Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 23 Dez 2021
Bispos da Irlanda do Norte lamentam derrota do projecto de lei para proteger crianças com deficiência por nascer
A Assembleia da Irlanda do Norte em Belfast votou contra o Aborto por Deficiência Fetal Grave na semana passada, numa votação de 45 a 42.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Cathal McNaughton/Reuters via CNS

Os bispos católicos da Irlanda do Norte disseram que a derrota de um projecto de lei que teria evitado o aborto tardio por deficiências não fatais em crianças ainda não nascidas “irá enviar uma mensagem a todos os cidadãos de que bebés com deficiência não nascidos são fundamentalmente menos valorizados do que aqueles que são saudáveis”.

A Assembleia da Irlanda do Norte em Belfast votou contra o Aborto por Deficiência Fetal Grave na semana passada, numa votação de 45 a 42.

“O efeito da legislação semelhante em outras partes do mundo foi excluir da existência um sector inteiro da humanidade”, escreveram os bispos da Irlanda do Norte num comunicado a 21 de Dezembro. “Isto é o oposto de um compromisso com a igualdade, professado por tantos que apoiam esta legislação injusta”.

O Parlamento do Reino Unido removeu unilateralmente as protecções pró-vida da Irlanda do Norte quando aprovou a Lei da Irlanda do Norte (Formação Executiva) 2019.

A Irlanda do Norte era a única parte do Reino Unido ou da ilha da Irlanda onde o aborto continuava contra a lei; Inglaterra, Escócia e País de Gales legalizaram-no em 1967; a República da Irlanda votou para remover a linguagem pró-vida num referendo de 2018.

O Parlamento do Reino Unido conseguiu legislar o aborto devido ao impasse de anos que impediu a formação de um governo da Irlanda do Norte, o que levou à suspensão da Assembleia da Irlanda do Norte.

O regime de aborto imposto por Londres para a Irlanda do Norte é mais liberal do que o resto do Reino Unido, permitindo a interrupção voluntária da gravidez nas primeiras 12 semanas de gravidez e até às 24 semanas por razões indefinidas de saúde física ou mental. Se um feto é considerado deficiente, o aborto é permitido até ao nascimento.

Os regulamentos entraram em vigor a 31 de Março de 2020.

“É uma questão de grande preocupação para todos aqueles que defendem a preciosidade e a dignidade de cada vida humana que o actual quadro jurídico na Irlanda do Norte permita o aborto, até ao ponto do nascimento, de um nascituro que sofre de um grave deficiência, mas sem risco de vida”, disseram os bispos na sua declaração mais recente.

“A natureza de tal deficiência não está definida na nossa legislação, mas incluirá condições como a Síndrome de Down. O efeito da legislação semelhante em outras partes do mundo, especialmente na Escandinávia, foi excluir da existência um sector inteiro da humanidade”.

O debate sobre o aborto criou estranhas alianças políticas na Irlanda do Norte. O Sinn Féin, o partido político nacionalista há muito associado ao Exército Republicano Irlandês e que recebe a maior parte do apoio da população católica, é fortemente pró-aborto. Embora o partido rejeite o domínio britânico na Irlanda do Norte – membros eleitos para o parlamento nacional em Londres recusam-se a tomar os seus assentos, pois envolvem um juramento à rainha –, os seus líderes não se opuseram ao governo central que impôs o aborto na província.

“Westminster teve que legislar os serviços de aborto no Norte por causa dos bloqueios criados pelo DUP, as mesmas pessoas a tentarem reverter o progresso feito”, disse a vice-presidente do Sinn Féin, Michelle O'Neill, durante o debate sobre o Aborto por Deficiência Fetal Grave.

O DUP é o principal partido Unionista que sublinha as relações da Irlanda do Norte com o resto do Reino Unido. A maioria dos seus membros faz parte da população presbiteriana da Irlanda do Norte e é o único grande partido na Irlanda do Norte com uma forte plataforma pró-vida. Opôs-se fortemente à interferência de Londres no regime jurídico tradicionalmente pró-vida da província.

“Somos um partido pró-vida. Cada vida deve ser valorizada”, disse Christopher Stalford, um membro da Assembleia do DUP, à BBC.

“O facto de [os membros da Assembleia] rejeitarem isto é profundamente preocupante e envia uma mensagem terrível sobre o valor que a Assembleia da Irlanda do Norte dá à vida de uma criança com deficiência em gestação”, disse ele.

“Continuaremos a defender as políticas que encorajam a preservação da vida, tanto na Assembleia da Irlanda do Norte, quanto no Executivo da Irlanda do Norte”, acrescentou Stalford.

Na sua mensagem, os bispos da Irlanda do Norte afirmaram que o projecto de lei é uma tentativa “pensada e razoável” de abordar a “injustiça” da actual “discriminação contra crianças não nascidas com deficiência não fatal”.

“A derrota na Assembleia da Irlanda do Norte representa uma falha profunda e fundamental em respeitar a igualdade de todas as pessoas, nascidas e não nascidas, na nossa sociedade”, disseram os bispos.

“Eliminar seres humanos por nascer alegando que são deficientes é moralmente abominável e indefensável numa sociedade civilizada. As leis que discriminam injustamente as pessoas com deficiência a qualquer momento, incluindo o tempo que passam no ventre da mãe, são completamente inaceitáveis​​”, continuaram.

Os bispos também alegaram que a lei actual significa que os pais que optam por continuar com a gravidez quando o feto foi diagnosticado com deficiência “também podem enfrentar a perspectiva de serem discriminados no que diz respeito ao acesso a cuidados médicos, educação e apoio financeiro para o filho”.

“Portanto, todos os esforços devem ser feitos para garantir que as crianças com deficiência e as suas famílias sejam tratadas com justiça no que diz respeito à alocação de recursos e financiamento. É o mínimo que podem esperar de uma sociedade que afirma valorizar o respeito e a compaixão no tratamento de todos os seus cidadãos”, afirmaram.

 

Artigo de Charles Collins, publicado no Crux a 22 de Dezembro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Irlanda  •  Gravidez  •  Aborto  •  Deficiência  •  Pró-Vida
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui