Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 22 Fev 2022
Cáritas da Ucrânia prepara-se para crise à medida que a ameaça de guerra se aproxima
Cidadãos ucranianos vivem com a ameaça de bombas, bombardeios e guerra potencial há quase uma década.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS

À medida que as tensões entre a Rússia e a Ucrânia continuam a aumentar e a ameaça de uma guerra em grande escala entre os dois países se torna cada mais palpável, a organização Cáritas da Ucrânia disse que se está a preparar para uma possível crise humanitária caso haja uma invasão.

Falando com o Crux, Vladyslav Shelokov, Director de Comunicação e Mobilização de Recursos da Cáritas Ucrânia, disse que a deterioração da situação numa guerra “aprofundaria exponencialmente a situação humanitária já existente”.

“Seria uma grande tragédia não apenas para as pessoas que abandonaram as suas casas fugindo de explosões e bombas, mas também uma grande tragédia para todo o nosso país”, disse, observando que “potencialmente milhões de pessoas” passariam por necessidades.

Se uma guerra total irromper, a Cáritas precisaria de intensificar os esforços que já tem feito em áreas de conflito desde os distúrbios de 2014, organizando abrigos para os deslocados e fornecendo água, alimentos, kits de higiene, assistência médica e apoio.

“A Cáritas tem prestado esses serviços nos últimos oito anos e também estamos a preparar-nos para responder da mesma maneira desta vez, em caso de escalada, mas esperamos e rezamos para que a nossa experiência em resposta rápida à guerra não seja aplicada”, disse Shelokov.

Nos últimos dois meses, a Rússia acumulou milhares de soldados na sua fronteira com a Ucrânia, com o número estimado de soldados russos a cercar o território próximo de 200 mil.

A Rússia inicialmente negou que se estivesse a preparar para uma invasão e disse que estava respondendo à agressão dos aliados da NATO. No entanto, Moscovo disse que está pronta para tomar "medidas técnico-militares" não especificadas se as suas exigências não forem atendidas e a NATO retirar as suas tropas da Europa Oriental e prometerem nunca admitir a Ucrânia ou qualquer outra ex-nação soviética como membros.

As tensões entre a Rússia e a Ucrânia têm aumentado desde 2014, quando cidadãos ucranianos derrubaram o presidente pró-Rússia Viktor Fedorovych Yanukovych. Pouco depois, a Rússia anexou a península da Crimeia, no sul da Ucrânia, e apoiou os separatistas que conquistaram grandes áreas das regiões orientais de Donetsk e Luhansk.

Desde então, bombardeios e ataques de franco-atiradores tornaram-se uma ocorrência diária no leste da Ucrânia, com as Nações Unidas a estimarem até agora que cerca de 1,5 milhões de pessoas foram deslocadas e cerca de 14 mil morreram, muitos dos quais civis.

A Rússia há muito que resiste aos avanços da Ucrânia em relação às instituições europeias e aos seus esforços para ingressar na União Europeia e na Organização do Tratado do Atlântico Norte.

Com a Rússia a continuar a enviar tropas para as suas fronteiras com a Ucrânia nesta última escalada de tensões, os Estados Unidos e países europeus como Alemanha e França intervieram para negociar, enquanto observadores cada vez mais alertamque uma ofensiva militar russa na Ucrânia colocaria a segurança de toda a Europa em risco.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ameaçou sanções económicas à Rússia se as suas forças invadirem a Ucrânia. No entanto, a Rússia não foi dissuadida.

Num discurso ao povo russo na segunda-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, aumentou ainda mais as tensões com um anúncio a reconhecer a independência das duas regiões separatistas controladas pela Rússia na região de Donetsk, no leste da Ucrânia, chamando-as de Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk.

Em resposta, o presidente ucraniano Voldymyr Zelensky disse no seu próprio discurso à nação que “as fronteiras internacionais da Ucrânia permanecerão as mesmas”, apesar do reconhecimento de Putin das repúblicas de Donetsk e Lugansk.

“Não vamos dar nada a ninguém”, disse, e reiterou o desejo de uma solução diplomática para a situação, afirmando que estão “empenhados num caminho pacífico e diplomático”, estão nas suas terras. “Não temos medo de nada nem de ninguém, não devemos nada a ninguém, não vamos dar nada a ninguém”, sublinhou.

Nos seus comentários ao Crux, Shelokov disse que os cidadãos ucranianos vivem com a ameaça de bombas, bombardeios e guerra potencial há quase uma década.

“As pessoas que vivem perto da linha da frente estão habituadas a bombardeios e tiroteios e, às vezes, é realmente difícil acreditar que as pessoas estão habituadas a viver no campo de batalha”, afirmou, observando que também houve consequências económicas para o último escalar de tensões.

Nos últimos dois meses, a situação económica na Ucrânia deteriorou-se, disse, observando que a hryvnia, a moeda nacional da Ucrânia, perdeu cerca de 10% do seu valor em relação ao euro.

“Ao mesmo tempo, os preços do petróleo e do gás estão altos e o custo do combustível também aumentou”, assim como os preços dos tipos de bens e serviços, “especialmente os pagamentos de alimentos e serviços públicos. E agora a escalada de tensão está a aprofundar ainda mais a crise”, disse Shelokov.

A Cáritas, explicou, está entre as mais activas no que a Ucrânia chama de “território ocupado” no leste, fornecendo “apoio sistemático” àqueles que vivem na zona de segurança.

Os projectos na área incluem a distribuição de cestas básicas, kits de higiene, materiais de aquecimento e vales-farmácia, já que medicamentos básicos e alimentos estão cada vez mais difíceis de obter.

No entanto, Shelokov disse que o trabalho humanitário diário da Cáritas na área de conflito, que tem aumentado constantemente, foi temporariamente suspenso a partir de 18 de Fevereiro “devido à imprevisível situação de segurança”.

Até agora, cerca de 61 mil pessoas fugiram da área de conflito na mais recente escalada de tensões, aumentando o número de deslocados internos. O Conselho Europeu adoptou recentemente um plano de ajuda de 1,2 bilião de euros para ajudar a Ucrânia na actual crise.

Shelokov disse que não se sabe se a Rússia de facto invadirá a Ucrânia, mas rezam “pela paz, porque os ucranianos são um povo pacífico”.

“Ao mesmo tempo, a Cáritas Ucrânia está a aumentar continuamente a sua capacidade de fornecer uma resposta adequada para ajudar as pessoas necessitadas em caso de agressão militar aberta da Rússia”, afirmou.

À medida que a crise se desenrola, aumentaram os pedidos de mediação do Vaticano e uma visita papal à Ucrânia, que os líderes da Igreja no país acreditam que poderia ajudar a acalmar as tensões e adiar a ameaça de guerra.

O novo embaixador da Ucrânia na Santa Sé, Andriy Yurash, disse numa entrevista recente à Reuters que o Vaticano seria o local ideal para negociações de paz para encerrar o conflito de oito anos no leste da Ucrânia, e expressou abertura à mediação directa do Vaticano.

Yurash, que deve chegar a Itália este mês, reiterou o convite do seu governo à visita do Papa Francisco, dizendo: “Todos os líderes mundiais estão a visitar a Ucrânia”, e uma visita papal “terá um impacto muito grande para o desenvolvimento da situação”.

O Arcebispo da Igreja Greco-Católica Ucraniana, Sviatoslav Shevchuk, numa mesa redonda no início deste mês, repetiu o seu próprio apelo a uma visita papal, dizendo aos jornalistas que “se o Papa for à Ucrânia, a guerra terminará”.

Em termos do papel do Vaticano como mediador, Shelokov disse que “todos os esforços para diminuir a situação são valiosos” e que, independentemente de quais sejam os resultados externos das muitas orações do Papa Francisco pela Ucrânia, as suas palavras foram “um sinal importante de solidariedade e apoio ao povo ucraniano”.

“Juntamente com o Santo Padre, estamos unidos nas nossas orações e desejo de abrandamento das tensões e o fim da guerra”, indicou, dizendo que a visita do Papa seria um momento histórico para todo o país.

Shelokov lembrou a visita do Papa João Paulo II a Kiev e Lviv em 2001, que reuniu centenas de milhares de pessoas.

“Lembro-me de como as pessoas estavam nas ruas e avenidas onde o carro do Papa estava. A sua presença carregava uma incrível atmosfera de esperança por um futuro melhor entre as pessoas”, disse Shelokov, acrescentando: “Hoje precisamos do sinal de solidariedade e apoio, a garantia de que não estamos sozinhos”.

Uma visita papal, disse, “pode trazer a todos o apoio e a esperança de que essa situação ameaçadora seja evitada com a ajuda de Deus”.

 

Artigo de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 22 de Fevereiro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Ucrânia  •  Rússia  •  Guerra  •  Cáritas  •  Deslocados  •  Papa Francisco
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui