Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 20 Abr 2022
Psiquiatra católico pede equilíbrio de vida num mundo cada vez mais isolado
“A felicidade absoluta é uma quimera e está na imaginação”, afirmou.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Inés San Martín / Crux

O psiquiatra espanhol Enrique Rojas, director do Instituto Espanhol de Psiquiatria, acredita que os quatro pilares da psicologia de uma pessoa são a inteligência, vontade, afectividade e espiritualidade. A fé, disse ele, é o que dá a uma pessoa a perspectiva de ver o que realmente importa.

“Eu nunca diria a um paciente para desistir da religião, porque a religião, quando entendida correctamente, nunca é um obstáculo”, disse Rojas.

“A fé é boa e necessária. Dizer a um paciente para deixar a fé de lado seria como dizer-lhe para ignorar a cultura ou o trabalho. Isso não quer dizer que a igreja, como instituição, não tenha falhas. Mas assim como não posso desistir da política porque um político me decepcionou, não posso deixar a igreja porque um clérigo me decepciona”.

Rojas é membro do Opus Dei, casado e pai de cinco filhos e autor de mais de uma dezena de livros.

Esteve em Roma durante a Semana Santa, participando na UNIV, evento anual para estudantes universitários organizado pelo Opus Dei desde 1968.

O Crux conversou com ele após a sua palestra de encerramento do evento na Pontifícia Universidade da Santa Cruz, administrada pelo Opus Dei, ao lado da Piazza Navona, em Roma.

Rojas disse acreditar que a fé desempenha um papel importante na vida de uma pessoa, a ponto de que, sem espiritualidade, “é muito difícil manter a vida, uma espiritualidade liberal e aberta”.

“A Igreja tem três grandes exemplos de diferentes espiritualidades nos últimos três papas: João Paulo II foi um homem das massas; Bento XVI, um intelectual; e Francisco é um homem muito completo, muito dedicado aos pobres, definitivamente o Papa do seu tempo”, disse. “Francisco é uma figura emblemática, um outlier e um modelo de identidade.”

O psiquiatra definiu o Papa polonês como um homem de acção e comunicação, o Papa alemão como alguém “para ser lido” e o Pontífice argentino como alguém a ser “contemplado, porque tem muitos gestos excepcionais”.

Falando sobre a polarização do mundo e também sobre uma crescente individualização, com pessoas a viver em bolhas criadas para unir pessoas que pensam de igual forma e manter separadas aquelas que pensam diferente, Rojas argumentou que hoje “o mundo está mais excitante do que nunca, mas também tão terrível como sempre”.

“O curioso é que os meios se multiplicaram, mas os fins perderam-se”, disse Rojas. “Há cada vez mais meios, como o telemóvel, que é uma ferramenta maravilhosa de comunicação que se tornou um meio de isolamento. Há muitas pessoas que juntaram o seu trabalho aos seus telemóveis. Mas também pessoas cujo trabalho não depende dos seus telemóveis, mas que, por trabalharem, por exemplo, numa empresa multinacional com horários de trabalho diferentes, de repente encontram-se a trabalhar o tempo todo”.

“Vivemos numa sociedade muito acelerada, ao mesmo tempo muito superficial, mas também cheia de oportunidades”, disse. O problema é que as pessoas estão “perdidas, não sabem ao certo de onde vêm e para onde vão”, e muitas já nem se preocupam em fazer essas perguntas.

“Daí a importância de ter um modelo de identidade, um esboço de alguém inspirador a que gostaríamos de nos assemelhar quando crescermos”, afirmou.

“Existem três «educadores» de identidade: o professor, o mentor e a testemunha. O professor ensina um assunto; o mentor ensina lições que não vêm no livro; o testemunho é um modelo de identidade a que gostaríamos de nos assemelhar, um exemplo de coerência e de vida. Hoje há muitos professores, poucos mentores e poucas testemunhas”.

Isso fica evidente, disse Rojas, no jornalismo, com muitos meios de comunicação a focar-se no que é mau, principalmente naqueles que estão perdidos, como actores que arruinam as suas carreiras por estarem bêbedos no set, ou cantores que abusam de drogas, ou casais famosos que se separam após uma infidelidade. Pessoas famosas, argumentou, são cada vez menos testemunhas, porque aqueles que seriam bons modelos não recebem o mesmo nível de atenção, nem para os média, nem para os leitores.

Questionado sobre quais são, na sua experiência, as chaves para alcançar o sucesso na vida, falou sobre uma personalidade equilibrada e um projecto de vida coerente e realista que inclui amor, trabalho, cultura e amizade.

“Deixe-me utilizar uma metáfora marinha: como é que constrói um barco e o conduz? Como mantê-lo à tona? E como é que garante que ele chegue ao porto?” perguntou Rojas. “O barco é a personalidade, que precisa de ser equilibrada, não visando a perfeição, mas a maturidade. O projecto de vida é o que mantém o barco à tona, e deve ser coerente e realista, e deve incluir amor, trabalho, cultura e amizade”.

Essas duas coisas são o que levam o barco ao porto.

“A felicidade absoluta é uma quimera e está na imaginação”, afirmou. “Temos que aspirar à felicidade relativa, que poderia ser definida como uma vida alcançada, com a pessoa a poder aproveitar ao máximo a sua existência, especialmente em duas áreas que são os pilares principais: amor e trabalho, vida afectiva e vida profissional”.

Rojas coloca a vida emocional e profissional ao mesmo nível, argumentando que a felicidade consiste no amor e no trabalho, “em amar o trabalho e trabalhar com amor”.

Artigo de Inés San Martín, publicado em Crux a 20 de Abril de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Rojas  •  Psiquiatra  •  Espanha  •  Equilíbrio  •  Vida pessoal  •  Trabalho  •  Amor  •   •  Espiritualidade
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui