Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 22 Dez 2021
Funcionário aposentado ajudou a levar a Biblioteca do Vaticano até ao século XXI
A digitalização do catálogo em si levou três anos, 125 pessoas – 100 delas a trabalhar em todo o mundo – e milhares de disquetes, a coisa mais próxima de uma "pen drive" há 25 anos.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Crux / Inés San Martín

Durante as quase duas décadas em que Paul Weston trabalhou na biblioteca do Vaticano, foi-lhe pedido que revelasse a verdade sobre o Vaticano esconder a Arca da Aliança, uma lenda que teve pernas longas, apesar de não ter raízes.

“As pessoas não percebem que não a temos e nunca tivemos”, disse, com uma alegria infantil nos seus olhos. “Mas temos uma pena do arcanjo Gabriel que caiu de uma das suas asas no seu vôo para Belém e alguém a trouxe para o Vaticano por segurança”.

“Uma resposta adequada ao absurdo da pergunta, pensei sempre”, disse Weston ao Crux com um sotaque britânico perfeito, apesar de ter passado uma vida na Itália.

A sua carreira como bibliotecário do Vaticano começou quase por acaso: depois de terminar os seus estudos na Escola de Biblioteconomia do Vaticano, recebeu uma oferta de trabalho a meio tempo para catalogar e sistematizar uma colecção de livros sobre arte pop doada ao Papa Paulo VI, que era amigo pessoal de alguns dos maiores artistas italianos do seu tempo.

“No meio dessa tarefa, o prefeito foi nomeado arcebispo pelo Papa João Paulo II”, disse. “Como gabinete, fomos saudá-lo, como se faz, na Capela Sistina. Quando chegou a minha vez, o arcebispo disse que aquele era um «grande dia para nós os dois»”.

Weston não conseguiu esconder a surpresa, porque, “claro, é bom que o prefeito tivesse sido promovido”, mas não viu isso como uma notícia pessoalmente relevante. Notando a sua incerteza, o prefeito disse: “É o meu primeiro dia como arcebispo e o seu primeiro dia como funcionário da biblioteca do Vaticano”.

E, assim, Weston conseguiu o emprego que nunca soube que queria. Era 1 de Novembro de, acredita, 1983. Feriado em Roma, teve que dizer ao seu antigo chefe que no dia 5 de Novembro não voltaria ao seu cargo de professor.

Hoje aposentado, Weston é membro honorário da Athletica Vaticana, uma federação de atletismo criada em 2019 num esforço duplo com o Comité Olímpico Italiano na esperança de que o Vaticano possa um dia ser reconhecido pelo Atletismo Mundial.

Leitor ávido e um homem que realmente gostava do seu trabalho, conheceu o actor Richard Gere, que estava a fazer uma visita pela biblioteca com o prefeito. Não o reconhecendo, Weston presumiu que era um académico, então continuou a falar até que entretanto ele saiu.

“As duas senhoras que estavam lá comigo nunca me perdoaram por não as ter apresentado ao actor de Pretty Woman!”, brinca.

Anedotas à parte, Weston tinha um dos milhares de empregos no Vaticano que muitas vezes são considerados pequenos demais para serem significativos, mas que, na realidade, mantinham todo o lugar a funcionar. No caso dele em particular, levou uma das maiores bibliotecas do mundo até ao século XXI.

O site da biblioteca informa que durante a gestão do prefeito Pe. Leonard E. Boyle, de 1984 a 1997, a catalogação manual de livros impressos foi definitivamente substituída pela catalogação electrónica; nos anos seguintes, os dados contidos nos antigos catálogos de fichas foram convertidos para o formato electrónico. Actualmente, a Biblioteca do Vaticano preserva mais de 180.000 manuscritos (incluindo unidades de arquivo), 1.600.000 livros impressos, cerca de 9.000 incunábulos, mais de 300.000 moedas e medalhas, mais de 150.000 impressões, milhares de desenhos e gravuras e mais de 200.000 de fotografias.

O papel que Weston e a sua equipa desempenharam em todo o processo foi deixado de lado nesta versão resumida da história da biblioteca. Nos anos que o Papa João Paulo II passou a preparar-se para o Grande Jubileu de 2000, este bibliotecário viajava de um lado para o outro nos Estados Unidos, trocando ideias e aprendendo com o leque de bibliotecas que, em 1995, tinham convertido todo o seu catálogo em fichas para um formato electrónico. A equipa levou cerca de cinco anos para criar o sistema perfeito, que, é claro, mudava constantemente à medida que os computadores davam grandes saltos na capacidade de processamento.

A digitalização do catálogo em si levou três anos, 125 pessoas – 100 delas a trabalhar em todo o mundo – e milhares de disquetes, a coisa mais próxima de uma pen drive há 25 anos. Graças ao seu trabalho árduo, o catálogo agora pode ser visto online a partir de qualquer lugar do mundo, e nenhuma credencial especial é necessária.

Depois deste empreendimento, Weston participou nas primeiras negociações com a IBM e a Universidade do Rio de Janeiro para digitalizar o conteúdo real da biblioteca, principalmente os manuscritos, para que também estes pudessem ser consultados ​​online. No entanto, cerca de 20 anos depois de lhe ser oferecido um emprego no Vaticano, voltou à sua primeira paixão, a de ensinar e “transmitir a riqueza da experiência” que acumulou.

Falando sobre seu papel como leigo no Vaticano, Weston disse que foi “muito exigente, desafiador e recompensador”, porque todos os olhos estavam postos nele, “porque todos pensam que há um certo padrão que vem do facto de ser o Vaticano”.

“Ao mesmo tempo, a ideia era que, ao fornecer um serviço aos utilizadores, tínhamos que estar à altura de um padrão que as pessoas pensavam que a biblioteca do Vaticano deveria seguir”, disse. “Foi muito gratificante, porque sabes que aquilo que estás a fazer não é apenas motivo de orgulho pessoal, mas é algo que estás a fazer pela Igreja e também pela humanidade”.

“Como dizia o prefeito, não somos os donos desses tesouros, mas os guardiões temporários, porque eles pertencem à humanidade”, insistiu Weston.

Assim como o personagem Indiana Jones, que fez algo da Arca Perdida, este bibliotecário passou duas décadas da sua vida rodeado de tesouros, pois a quantidade de conhecimento e experiência depositada naquelas prateleiras contam a história de grande parte da humanidade.

“Agora somos o que esses autores têm sido ao longo de milénios”, disse Weston. “E isso é algo que realmente evidencia a tua própria existência. Traz-te de volta às raízes do teu ser, como se passasses os teus dias a conversar com os teus ancestrais culturais durante o chá”, concluiu.

 

Artigo de Inés San Martín, publicado no crux a 21 de Dezembro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Vaticano  •  Biblioteca  •  Catálogo  •  Digitalização
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui