Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 18 Mar 2022
A sinodalidade deve tornar-se parte permanente do modo de ser da Igreja
Os padres católicos precisam de abraçar a sinodalidade e ajudar a promover a responsabilidade partilhada pela Igreja entre todos os baptizados.
PARTILHAR IMPRIMIR
 

“Aprendendo fazendo”. Esta expressão resume um grande desafio que surgiu dos primeiros quatro meses de preparação para a próxima assembleia do Sínodo dos Bispos sobre a Sinodalidade, que acontecerá em Outubro de 2023 em Roma.

O Documento Preparatório refaz essa expressão assim: “caminhando lado a lado e refletindo em conjunto sobre o caminho percorrido, com o que for experimentando, a Igreja poderá aprender quais são os processos que a podem ajudar a viver a comunhão, a realizar a participação e a abrir-se à missão” (DP 1).

O Sínodo Romano está a desafiar todos os católicos a mudar o centro do foco em três níveis. Primeiro, mudar o centro de si mesmo para “aprender uns com os outros” (DP 32, citando o Papa em 2018).

Depois, mudar o centro das paróquias. “O Processo Sinodal é uma oportunidade de abertura, de olhar à nossa volta, de ver as coisas de outros pontos de vista e de sair em missão missionária para as periferias”. (Vademecum).

E, finalmente, mudar o centro de uma Igreja excessivamente clerical para uma “Igreja sinodal, na qual todos têm algo a aprender. Os fiéis, o colégio dos bispos, o bispo de Roma: todos escutando-se uns aos outros” (DP, 15 citando o Papa em 2015).

É fácil entender que esse processo iniciado localmente não deve ser parado ao fim de três meses, mas deve tornar-se um modo permanente de funcionamento, até mesmo um modo de ser.

Somos transformados pelo que fazemos: ouvintes, aqueles que deliberam (com os outros e com o Senhor), comunicadores (formados na cultura do diálogo).

A sinodalidade não se cimenta apenas no saber-fazer, mas no saber-ser.

 

Por todos os baptizados

Ecos recebidos de todo o mundo mostram que essa transformação pela experiência não é uma palavra vazia, embora esteja longe de ser o caso em todos os lugares.

Iniciam-se ou estão a ser dados passos neste modo de ser Igreja de todos os baptizados, de modo compatível com a vocação baptismal, carismas e missões.

O que podemos observar também é o papel decisivo do clero. A fase local de consulta depende em grande parte – e às vezes totalmente – dos padres e até dos bispos. Há uma forma discreta de clericalismo “passivo” aqui, não mau em si, mas ambivalente.

Dito de outra forma, isto mostra que a abordagem sinodal não exclui a liderança. É óbvio que os processos de mudança, sejam eles institucionais, ou mais profundos, exigem actualmente formas de liderança de cima para baixo, pois têm como objectivo uma conversão pastoral e missionária.

A questão é crucial.

Quem lidera deve favorecer a dimensão do discernimento espiritual e, portanto, abrir mão de certas formas de exercício do poder que incorpora na sua posição hierárquica e ministerial.

O que não é fácil nem óbvio para alguns é, no entanto, um passo necessário e potencialmente frutífero.

 

Sacerdotes relutantes

Este momento sem precedentes na vida da Igreja Católica destaca os padres que estão activos na implementação do Sínodo e outros que estão mais relutantes e estão a “esquecer” o processo sinodal.

O seu entusiasmo ou a sua inércia mostram como a sinodalidade é essencial para a renovação eclesial católica hoje em dia.

Confiar a todos os baptizados a responsabilidade na vida e na missão da Igreja ainda está muito dependente – por enquanto – do empenho de alguns, os sacerdotes.

Isto é uma espécie de paradoxo.

Acrescentemos que os sacerdotes envolvidos no processo de sinodalidade podem ser os primeiros beneficiários quando se trata do seu próprio ministério pastoral. Como é que a dinâmica pode ser estabelecida em toda a Igreja, já que aqueles que não têm experiência dela não estarão convencidos?

O sínodo Romano é uma oportunidade por causa do seu forte apelo institucional.

Talvez alguns entrem então no rico exercício do discernimento partilhado: parece que os membros dos movimentos e associações de fiéis estão mais à vontade no processo. Talvez isto possa ser explicado pela experiência de um tipo diferente de governo e pela participação activa dos sacerdotes como conselheiros espirituais e não como presidentes.

Isto tenderia a provar que as responsabilidades partilhadas favorecem o compromisso e a iniciativa de um número maior. Seria realmente assim pela experiência que o modo de discernir e decidir na Igreja poderia ser reformado para o bem de todos.

O facto de que a sinodalidade seja ao mesmo tempo o método e o tema da próxima reunião do Sínodo dos Bispos mostra a sua relevância aqui.

No entanto, deve-se reconhecer que a clareza da abordagem nem sempre é óbvia e requer um investimento significativo a todos os níveis para comunicar o significado e o saber-fazer deste modo de ser e agir na Igreja.

Os cem dias passados ​​até agora obviamente não são suficientes. A Igreja Católica está comprometida, como sempre, com o longo prazo.

 

Artigo de Arnaud Join-Lambert, publicado no La Croix International a 18 de Março de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sínodo  •  Sinodalidade  •  Igreja  •  Bispos  •  Sacerdotes  •  Baptizados
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui