Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 20 Abr 2022
Bispos africanos pedem que líderes mundiais rejeitem modelo económico “desigual e insustentável”
Prelados estão a pedir um plano “viável” para o continente emergir da actual crise económica e de saúde com “resiliência” e por decisões que promovam uma sociedade economicamente justa.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

Enquanto os líderes mundiais financeiros se reúnem esta semana em Washington, D.C., os bispos africanos estão a pedir um plano “viável” para o continente emergir da actual crise económica e de saúde com “resiliência” e por decisões que promovam uma sociedade economicamente justa.

“Enquanto trabalhamos pela recuperação, não estamos a fazê-lo para regressar a um modelo desigual e insustentável de vida económica e social, onde uma pequena minoria da população mundial possui metade da sua riqueza, enquanto milhões vivem abaixo da linha da pobreza”, afirmou uma declaração de 20 de Abril da Comissão de Justiça, Paz e Desenvolvimento do Simpósio das Conferências Episcopais da África e Madagascar (SECAM).

“Precisamos de desenvolver sistemas sociais e económicos que apoiem a distribuição de riqueza e guiem os seres humanos para serem inclusivos com todas as pessoas e eliminar a desigualdade económica da sociedade”.

A declaração foi dirigida aos participantes dos Encontros de Primavera de 2022 do Grupo Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional. Os líderes financeiros mundiais reúnem-se nesta semana para discutir soluções para as crises económicas e de saúde globais que foram exacerbadas pela pandemia de COVID-19 nos últimos dois anos e agora pela guerra na Ucrânia.

As reuniões do Banco Mundial e do FMI e a declaração do SECAM coincidem com a publicação do Relatório de Perspectivas Económicas Mundiais do FMI e do Relatório de Estabilidade Financeira Global de 2022. Ambos os relatórios fornecem uma visão sombria sobre o estado actual e o futuro imediato da economia global.

O World Economic Outlook Report, em particular, afirma que os “danos económicos do conflito (Rússia/Ucrânia) contribuirão para uma desaceleração significativa no crescimento global em 2022”. Afirma ainda que o crescimento económico global deverá desacelerar de 6,1% em 2021 para 3,6% em 2022 e 2023. Também afirma que a inflação deverá permanecer elevada por mais tempo do que se pensava originalmente. Para 2022, o relatório projecta uma inflação de 5,7% nas economias avançadas e 8,7% nos mercados emergentes e economias em desenvolvimento.

Os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento suportarão o peso dos desafios previstos. No entanto, Eric LeCompte, director executivo da Jubilee USA Network, disse ao Crux que os relatórios são, na verdade, “notícias muito más para todos os países do mundo”.

LeCompte observa que os preços dos alimentos já estão muito altos, os países estão a perder receitas, as nações em desenvolvimento ainda estão a sofrer com as crises de saúde e económicas da pandemia e agora, com a guerra na Ucrânia, alimentos, combustíveis e fertilizantes “é apenas ficarem fora do alcance para muitos países”.

“A realidade é que estamos a lidar com uma crise global que está entrelaçada entre os países, então os problemas que estão a acontecer nas economias do sul e em desenvolvimento vão impactar drasticamente as economias ricas do norte”, disse LeCompte, observando, por exemplo, que a crise de dívida no mundo em desenvolvimento contribui para a alta inflação no mundo desenvolvido, e o não cumprimento das metas globais de vacinação criará mais choques económicos que irão afectar os países ricos.

A Jubilee USA Network é uma união de grupos religiosos, de desenvolvimento e advocacia que se concentra em políticas que ajudam a acabar com a pobreza em todo o mundo. Trabalha regularmente com o Vaticano e a Conferência dos Bispos dos EUA na defesa de mudanças na política económica e climática global.

A declaração do SECAM de hoje é assinada pelo Bispo Sithembele Sipuka de Mthatha, primeiro vice-presidente do SECAM e presidente da comissão. O alívio da dívida e a ajuda à COVID-19 e às mudanças climáticas aos países africanos estão no centro do que a conferência está a pedir.

A declaração observa que 40 milhões de africanos caíram na pobreza extrema durante a pandemia. É também a região menos vacinada do mundo. Cerca de 20% da população africana recebeu pelo menos uma dose da vacina, de acordo com o projeto Our World in Data da Universidade de Oxford.

Para aliviar algumas das dificuldades económicas, o SECAM pede que os líderes financeiros globais criem outra alocação de fundos de reserva de emergência disponível, conhecida como Direitos Especiais de Saque (SDR). A primeira alocação de SDR criou 650 biliões de dólares para a resposta à pandemia de COVID-19 e ajuda à recuperação de países em todo o mundo, embora os países africanos tenham recebido apenas 33 biliões.

“Pedimos que os países ricos, que receberam mais de 400 biliões nessa alocação, redireccionem uma parte significativa dos seus SDRs para países africanos para apoiar os esforços locais de compra de vacinas e adaptação às mudanças climáticas”, disse o comunicado.

“Embora o compromisso do G20 de recanalizar 100 biliões seja um bom começo, acreditamos que podem fazer mais”, afirmando que, numa segunda alocação, África deveria receber pelo menos “o triplo” do valor recebido da última vez.

Os bispos africanos também pedem que os países africanos obtenham alívio da dívida e uma “nova arquitectura financeira internacional que evite futuras crises da dívida”.

LeCompte disse que os líderes financeiros mundiais estão a discutir uma série de soluções possíveis esta semana para tentar aliviar a actual crise económica, embora alerte que podem não estar a movimentar-se suficientemente rápido. Disse ainda que algumas das acções mais importantes seriam: obter mais capital para os bancos de desenvolvimento investirem nos países em desenvolvimento, lidar com a crise da dívida global criando um processo de falência global, fortalecer centros e infraestruturas globais de saúde e diversificar e criar cadeias de fornecimento local para alimentos, fertilizantes e combustível.

LeCompte acrescentou que o governo dos EUA tem sido líder na defesa de soluções para ajudar os países em desenvolvimento durante a pandemia de COVID-19, e é “incumbência” deles “continuar a pressionar outros governos do G20” a apoiar essas acções.

Enquanto isso, LeCompte disse que a economia dos EUA continuará a sofrer.

“Infelizmente, como a crise persiste nos países em desenvolvimento e em todo o mundo, veremos mais choques de fornecimento e choques económicos nos Estados Unidos”, disse LeCompte.

“Não só veremos a inflação e os preços dos alimentos dispararem, preços caóticos dos combustíveis, mas continuaremos a lidar com choques de fornecimento nos Estados Unidos”, afirmou.

Artigo de John Lavenburg, publicado no Crux a 20 de Abril de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
África  •  Crise  •  Economia  •  Bispos  •  Covid-19
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui