Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 3 Jan 2022
Trabalho de casa pós-Natal
A melhor maneira de perceber o que o Vaticano II alcançou é ler os documentos que os bispos produziram e votaram. Dar-nos-ão uma base para ocuparmos o nosso lugar no processo sinodal.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Lothar Wolleh

Com liturgias de Natal, decorações, festas, canções de natal, presentes, refeições e papel de embrulho amarfanhado, além das preocupações com a Covid, era fácil deixarmos passar um aniversário significativo.

A 25 de Dezembro de 1961, São João XXIII emitiu a constituição apostólica Humanae Salutis, convocando oficialmente o Concílio Vaticano II que havia anunciado pela primeira vez a 25 de Janeiro de 1959.

Assim, o Natal foi o 60º aniversário da convocação do último dos apenas 21 concílios ecuménicos nos dois milénios de história da Igreja. O encontro teve início a 11 de Outubro de 1962 e terminou a 8 de Dezembro de 1965, sendo o maior concílio deste tipo na história.

Estamos a entrar num período durante o qual somos abençoados e desafiados a olhar novamente para as realizações desse concílio ao darmos o próximo passo, o Sínodo.

Nós – sobretudo aqueles que se lembram do Catolicismo pré-Vaticano II – maravilhamo-nos com o quanto mudou na Igreja desde o Concílio. Graças à bolsa de estudos que sustentou ou surgiu do Vaticano II, também nos podemos alegrar com o quanto a tradição autêntica foi reapropriada e restaurada.

Um catolicismo medieval e de contra-reforma deu início a um regresso às formas e focos mais antigos, e especialmente às Escrituras e à Tradição, em oposição às tradições.

Essa viragem foi frustrada de várias maneiras pelos dois pontificados que seguiram os dois papas do Vaticano II, João XXIII e Paulo VI.

Mas o meio século de tentativas de reverter o ímpeto do concílio, apesar de frustrante para os inspirados pelo concílio, foi fútil.

Em tal reunião de bispos unidos ao Papa, o Espírito Santo também é um participante poderoso, e como o poeta americano James Weldon Johnson escreveu sobre o filho pródigo: “O seu braço é muito curto para lutar com Deus”.

Agora, Francisco, o primeiro Papa formado, ordenado e que ministrou apenas na “Igreja do Vaticano II” está a reorientar-nos no caminho apontado pelos bispos que estiveram no Vaticano II.

 

Os bispos do Concílio Vaticano II eram revolucionários improváveis

O Vaticano II não era simplesmente dois Papas. Foi uma reunião de todos os bispos da Igreja Católica, excepto alguns que não puderam comparecer por motivos de saúde ou por restrições à sua liberdade de viajar.

O Papa João deixou claro que todos deveriam estar presentes: “Consequentemente, desejamos e ordenamos que para este Concílio Ecuménico, instituído por nós, venham de todos os lugares todos os nossos amados filhos cardeais, os nossos veneráveis ​​irmãos patriarcas, primatas, arcebispos e bispos, sejam residenciais ou únicos titulares, bem como todos os que têm o direito e o dever de comparecer ao Concílio”.

Estavam lá “de todos os lugares”, cerca de 2.800 pessoas. Pela primeira vez, os participantes de um concílio ecuménico vinham de todo o mundo, “de todas as tribos, línguas, povos e nações” (Ap 5:9).

Vídeos a mostrar bispos de África, Ásia e Oceania a entrarem na Basílica de São Pedro para a cerimónia de abertura alertaram os observadores desde o início que a Igreja Católica não era o que as pessoas imaginavam. Aqueles rostos não ocidentais foram o primeiro sinal de que grandes mudanças já tinham começado.

Os bispos do Vaticano II eram revolucionários improváveis. Não eram um bando de radicais irresponsáveis, nem uma conspiração de subversivos para destruir a Igreja. Nenhum deles, excepto os de ritos orientais, jamais tinha celebrado missa em qualquer outra língua que não o latim.

A teologia em que haviam sido formados era tradicional, e eles estudaram-na em Latim. Mas quando se reuniram, o Espírito Santo colocou em movimento uma trajectória de mudança que está a remodelar o Catolicismo e, portanto, o Cristianismo.

E quais foram os frutos do Vaticano II? Bem, a Igreja cresceu tanto que um concílio ecuménico hoje em dia teria que arranjar lugares para os mais de 5.000 bispos e outras mulheres e homens que participariam.

Há agora mais de um bilião de Católicos no mundo e o número cresce em milhões a cada ano, sem dúvida um sinal de que o Espírito Santo está a trabalhar através da Igreja que foi revigorada pelo Concílio.

Como é que podemos comemorar este aniversário depois de terminarmos de arrumar as decorações de Natal e o papel de embrulho?

A melhor maneira de nos lembrarmos ou de sabermos o que o Vaticano II alcançou é ler os documentos que os bispos produziram e votaram. Dar-nos-ão uma base para ocuparmos o nosso lugar no processo sinodal.

Alguns documentos já não são relevantes passados tantos anos, porque o tempo, o mundo e a Igreja avançaram. Outros provavelmente serão sempre importantes.

Quatro dos 16 são leituras essenciais. Dois deles são “constituições dogmáticas”, a forma mais autorizada de pronunciamento. São a Lumen Gentium sobre a Igreja e a Dei Verbum sobre a Revelação Divina.

O terceiro é o Sacrosanctum Concilium sobre a Sagrada Liturgia, que teve a influência mais óbvia na vida dos católicos, embora tenha sido publicado muito cedo para beneficiar da compreensão de documentos emitidos posteriormente.

O quarto documento de leitura obrigatória é uma nova forma de ensino, uma “constituição pastoral”. A Gaudium et Spes sobre a Igreja no mundo moderno é talvez o principal fruto do Vaticano II.

Todos os documentos do Vaticano II estão disponíveis gratuitamente em várias línguas no site da Santa Sé.

Leiam, reflictam e ajam para cumprir a oração do Papa João pelo Concílio: “Renove as Suas maravilhas no nosso tempo, como se fosse um novo Pentecostes, e faça com que a Santa Igreja... possa difundir o Reino do Divino Salvador, um Reino de verdade, de justiça, de amor e de paz. Amém”.

Artigo do Pe. William Grimm, publicado no La Croix International a 3 de Janeiro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Concílio Vaticano II  •  Sínodo  •  São João XXIII  •  Igreja  •  Liturgia  •  Vaticano
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui