Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 15 Mar 2022
O pontificado dinâmico de Francisco: o que resta na agenda
O primeiro Papa Jesuíta e do Novo Mundo da história começou agora o seu décimo ano como bispo de Roma.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

Enquanto muitos imaginavam que o seu pontificado seria bastante curto, o Papa Francisco começou agora o décimo ano de pontificado.

O ex-arcebispo de Buenos Aires assinalou o marco no Domingo.

Nove anos depois de se tornar o primeiro Jesuíta a ser eleito para o papado, muitos em Roma dizem que o pontificado de Jorge Mario Bergoglio está claramente na segunda metade.

E insistem que seus temas favoritos, bem conhecidos de todos, são as principais prioridades desta etapa do seu pontificado.

A atenção aos migrantes e refugiados, por exemplo, continua a ocupar um lugar central nos discursos do Papa. Assim como questões como a “ecologia integral”, as “periferias” do mundo – sejam elas geográficas ou existenciais – e a “cultura do descarte”.

Os assessores mais próximos de Francisco dizem que, apesar dos seus 85 anos de idade, o Papa manteve um ritmo de trabalho muito grande, desiludindo aqueles que gostariam de ver o seu pontificado desaparecer lentamente.

As questões que abordou na Evangelii gaudium (a Alegria do Evangelho), o texto programático que publicou em Setembro de 2013, também dão uma ideia bastante precisa das prioridades actuais de Francisco.

Na sua exortação apostólica, entre outras coisas, está a necessidade de afastar a Igreja da “centralização excessiva” e centrar o anúncio do Evangelho nos “pobres e doentes”.

 

“O programa para o Sínodo em curso”

“Esta exortação é de facto o programa para o sínodo em curso”, disse uma fonte de Roma.

O processo sinodal foi lançado em Outubro de 2021 e deve durar dois anos. Pretende repensar a forma como a Igreja Católica anuncia a sua mensagem num mundo que mudou consideravelmente, através de uma vasta consulta a todos os fiéis do mundo.

O Papa espera que este método mude profundamente a maneira de os católicos perceberem o mundo e, como resultado, lhe levem o Evangelho com mais eficácia e alegria.

É um método que espera que continue muito além da próxima assembleia do Sínodo dos Bispos, prevista para Outubro de 2023 em Roma. Pelo menos essa é a esperança que colocou na Evangelii gaudium.

“A pastoral em chave missionária procura abandonar a atitude complacente que diz: «Sempre fizemos assim»”, disse o Papa nesse notável texto (EG, 33).

Outro trabalho em andamento – que não deixa de estar relacionado com uma nova maneira de trabalhar na Igreja – é a reforma da Cúria Romana.

Esta é uma necessidade exigida pelos próprios cardeais em 2013 durante as congregações gerais, as reuniões que antecedem o conclave em que cardeais de todo o mundo discutem o estado da Igreja e traçam um perfil do futuro Papa.

Sobre este ponto, Francisco tem reformado o funcionamento dos seus serviços há anos, principalmente ao emitir numerosos decretos “motu proprio" (ou seja, por iniciativa própria).

O mais recente deles estabeleceu novas regras organizacionais para a Congregação para a Doutrina da Fé.

Mas, além desses numerosos textos normativos, o Papa ainda tem que publicar a constituição apostólica, Praedicate evangelium, que deve definir a nova organização do Cúria Romana, a burocracia central da Igreja.

A publicação da constituição foi anunciada várias vezes como iminente e ainda é aguardada ansiosamente no Vaticano.

 

Planos de viagem

Mas é fora de Roma que Francisco pretende permanecer mais activo, como evidencia o recente anúncio de uma visita apostólica no início de Julho à República Democrática do Congo (RDC) e ao Sudão do Sul.

O Sudão do Sul está dilacerado pela guerra civil. O Papa acompanhou a situação de perto e prometeu há muito tempo que visitaria o país se houvesse progresso nas negociações entre os dois lados, mas não houve progresso significativo desde a implementação em 2020 de um acordo de paz, que foi marcado por vários incidentes.

“Ele sente que o fim do seu pontificado se está a aproximar e decidiu fazer as viagens que lhe parecem prioritárias”, disse uma fonte do Vaticano.

É suposto que Francisco viaje para o Canadá no Outono e o Secretariado de Estado está actualmente a trabalhar para tornar possível uma viagem ao Líbano.

“Ele não quer parar”, disse um dos assessores do Papa. “Não quer ficar preso em Roma”.

A eclosão da guerra na Ucrânia a 28 de Fevereiro também nos lembrou de outra das prioridades de Francisco, cuja implementação está agora com problemas: o ecumenismo, em particular com o mundo Ortodoxo.

Seis anos depois do encontro histórico em Cuba com o Patriarca Kirill de Moscovo, o Papa tinha grandes esperanças de se encontrar novamente com o líder da Igreja Ortodoxa Russa neste Verão.

Foi apontada uma data para Junho e, até há uns dias, Roma e Moscovo estavam a procurar um lugar para realizar o encontro, mas essa é uma perspectiva que agora parece mais distante do que nunca.

 

Artigo de Loup Besmond de Senneville, publicado no La Croix International a 14 de Março de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui