Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS | 23 Fev 2022
Duas freiras têm uma mensagem para os católicos indignados com o seu ministério com os imigrantes: “Não temos nenhuma intenção de parar”.
“Estou perplexa com qualquer grupo que se chame católico que esteja a atacar a Igreja Católica e o seu ministério”, disse a Irmã Markham.
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Os e-mails e telefonemas furiosos chegaram esta semana, e Donna Markham, O.P., presidente e CEO das Caridades Católicas dos EUA (CCEUA), tem estado entre os funcionários da CCEUA chocados com toda a acidez.

“Certamente recebemos ligações odiosas, odiosas de pessoas que se dizem católicas”, disse a irmã Markham, “falando connosco numa linguagem que eu nunca repetiria e ameaçando as nossas agências. É uma situação muito triste.”

O desagrado seguiu-se rapidamente na sequência de comunicados de imprensa e reportagens sobre uma processo sobre a da Lei de Liberdade de Informação movido pelos grupos de acção política Judicial Watch e CatholicVote. O processo exige registos de comunicação entre os  Departamentos de Segurança Interna e de Saúde e Serviços Humanos dos EUA “com organizações católicas perto da fronteira com o Texas que estavam a ajudar imigrantes ilegais”.

“Estou perplexa com qualquer grupo que se chame católico que esteja a atacar a Igreja Católica e o seu ministério”, disse a Irmã Markham.

“O nosso trabalho com os pobres ganhao seu ímpeto, na verdade, na nossa fé católica e do mandato do Evangelho que nos chama há mais de 2.000 anos, especialmente como católicos, acuidar daqueles que são vulneráveis, sem-abrigo, famintos e sofredores”.

“É Mateus 25”, acrescentou a irmã Markham. “E as Caridades Católicas em particular têm feito isso desde 1910. Esta é realmente a nossa identidade, e não temos nenhuma intenção de parar este ministério”.

“O nosso trabalho é humanitário”, acrescentou. “Não é político. Está fundamentado na nossa fé”.

Para alimentar os telefonemas furiosos existiu cobertura e comentários recentes da Fox News e outros meios de comunicação, que afirmam que a CCEUA e outros grupos humanitários religiosos incentivam a migração para os Estados Unidos fornecendo ajuda na fronteira.

Os ataques incluem comentários de um membro do Congresso do Texas que acusou a CCEUA, que chamou de “o maior vilão de todos”, estar envolvida no que equivale a tráfico de seres humanos.

“Grupos sem fins lucrativos que operam uma operação secreta, financiada pelos contribuintes e provavelmente ilegal devem ser honestos e transparentes sobre o seu papel na exacerbação da crise na fronteira”, disse o republicano do Texas, Lance Gooden, à Fox News Digital.

Norma Pimentel, M.J., directora executiva das Caridades Católicas de Rio Grande Valley em Brownsville, Texas, tornou-se o foco principal da ira das forças anti-imigrantes.

“As alegações feitas pelo congressista mostram uma falta de conhecimento e compreensão da sua parte sobre a lei de imigração e do nosso trabalho aqui na fronteira EUA-México”, rebateu a irmã Pimentel num e-mail para a Revista América, acrescentando: “Convido o congressista a vir aqui visitar-nos e ver o que fazemos em primeira mão”.

A entrada despretensiosa do Centro de Apoio Humanitário do gabinete do Rio Grande em McAllen, Texas, é agora um pano de fundo regular para comentadores anti-imigrantes e de direita que pretendem associar a assistência das Caridades Católicas a migrantes com contrabando de seres humanos ou mesmo uma conspiração obscura para alterar realidades políticas nos Estados Unidos com imigrantes da América Latina.

“É ultrajante pensar que o nosso trabalho está a impulsionar os números da imigração”, disse a irmã Pimentel. “Acham realmente que as pessoas se estão a desenraizar, colocando-se em perigo ao empreender uma jornada difícil apenas para que possam vir ao nosso Centro de Apoio para tomar banho e comer ou dormir uma esteira?”, questionou.

“Eles estão a deixar circunstâncias terríveis nos seus países de origem”, disse, “arriscando tudo para vir aqui com a esperança de encontrar um lugar seguro para criarem as suas famílias. A política do governo determina se eles entram ou não”.

“Restaurar a dignidade humana”, disse a Irmã Pimentel, “é isso que estamos a fazer. Uma vez que o governo federal determine que as famílias imigrantes podem entrar neste país, simplesmente oferecemos assistência humanitária no seu momento de crise”.

À medida que acusações selvagens de contrabando de pessoas circulam nas redes sociais, a Irmã Markham explicou que as Caridades Católicas “não entram nessa situação até que um indivíduo ou família seja processado” pelo Departamento de Segurança Interna.

A CCEUA forneceu alimentos, roupas e uma hipótese de descanso a migrantes que tiveram pedidos de asilo aceites e que agora aguardam uma audiência judicial. A agência também ajudou a levar essas famílias e indivíduos para cidades onde eles se ligarão a patrocinadores dos EUA e onde os seus pedidos de asilo serão julgados.

“Quando eles são libertados [pela Patrulha de Fronteira], é quando as Caridades Católicas entram no trabalho humanitário”, afirmou.

“As agências governamentais geralmente trazem os migrantes para as nossas instalações, ou para as instalações dos Luteranos, ou para as instalações Judaicas, porque essas comunidades religiosas também estão envolvidas neste trabalho humanitário”, observou.

Alegações de que ajudar os migrantes representa uma oportunidade de lucro fazem parte da desinformação que a CCEUA foi forçada a enfrentar. A irmã Markham tentou esclarecer as coisas: “A maior parte do trabalho que fazemos é patrocinada por doações particulares. E uma pequena parte disso é o reembolso por subsídios federais de volta para nós depois de termos [os requerentes de asilo] instalados.

“Temos que arrecadar algum dinheiro, ajudá-los a chegar ao sítio para onde estão a ir e, em seguida, o governo reembolsa uma certa porção da sua comida, do seu abrigo e um valor mínimo das suas viagens”.

A irmã Markham não consegue explicar o aumento de atenção neste momento no trabalho a que a CCEUA tem sido associada há décadas. O alcance da CCEUA em nome de migrantes e refugiados tem sido um componente consistente dos seus esforços históricos de serviço social, explicou.

“Certamente fomos respeitados por várias administrações em ambos os lados do corredor [pelo nosso trabalho], por isso isto intriga-me”, disse.

“Acho que temos que reconhecer que o nosso o sistema de imigração dos EUA está realmente danificado, e acho que essa situação na fronteira é, francamente, muito, muito perturbadora, e precisamos de a consertar”, observou.

“Gostaria que, em vez de atirarem nas pessoas que foram afectadas por isto, tentássemos direccionar as nossas energias para consertar o sistema. Nenhuma administração foi capaz de realmente fazer isso até hoje…. Todos nós estamos tentando fazer o melhor que podemos dentro de um sistema danificado”, explicou.

Em 2021, um recorde de 1,9 milhões de prisões na fronteira foram feitas pela Patrulha de Fronteira. Muitos dos detidos – 27% – foram responsáveis ​​por múltiplas tentativas de travessias e cerca de um milhão dos detidos foram imediatamente expulsos, mas outros 400 mil, principalmente menores desacompanhados e famílias, foram autorizados a permanecer nos Estados Unidos enquanto os seus pedidos de asilo são processados.

Uma fronteira onde milhares chegam ano após ano exaustos, famintos e cada vez mais ameaçados por gangues criminosos tornam o local pobre para tentar “consertar” o sistema de imigração dos EUA, de acordo com a irmã Markham.

“Tem que ser um esforço muito maior, e eu sei que vários governos tentaram e continuam a tentar, mas certamente a curto prazo, espero que o Congresso aprove o American Dream and Promise Act pelo menos para estabelecer um caminho para a cidadania para os jovens migrantes e titulares de [Estado Protegido Temporário], pelo menos para regular essa parte”.

Um porta-voz da Conferência dos Bispos Católicos dos EUA disse que os esforços de serviço social da CCEUA são realizados “em conjunto com o apelo de longa data da igreja para uma reforma abrangente da imigração”.

“A Igreja Católica ensina que devemos acolher o recém-chegado e acompanhá-lo, respeitando também o direito e a responsabilidade do nosso país de controlar as nossas fronteiras”, disse o porta-voz.

“O trabalho que está a ser feito pelos ministérios de serviço social da Igreja na fronteira EUA-México e noutros lugares defende a dignidade da vida humana e é realizado de acordo com a lei e em estreita cooperação com muitas entidades de boa vontade, incluindo locais, estatais e governos federais”.

De acordo com a Irmã Pimentel, o gabinete das Caridades Católicas de Rio Grande trabalha em estreita colaboração com as autoridades locais e federais para “atender às necessidades da comunidade, especialmente em relação aos imigrantes”.

Acrescentou ainda: “Respeito muito os bons homens e mulheres na aplicação da lei com quem trabalhamos. Eles mantêm a nossa fronteira segura e, juntamente com muitos outros, todos nós fazemos a nossa parte para defender a dignidade e o respeito à vida, especialmente os mais vulneráveis ​​na nossa comunidade que estão a sofrer”.

As famílias e os indivíduos que chegam ao Centro, muitas vezes deixados pelos próprios agentes da Patrulha de Fronteira, têm a oportunidade de entrar em contacto com familiares e patrocinadores para que possam organizar a sua viagem.

“Enquanto esperam a confirmação das suas famílias, têm a oportunidade de tomar banho, vestir roupas limpas, comer e descansar”, disse a irmã Norma.

“Como católica, acredito firmemente que Deus deseja que cuidemos dos nossos irmãos e irmãs necessitados, aqueles que estão a sofrer”, afirmou.

“O meu foco permanece inabalável. Recuso-me a ser desviada do trabalho de ajudar os outros. Sou consolada e inspirada por aqueles que apoiam o trabalho que fazemos, que cuidam daqueles que sofrem e que se levantam e protegem e defendem os necessitados. Não há nada de errado em alimentar os famintos e cuidar dos que estão no nosso país”, disse a Irmã Pimentel.

“Fazemos isso porque o Senhor nos pede”, concluiu.

 

Artigo de Kevin Clarke, publicado em America a 16 de Fevereiro de 2022. 

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
EUA  •  Caridades Católicas  •  Imigração  •  Migrantes  •  México  •  Pobres
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui