Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 20 Abr 2022
Actualização do Sínodo: católicos franceses procuram integrar os pobres
O “La Croix” continua a acompanhar o processo sinodal em três lugares diferentes do mundo.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

Flores azuis e amarelas nas cores da bandeira ucraniana projectavam-se aqui e ali dos sacos e cestas quando cerca de 80 membros do conselho pastoral diocesano de Rouen se reuniram a 26 de Março para um dia inteiro de reuniões dedicadas aos preparativos para o Sínodo dos Bispos. As flores foram levadas para decorar uma das vastas salas do centro diocesano. Deveriam ser um “sinal de comunhão” com a população da Ucrânia devastada pela guerra apenas um dia depois de o Papa Francisco ter consagrado o país e a Rússia ao Imaculado Coração de Maria.

“O dia de hoje marca o último dia do processo sinodal, mas o processo irá continuar”, começou o padre Alexandre Gérault, vigário geral da diocese, que fica no coração da Normandia.

“Queríamos rever esta experiência convosco, os artesãos deste processo nas vossas paróquias”, disse o padre antes de insistir na necessidade, no centro deste novo encontro, de levar mais em conta as “palavras dos mais pobres”.

 

Um “dia de fraternidade”

Depois de cinco encontros com líderes de associações em contacto com os pobres – em situação precária, presos, sem-abrigo, jovens dos subúrbios, etc. – já tinha sido decidido realizar um evento festivo com eles a 11 de Junho, um “dia de fraternidade” em frente à Catedral de Rouen.

“Eles são muitas vezes fatalistas, sentem-se invisíveis e dizem-nos que a Igreja está muito presa em si mesma”, disse Christiane Rousseau, voluntária de uma associação afiliada à Sociedade São Vicente de Paulo.

“Com base nas suas expectativas, este evento de 11 de Junho ainda não acabou de ser desenvolvido”, disse Maïté Massot, delegada para o sínodo, antes de convidar a assembleia para os vários workshops previstos para o dia.

Na sala 104, seis pessoas – incluindo um padre de uma área rural – reuniram-se para reflectir sobre dois temas: “Como ouvimos as vozes dos mais pobres no processo sinodal?” e “Que propostas poderíamos fazer para integrá-los melhor nas nossas comunidades?”.

 

Não tentar atrair os pobres a todo custo

O objectivo era produzir três ideias-chave, em três frases, que pudessem ser apresentadas ao restoda assembleia.

“Não gosto do termo «pobre», prefiro precariedade ou fragilidade, com os quais todos se podem identificar”, diz Marie-Odile, uma mulher aposentada envolvida com a Sociedade São Vicente de Paulo.

“Tenho cautela com esta Igreja que quer «atrair os mais pobres a todo custo»… Para mim, trata-se sobretudo de conhecê-los”, acrescentou Yves, funcionário do Instituto de Ciências Religiosas da Normandia (INSR) para a área de Rouen.

Projectos prioritários surgem rapidamente: “reconhecer a nossa pobreza” – incentivando essa consciência através de grupos de partilha, reuniões, etc. –, promover a inclusão dos mais pobres na Igreja – abandonando qualquer atitude preconceituosa – e, finalmente, ousar levar essa luta ao nível político. E, neste último ponto, a discussão correu bem.

 

Pesando as realidades

Yves disse estar “revoltado” com “a visão atual das quotas de migrantes”, que se tornou um dos principais pontos de discussão nas eleições presidenciais da França.

“Temos nosso trabalho cortado”, disse.

“Se permanecermos apenas no domínio da fé, não poderemos influenciar as realidades que queremos mudar. Devemos ousar questionar os nossos presidentes, os nossos prefeitos, as comunidades”, continuou Yves.

A sua observação foi ecoada por alguns dos outros grupos durante as suas apresentações na sessão da manhã e, à tarde, houve uma nova discussão sobre a experiência sinodal. A equipa encarregada de sintetizar todas as apresentações fez o seu relatório preliminar. Tinha que enviar um relatório final às dioceses antes do dia 16 de Abril.

Pouco antes das 17h00, o arcebispo Dominique Lebrun, de Rouen, encerrou o dia.

“Hoje, em em particular, três palavras frequentemente associadas ao Sínodo emergiram: comunhão, participação e missão”, observou gentilmente.

“Sinto que estamos neste caminho, e que o Senhor está realmente a caminhar connosco”, afirmou.

Artigo de Malo Tresca, publicado no La Croix International a 19 de Abril de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sínodo  •  França  •  Pobres  •  Periferias  •  Sinodalidade
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui