Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 7 Mar 2022
Padres ortodoxos russos pedem fim imediato da guerra na Ucrânia
O apelo é considerado incomum porque a Igreja Ortodoxa Russa, especialmente ao nível da liderança, há muito que é considerada uma aliada confiável do Kremlin.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © AP Photo/Alexander Zemlianichenko

Um grupo de padres ortodoxos russos lançou uma petição aberta pedindo um cessar-fogo imediato para a guerra com a Ucrânia e criticou a repressão de protestos não violentos que exigem a paz.

Na petição, que já tem quase 300 assinaturas após ser lançada no início desta semana, os padres e arciprestes disseram que estão a apelar pessoalmente “a todos de quem depende o cessar da guerra fratricida na Ucrânia, com um apelo à reconciliação e a um imediato cessar-fogo”.

O apelo é considerado incomum porque a Igreja Ortodoxa Russa, especialmente ao nível da liderança, há muito que é considerada uma aliada confiável do Kremlin. Notavelmente, não há metropolitanos entre os signatários da petição, as figuras mais importantes da hierarquia ortodoxa russa.

Os responsáveis observaram que o apelo foi lançado entre o segundo Domingo antes da Quaresma, dedicado ao Juízo Final, e o último Domingo antes da Quaresma, que na Igreja Ortodoxa é conhecido como “Domingo do Perdão”.

No seu apelo, os padres advertiram que “o Juízo Final aguarda cada pessoa. Nenhuma autoridade terrena, nenhum médico, nenhum guarda as protegerá deste julgamento”.

“Preocupados com a salvação de toda a pessoa que se considera filha da Igreja Ortodoxa Russa, não queremos que ela compareça a este julgamento carregando o pesado fardo das maldições das mães”, disseram.

O corpo e o sangue de Jesus, afirmaram, serão recebidos em comunhão no Domingo “por aquelas pessoas que dão ordens assassinas, não para a vida, mas para o tormento eterno”.

“Lamentamos o julgamento ao qual nossos irmãos e irmãs na Ucrânia foram imerecidamente submetidos”, indicaram, chamando a vida de um “dom inestimável e único” e pedindo o regresso seguro de todos os soldados, russos e ucranianos, para as suas casas e famílias.

Os sacerdotes lamentaram “o abismo que os filhos e netos na Rússia e na Ucrânia terão que superar para voltarem a ser amigos, respeitarem-se e amarem-se uns aos outros”.

Sublinhando o valor da liberdade da humanidade como um direito dado por Deus, disseram que a Ucrânia deve decidir o seu futuro “por conta própria, não sob a mira de uma arma, sem pressão do Ocidente ou do Oriente”.

À medida que o Domingo do Perdão, celebrado a 7 de Março para os ortodoxos russos, se aproxima, os sacerdotes disseram que os portões para o céu estão abertos a todos, mesmo aqueles que cometeram pecados graves, desde que procurem o perdão daqueles que “humilharam, insultaram, desprezaram ou daqueles que foram mortos pelas suas mãos ou pela sua ordem”.

“Não há outro caminho senão o perdão e a reconciliação mútua”, afirmaram.

Citando uma passagem bíblica do Génesis depois de Caim matar o seu irmão Abel por ciúmes, os sacerdotes disseram: “A voz do sangue do teu irmão clama da terra até mim. De futuro, serás amaldiçoado pela terra, que, por causa de ti, abriu a boca para beber o sangue do teu irmão”.

Os sacerdotes também se opuseram à opressão de manifestantes pacíficos contra a guerra na Rússia, muitos dos quais foram presos, dizendo que “nenhum apelo não violento à paz e ao fim da guerra deve ser reprimido à força e considerado uma violação da lei, pois tal é o mandamento divino: «Bem-aventurados os pacificadores»”.

Apelaram a todas as partes envolvidas para se envolverem num diálogo significativo, dizendo: “Não há outra alternativa à violência”.

“Somente a capacidade de ouvir o outro pode fornecer a esperança de uma saída do abismo em que os nossos países foram lançados em apenas alguns dias”, afirmaram, acrescentando: “Deixem-se a vós e a todos nós entrarmos na Grande Quaresma no espírito da fé, esperança e amor. Parem a Guerra”.

Agora no seu 11º dia, a guerra começou a 24 de Fevereiro, quando militares russos entraram na Ucrânia para o que o presidente russo, Vladimir Putin, chamou de “operação militar especial”.

Numerosos países em toda a Europa e no resto do mundo emitiram duras sanções contra empresas e indivíduos russos como resultado da guerra, que até agora se estima ter ceifado a vida de quase três mil soldados ucranianos e cerca de 500 soldados russos, de acordo com as estimativas oficiais.

A guerra tomou um rumo assustador na sexta-feira, quando militares russos dispararam contra a central nuclear de Zaporizhzhia, no sudeste da Ucrânia, causando um incêndio que mais tarde foi extinto. As tropas russas já ocuparam a central e estão forçando os administradores a trabalhar sob a mira de armas.

Vários países ao redor do mundo condenaram o incidente, com a embaixada dos Estados Unidos na Ucrânia a alertar que um ataque a uma central nuclear é um “crime de guerra” e o Conselho de Segurança das Nações Unidas a convocar uma reunião de emergência.

Desde que a guerra eclodiu, várias outras igrejas e líderes cristãos, incluindo muitas outras comunidades ortodoxas, condenaram-na e pediram o fim imediato das hostilidades.

Enquanto os padres ortodoxos russos que assinaram a petição pedem um cessar-fogo, o patriarca ortodoxo russo Kirill ainda não emitiu a sua própria condenação.

Kirill rezou pela segurança e bem-estar dos civis e pelo fim rápido dos combates. No entanto, foi criticado pela sua percebida falta de apoio à independência ucraniana e à integridade territorial.

Durante uma liturgia divina em Moscovo a 27 de Fevereiro, apenas três dias depois de a Rússia ter invadido a Ucrânia, Kirill disse: “Não devemos deixar forças externas sombrias e hostis rirem de nós; devemos fazer tudo para manter a paz entre os nossos povos e, ao mesmo tempo, proteger a nossa pátria histórica comum de todas as acções externas que possam destruir essa unidade”.

Vários líderes católicos e ortodoxos apelaram a Kirill para implorar a Putin pelo fim da guerra, incluindo o padre ortodoxo romeno Ioan Sauca, secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas; o arcebispo polonês Stanislaw Gadecki de Poznan, presidente da Conferência Episcopal Polonesa; a recentemente independente Igreja Ortodoxa da Ucrânia; e a outra Igreja Ortodoxa da Ucrânia que está em plena comunhão com a Igreja Ortodoxa Russa.

Kirill ainda não respondeu a nenhum desses apelos públicos. No entanto, encontrou-se com o enviado do Vaticano para a Rússia, o Arcebispo Giovanni D'Agnello, no patriarcado de Moscovo a 3 de Março.

O Papa Francisco, embora ainda não mencione directamente a Rússia ou Putin, apelou consistentemente ao diálogo e a uma resolução pacífica para a guerra na Ucrânia. Espera-se que se encontre com Kirill durante o Verão.

Segundo o patriarcado de Moscovo, no seu encontro com D’Agnello, Kirill elogiou o Papa Francisco como alguém que “faz uma importante contribuição para a criação da paz e da justiça entre as pessoas”.

Também disse que a “posição moderada e sábia” da Santa Sé em muitos assuntos internacionais é consistente com a da Igreja Ortodoxa Russa.

“É muito importante que as Igrejas Cristãs, incluindo as nossas igrejas, voluntária ou involuntariamente, às vezes sem vontade, não se tornem participantes dessas tendências complexas e contraditórias que estão presentes na agenda mundial de hoje”, disse Kirill.

“Estamos a tentar assumir uma posição de pacificação, incluindo diante de conflitos existentes”, disse, “porque a Igreja não pode ser participante de um conflito – só pode ser uma força de pacificação”.

 

Artigo de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 6 de Março de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Ucrânia  •  Paz  •  Igreja Ortodoxa Russa  •  Petição  •  Sacerdotes  •  Papa Francisco  •  Rússia
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui