Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Vatican News | 9 Mar 2022
Angola: crença em feitiçaria ainda preocupa a Igreja local
Algumas comunidades em Angola ainda acreditam em feitiçaria, o que por vezes leva a violência e morte.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Vatican Media

Isto está a travar o desenvolvimento, a gerar medo medo, morte e divisão de famílias, diz o padre Bonifácio Tchimboto em entrevista sobre o tema “Fé em Deus e feitiçaria na África”.

O Pe. Bonifácio Tchimboto, Director da Comissão Nacional de Pastoral Bíblica da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), em entrevista ao Vatican News, disse que a prática, crença e medo da feitiçaria ainda é um grande desafio não apenas às comunidades, mas também à pastoral e à academia em Angola e em outros lugares de África.

 

Aldeias paralisadas de medo

A crença na feitiçaria é suficiente para retardar o desenvolvimento de uma comunidade, paralisar uma aldeia com medo e, finalmente, causar conflitos nas famílias, diz o padre Tchimboto, estudioso da Bíblia, teólogo e pós-doutorando em Estudos Africanos.

É sacerdote da Diocese de Benguela, em Angola.

O padre Tchimboto é também pároco de S. Pedro do Liro, no Lobito, onde divide a sua investigação académica com o ministério pastoral.

 

Bruxaria: Uma explicação conveniente

Em Angola, como em outras partes da África, a crença na feitiçaria ainda é grande.

O tópico é sensível e geralmente não está aberto a discussão pública. A maioria dos acusados ​​de feitiçaria são inevitavelmente evitados pela sociedade e geralmente banidos da aldeia.

Às vezes, ser suspeito de feitiçaria numa aldeia pode levar à violência, ou mesmo à morte.

Embora a feitiçaria não seja reconhecida nos códigos penais de muitos países africanos, os acusados ​​estão frequentemente à mercê da máfia ou da (in)justiça da comunidade.

A triste verdade é que, às vezes, quando uma comunidade não consegue explicar um infortúnio, o caminho infeliz e mais conveniente é acusar alguém de feitiçaria.

 

Artigo de Anastácio Sasembele, publicado pelo Vatican News English Africa Service a 27 de Fevereiro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
África  •  Angola  •  Feitiçaria  •  Comunidades  •  Igreja  •  Cristianismo  •  Catolicismo
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui