Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 16 Fev 2022
Não há lugar na igreja para o racismo, diz Arcebispo
Domingo da Justiça Racial é comemorado pelas Igrejas britânicas desde 1995.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Mazur/cbcew.org.uk

Um proeminente Arcebispo inglês usou a sua homilia no Domingo da Justiça Racial para afirmar que “todos são bem-vindos na Igreja” e avisou que quem não gostar disso tem sempre a porta de saída.

A arcebispo de Southwark John Wilson, falando numa missa especial para a ocasião na Sé Episcopal, a Catedral de São Jorge, disse aos fiéis reunidos que “não é possível haver silêncio sobre a existência do racismo e não se pode calar as suas causas”.

A missa foi organizada com a Comissão de Southwark para a Promoção da Inclusão Racial e Cultural, uma iniciativa diocesana recentemente fundada para educar os católicos sobre questões de justiça racial e construir liderança dentro das comunidades Católicas de Bame.

Actuando como um foco nacional para o tema do Domingo da Justiça Racial de 2022 da igreja Inglesa e Gaulesa, “Imagem e Semelhança de Deus”, a missa contou com música do Coro Evangélico da Escola São Tomás Apóstolo e contou com a presença de membros das Capelanias Étnicas da Inglaterra e País de Gales.

Uma biblioteca online do Pai Nosso e da Avé Maria em mais de 20 idiomas foi outra das iniciativas dos bispos da Inglaterra e do País de Gales para o Domingo da Justiça Racial.

Uma mensagem especial para as escolas da diocese de Westminster foi gravada pelo bispo Paul McAleenan e as missas que marcaram a ocasião foram celebradas em todo o país.

Outros grupos cristãos aderiram à comemoração do Domingo da Justiça Racial, iniciado em 1995 como um evento ecuménico que marcou o assassínio de Stephen Lawrence, ocorrido dois anos antes.

Numa reflexão para o grupo interdenominacional Churches Together In Britain and Ireland, o padre Philip Sumner, pároco e curador da ASsociação Católica para a Justiça Racial apontou para o abuso racial dos jogadores ingleses durante a temporada de 2021 durante a Copa do Mundo, o aumento dos crimes de ódio denunciados após a votação do Brexit em 2016 e os protestos internacionais pela igualdade racial após o assassínio de George Floyd em 2020 como exemplos da relevância contínua das questões de justiça racial.

O padre Sumner citou o conceito do Papa João Paulo II de “uma espiritualidade de comunhão” juntamente com declarações papais mais recentes sobre a diversidade. Na sua encíclica mais recente, Fratelli Tutti, o Papa Francisco reiterou uma preocupação de longa data com a justiça racial: “Os casos de racismo continuam a envergonhar-nos, já que mostram que o nosso suposto progresso social não é tão real ou definitivo quanto pensamos”.

Um relatório recente do Runnymede Trust afirmou que o racismo sistémico, embutido na legislação, economia e práticas culturais, continua a ter impacto nas pessoas de Bame em todo o Reino Unido.

 

Artigo de Madoc Cairns, publicado no The Tablet a 15 de Fevereiro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Igreja  •  Cristianismo  •  Catolicismo  •  Ecumenismo  •  Racismo  •  Inglaterra  •  Justiça Racial
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui