afirmou. Este foi o mesmo método que a equipa da Diocese de Djougou escolheu. Após reuniões preparatórias realizadas através de um fórum de debate, os questionários para a consulta já foram enviados.

“De acordo com o método de trabalho da nossa diocese, trabalhamos com os cinco líderes de sectores e são eles que trabalham com as 23 paróquias da diocese”, explicou o Pe. Max-Evariste Codjo, director da equipa.

“Seguindo uma apresentação geral do Documento Preparatório e do processo sinodal na missa do início do ano pastoral, encontrei-me com os Vigários para lhes apresentar pessoalmente este documento e para lhes fazer saber qual será o seu papel”, disse o Padre Gbédjinou.

Com base nas instruções do Documento Preparatório, a equipa que o sacerdote lidera “prevê cerca de 50 coordenadores locais (leigos comprometidos e religiosos) que serão formados com base em determinados temas para ajudar nas sessões de escuta durante as consultas (duas sessões com cada grupo) que terão início a 6 de Janeiro de 2022”.

 

“Leigos serão muito envolvidos”

“Os leigos serão muito envolvidos e consultados porque esta é uma consulta ao povo de Deus, que consiste em grande parte nos leigos”, disse o padre Gbédjinou. A equipa do padre Apovo, em Parakou, escolheu um paradigma semelhante quando, em primeiro lugar, procurou envolver os jovens.

“Em Parakou, visamos os jovens, depois religiosos e religiosas, padres, mulheres católicas e, finalmente, executivos e figuras políticas”, disse o sacerdote.

A equipa do padre Zomahoun em Dassa-Zoumé, por outro lado, “não envolveu apenas os párocos no trabalho, mas também um representante dos grupos, associações e movimentos de cada paróquia”.

Em Djougou, o padre Codjo pretende formar “primeiro os catequistas da diocese (no início de Janeiro de 2022), depois os vários movimentos, grupos de oração, coros, etc., para que toda a diocese seja infundida com a dinâmica do sínodo e que o objectivo do Papa, que deseja que todas as pessoas e camadas sociais se envolvam na reflexão e “caminhem juntas”, seja alcançado”.

“Se for bem organizado, seremos os primeiros a beneficiar deste caminho sinodal”, disse o padre Gbédjinou.

“Queremos fazer com que o povo de Deus redescubra a Igreja desejada pelo Senhor como um caminho comum”, insistiu o sacerdote. “Quando falarmos da Igreja, já não será uma questão de dizer, «são os padres, são os bispos»”, afirmou.

 

Artigo de Juste Hlannon, publicado no La Croix International a 14 de Dezembro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Benim  •  África  •  Processo Sinodal  •  Leigos  •  Papa Francisco
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui