Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Vida Nueva Digital | 21 Fev 2022
Emilio Justo: “O celibato é uma forma de amar, mas às vezes é entendido mais como a exigência de não casar”
Dois professores da Pontifícia Universidade de Salamanca participam no Simpósio Teológico Internacional “Por uma Teologia Fundamental do Sacerdócio” organizado no Vaticano.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

Os professores da Faculdade de Teologia da Pontifícia Universidade de Salamanca, Gaspar Hernández e Emilio Justo, participaram no Simpósio Teológico Internacional “Por uma Teologia Fundamental do Sacerdócio”, promovido pelo prefeito da Congregação para os Bispos, o Cardeal Marc Ouellet, através do Centro de Pesquisa e Antropologia das Vocações.

Emilio Justo, que interveio com a comunicação “Sacerdócio e celibato: uma leitura teológica do caminho da Igreja ontem e hoje”, partilha algumas de suas propostas com o portal Vida Nueva.

 

O que é que a Congregação dos Bispos oferece com este simpósio?

O simpósio quis reflectir sobre os fundamentos do sacerdócio. Situa-se no contexto da promoção da vocação cristã, que tem as suas raízes no baptismo. Reflectir sobre o sacerdócio é uma contribuição para aprofundar a experiência pessoal e eclesial.

 

Onde se situa actualmente o debate teológico sobre o sacerdócio?

Um tema fundamental de debate é a relação entre o sacerdócio ministerial e o sacerdócio comum de todos os baptizados. Isto refere-se à questão do significado do sacramento da Ordem na comunidade cristã e à questão da significatividade da vida sacerdotal. Em alguns casos, regressa à velha questão sobre até que ponto a vida pessoal do padre afecta o seu ministério. Certamente ajudará continuar a pensar na relação entre identidade sacramental, exercício do ministério e espiritualidade, ou seja, o que é o ministério, como é exercido e como é vivido.

 

A formação e o celibato são duas questões que estão em cima da mesa no programa. Porquê?

A formação é uma questão decisiva. Temos o grande desafio de encontrar uma forma de realização pessoal e eclesial que corresponda à identidade teológica do ministério ordenado. E isso tem uma dimensão formativa, viver o ministério com autenticidade e segundo o que a Igreja propõe e necessita. Quanto ao celibato, é uma questão permanente, pois afecta a compreensão da vida dos sacerdotes e o seu modo de viver e amar na comunidade cristã. O celibato é uma forma de amor, mas às vezes é entendido mais como a exigência de não casar. Afecta tanto o núcleo da existência dos sacerdotes que é necessário reflectir sobre isso. Tanto a formação como o celibato ajudam a pensar os aspectos fundamentais do sacerdócio.

 

A reflexão sobre a sinodalidade que está a ser feita, em que sentido implica a imagem que existe do sacerdócio?

A sinodalidade significa experiência comunitária, comunhão, participação e responsabilidade partilhada. Isto supõe que o sacerdócio não pode ser compreendido sem a comunidade cristã. Os sacerdotes são membros de uma comunidade e devem compreender-se a partir dela e viver para ela. A sinodalidade implica uma configuração comunitária essencial do ser sacerdote, contra todo o individualismo e contra qualquer forma de clericalismo. Neste sentido, a sinodalidade exige uma mudança em algumas formas de exercer o ministério. Por outro lado, o sacerdote representa sacramentalmente Cristo na comunidade e, por isso, é um gerador de comunidade. O sacerdote tem a tarefa de promover a experiência da sinodalidade na comunidade que serve. Deve exercer o seu ministério de forma sinodal, ajudando outros cristãos a participar na vida comunitária.

 

Artigo de Mateo González Alonso, publicado em Vida Nueva Digital a 20 de Fevereiro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Celibato  •  Sacerdócio  •  Sinodalidade  •  Sínodo  •  Comunidades  •  Teologia
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui