Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 21 Dez 2021
Apesar das promessas, pouco mudou para os migrantes sob a administração Biden
Numa viagem a 20 de Dezembro para visitar migrantes do outro lado da fronteira em Juárez, o bispo Mark Seitz, de El Paso, descobriu que pouco mudou com a reimplementação dos Protocolos de Protecção ao Migrante pelo governo Biden.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Jose Luis Gonzalez/Reuters via CNS

O governo Biden reiniciou o programa na semana de 6 de Dezembro, após ter chegado a um acordo com o México na semana anterior que delineava um sistema mais humanitário. A política obriga os migrantes a esperar no México até que os funcionários da imigração decidam sobre os seus pedidos de asilo.

Os críticos da MPP, conhecido como a política “Permanecer no México”, há muito que condenam as condições desumanas que força os migrantes a suportar, o tempo que leva para ser tomada uma decisão sobre pedidos de asilo e o perigo potencial que os migrantes em circunstâncias vulneráveis enfrentam ​​na fronteira.

Nesta iteração da política, a administração Biden disse que trabalharia para concluir todos os casos dentro de seis meses após o regresso de um migrante ao México, fornecendo aos migrantes elegíveis vacinas para a COVID-19 e garantindo que as condições fossem mais humanas.

“Infelizmente não, não o vemos dessa forma”, disse D. Seitz, o presidente eleito do comité de Migração da Conferência Episcopal ao Crux sobre se algo teria mudado, ou não. “Também queríamos acreditar nas promessas, mas o que ouvimos hoje é que há pouca diferença”.

Com base nas histórias que ouviu de migrantes, D. Seitz disse que “ainda estão a ser tratados como criminosos” pelas autoridades dos EUA quando são enviados de volta para os Estados Unidos. Não têm condições de vida mais seguras “e não estão a receber vacinas, apesar das promessas que foram tornadas públicas”.

D. Seitz observou que ainda tem esperança de que o governo Biden permaneça fiel ao seu compromisso de concluir os casos com mais rapidez. “No entanto, só vamos acreditar quando virmos e também veremos se é um processo em que eles realmente têm uma oportunidade justa de para pedir asilo”.

A MPP foi promulgada pelo presidente Donald Trump em Janeiro de 2019. O presidente Joe Biden prometeu acabar com a política em várias ocasiões. O secretário da Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, fê-lo a 1 de Junho de 2021. Dois meses depois, a 13 de Agosto, um juiz distrital do Texas determinou que a administração Biden deveria fazer um esforço de “boa fé” para restabelecer a política, que foi mantida após o Supremo Tribunal ter negado um apelo de emergência para suspender a ordem.

Naquele momento, a reimplementação da política dependia da cooperação do governo mexicano, que o governo Biden recebeu com o novo acordo no início de Dezembro. Apoiantes da política argumentam que é necessária com o número recorde de migrantes a cruzar a fronteira EUA-México este ano.

Na viagem de 20 de Dezembro a Juárez, D. Seitz, ao lado do director executivo do Hope Border Institute, Dylan Corbett, visitou diferentes abrigos para migrantes em toda a cidade mexicana, conversou com migrantes na MPP e outros presos no limbo.

A primeira paragem que fizeram foi na Casa do Migrante, um abrigo liderado pela Igreja Católica que D. Seitz estima ter cerca de 370 migrantes. A maioria dos migrantes era do México, disse D. Seitz, mas também havia alguns da América Central e do Haiti.

Alguns deles já estavam no abrigo há cinco meses sem um caminho claro para o futuro.

“Eles perderam tudo na sua pátria. Têm estado sob ameaça e é por isso que saíram e não podem regressar”, disse D. Seitz. “Não podem seguir em frente e, se ficarem cá, ficarão num lugar que tem tantos problemas sociais e continuarão em risco”.

“Esta é cada vez mais a história das pessoas que chegam a Juárez e ficam presas”, continuou. “Não podem seguir em frente. Não podem voltar atrás. Não conseguem uma autorização de trabalho para trabalhar aqui e acho que vamos ver cada vez mais isto.”

As histórias da luta que os migrantes enfrentam na fronteira foram consistentes durante a viagem de um dia, que também incluiu paragens em outros dois abrigos para migrantes de Juárez e uma casa segura financiada pelo Fundo de Assistência ao Refugiado da Diocese de El Paso.

Através do Fundo de Assistência ao Refugiado na Fronteira, D. Seitz e Corbett distribuíram 40.000 dólares em ajuda humanitária de emergência. O dinheiro, disse D. Seitz, irá para a compra de vacinas contra a varicela porque muitos migrantes não são vacinados, para a compra de testes e tratamentos para a COVID-19, operações de abrigo seguro e obtenção de câmaras de segurança para um abrigo.

Seguindo em frente, após um ano de poucas mudanças na política de imigração, D. Seitz disse que o importante agora esperar que Jesus “mude o coração das pessoas”.

“A menos que ajudemos as pessoas no nosso país a ter uma mudança de coração, não iremos ser capazes de ter uma nova política”, concluiu.

 

Artigo de John Lavenburg, publicado no Crux a 21 de Dezembro.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Migrantes  •  EUA  •  Biden  •  México  •  Fronteira  •  Asilo
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui