Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 16 Mar 2022
Sarcófago raro desenterrado durante o restauro de Notre Dame
Restos arqueológicos excepcionais acabam de ser descobertos durante o restauro da famosa Catedral de Paris, que quase foi destruída em 2019 por um incêndio.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

Arqueólogos que ajudam no restauro de Notre-Dame de Paris, que foi quase destruída por um incêndio há quase três anos, desenterraram o que se acredita ser um raro sarcófago de chumbo, provavelmente do século XIV.

Suspeitava-se que o grande projecto de reforma revelaria novas informações sobre a história da famosa catedral gótica da capital francesa, mas os arqueólogos do Instituto Nacional de Pesquisas Arqueológicas Preventivas (INRAP), que começaram a trabalhar a 2 de Março, disseram que a descoberta foi inesperada e excepcional.

Disseram que o sarcófago desenterrado é embelezado com elementos decorativos de 1230 e com elementos de alvenaria que poderiam vir da antiga catedral românica, que é muito pouco documentada.

O sarcófago de chumbo, com a sua forma esbelta e a sua tampa afundada pelo peso do solo e dos anos, é uma grande descoberta, sobretudo pelo seu excelente estado de conservação.

Este tipo de sarcófago está bem documentado, mas raramente é encontrado. Foi usado pela elite, sejam religiosos ou dignitários leigos.

Se a hipótese de ser datado do século XIV se confirmar, será o sarcófago mais antigo já descoberto em Notre-Dame de Paris.

 

O sarcófago de um dignitário

O objecto, perfurado em três lugares, passou por investigações iniciais, graças ao uso de uma câmera endoscópica.

“Lá dentro, conseguimos identificar restos de tecido, materiais orgânicos como cabelo e ossos, e elementos de plantas, que poderiam ser buxo e cuja presença sugere uma excelente conservação", explicou Christophe Besnier, arqueólogo do INRAP responsável pela escavação.

“O que é interessante para nós é ter o contexto todo e não apenas o objecto”, acrescentou Dominique Garcia, presidente do INRAP.

“Tudo isto será uma fonte de conhecimento antropológico, sobre práticas funerárias e simbólicas, bem como sobre a vida do edifício”, disse Garcia.

A poucos metros de distância, uma equipa de quatro arqueólogos está ainda a escavar um fosso onde foi encontrado um grande número de elementos do antigo biombo da catedral. Esta divisória decorada, que separava a capela-mor da nave, data de 1230. Foi destruída no século XVIII durante a reorganização do coro de Luís XIV.

Os arqueólogos estão a usar espátulas, pincéis e muita paciência para limpar as pedras e a terra de cor clara. Descobriram uma escultura que representa um antebraço e uma mão delicada durante a sua escavação na terça-feira.

Carregaram caixas de plástico simples com outros restos igualmente interessantes, como duas cabeças esculpidas e a forma de um pé, motivos vegetais (cachos, folhagens...), cortinas, colunas e pequenos capitéis esculpidos.

“Já estávamos familiarizados com o antigo biombo graças aos elementos descobertos por Viollet-le-Duc no século XIX, que estão preservados no Louvre. Mas aqui encontramos muitos outros elementos com policromia muito bonita, vermelho, azul e tinta dourada”, disse Hélène Civalleri, arqueóloga do INRAP.

“Poderemos ir muito mais longe no conhecimento da decoração da catedral”, observou.

 

Uma corrida contra o tempo

Dado o número de descobertas feitas nas últimas seis semanas, os próximos dez dias parecem promissores, mas também causarão frustração entre os arqueólogos.

Todos esperam ter tempo para vasculhar os arredores de uma alvenaria que à primeira vista parece bastante inocente, mas que pode ser crucial para o conhecimento da história do monumento.

“Pode ser um elemento da antiga catedral românica, sobre a qual sabemos muito pouco hoje”, disse Dorothée Chaoui-Derieux, curadora do património da DRAC Île -de-France, o serviço de arqueologia regional.

Notre-Dame ainda tem muitos segredos para revelar, mas, tanto ao nível do solo como das alturas, a construção também está à espera para avançar.

As escavações foram estendidas por algumas semanas, graças a intensas discussões entre o INRAP, o DRAC e a instituição pública encarregada do restauro de Notre-Dame. Esta parte da obra está prevista para ser concluída a 25 de Março. Após dois curtos meses de escavações, os segredos de Notre-Dame permanecerão enterrados durante décadas, ou mesmo centenas de anos.

Artigo de Élodie Maurot, publicado no La Croix International a 16 de Março de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sacófago  •  Notre-Dame  •  Paris  •  Catedral  •  França
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui