Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 21 Abr 2022
Fundação AIS oferece ajuda a mulheres religiosas que abrigam refugiados ucranianos
Mesmo com uma rotina mais ocupada do que nunca, as religiosas não só mantiveram o horário de oração comum, como aumentaram as horas de adoração ao Santíssimo Sacramento para si e para aqueles que desejam rezar.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Fundação AIS

A caridade internacional Ajuda à Igreja que Sofre anunciou a aprovação de um pacote especial de ajuda emergencial para freiras de rito latino na arquidiocese ucraniana de Lviv, que abriram as suas portas para refugiados que fogem da guerra.

No seu anúncio no site de 19 de Abril, a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) não divulgou o valor do pacote de ajuda, mas disse que um dos destinatários são as freiras beneditinas de Solonka, uma comunidade contemplativa que abriu as suas portas para refugiados que fogem da guerra na Ucrânia.

Desde que a guerra eclodiu em Fevereiro, após a invasão russa da Ucrânia, as irmãs Solonka receberam centenas de famílias carentes, estimando que mais de 500 pessoas passaram pelo seu mosteiro até agora.

De acordo com uma freira do convento, identificada pela AIS como Irmã Klara, “durante as primeiras semanas da guerra houve muito movimento no mosteiro”.

“As pessoas vinham de muitas cidades diferentes da Ucrânia… Eram principalmente mulheres e crianças, acompanhadas pelos seus maridos que ajudavam as suas famílias a atravessar a fronteira, antes de voltar para lutar pelo seu país”, disse.

A maioria dos 75 habitantes actuais do mosteiro são pessoas que não planeiam ir para o exterior, e alguns já não têm casas para onde voltar, pois foram destruídas por bombardeamentos ou explosões de mísseis.

Entre os convidados do mosteiro de Lviv estão irmãs pertencentes à casa comunitária da ordem em Zhytomyr, que foram forçadas à evacuação depois de passarem vários dias num abrigo subterrâneo sob a catedral da cidade.

Para manter os convidados longe das suas experiências traumáticas, as freiras pediram a ajuda deles para realizarem tarefas diárias, como limpar o mosteiro, trabalhar na cozinha, ou no refeitório.

O quarto de uma das freiras foi convertido em quarto de brincadeiras para as 20 crianças que lá estão hospedadas.

De acordo com a AIS, uma família actualmente alojada no mosteiro é composta por Roman, Anna e os seus dois filhos pequenos, um dos quais tem apenas um mês de idade.

Originalmente de Kharkiv, a família fez as malas imediatamente quando a guerra começou a 24 de Fevereiro, mas permaneceu por lá cerca de 10 dias antes de finalmente decidir sair quando o edifício onde viviam foi atingido por um míssil russo.

“A casa pegou fogo, todas as janelas foram partidas”, disse Roman aos representantes da AIS. A casa do vizinho também foi atingida, causando ainda mais danos.

A família achou que não conseguiria sair por causa do espesso fumo preto que cercava a casa, mas pegou nas malas e saiu para a rua, onde as pessoas corriam em todas as direcções, tentando afastar-se o máximo possível do prédio no caso de uma linha de gás explodir.

Uma vez do lado de fora, caminharam um pouco antes de acenar para um carro que lhes deu boleia até à casa da mãe de um amigo.

“Mas também houve bombardeamentos lá, especialmente à noite. Foi terrível. Não conseguíamos dormir e as crianças estavam a ficar nervosas”, disse Roman. Decidiram então viajar para Lviv, no oeste da Ucrânia, de comboio com outros refugiados.

No entanto, quando chegaram, a cidade estava superlotada e não havia quartos disponíveis em lugar nenhum. Anna encontrou brevemente um lugar para ficar numa casa para mães e filhos, mas não gostou de ficar num lugar tão lotado, especialmente com um bebé tão pequeno.

Exasperada, a família finalmente sentou-se num banco perto da estação de comboio um dia ao frio, imaginando para onde ir e onde encontrar roupas mais quentes para o bebé, quando uma das irmãs beneditinas da comunidade Solonka, identificada como Irmã Hieronima, chegou e lhes ofereceu abrigo no mosteiro.

“Iremos lembrar-nos sempre deste momento e seremos gratos pelo resto das nossas vidas”, disse Anna, lembrando como Hieronima mais tarde disse à família que não planeava ir à estação de comboios naquele dia, mas sentiu algo que lhe dizia para ir e ver se alguém precisava de ajuda.

“Foi a divina providência. Um sinal de Deus!” disse Anna.

Enquanto as freiras fizeram votos de uma vida contemplativa, afastadas do mundo, a Irmã Klara disse que a comunidade acredita que o que estão a fazer é a vontade de Deus.

“É assim que a nossa comunidade de freiras e monges lê os sinais dos tempos, e é assim que visualizamos o nosso serviço agora”, disse observando que a maioria dos refugiados que ficam com eles não são crentes, mas alguns juntam-se a elas nas orações.

“Durante a festa da Anunciação, celebramos o casamento de um casal de idosos de Zhytomyr na nossa igreja. Outro jovem casal de Kharkiv está a preparar-se para os sacramentos da reconciliação e do casamento e também irá baptizar o filho. Várias pessoas fizeram a sua primeira confissão”, explicou.

No entanto, apesar da nova rotina ocupada, Klara disse que a oração ainda é a base das suas vidas diárias. Não só mantiveram o horário de oração comum, como aumentaram as horas de adoração ao Santíssimo Sacramento para si e para aqueles que desejam rezar.

Desde que a guerra começou há quase dois meses, cerca de 4,9 milhões de refugiados ucranianos fugiram para países vizinhos, enquanto cerca de 7,1 milhões de pessoas estão deslocadas internamente, incluindo cerca de 2,8 milhões de crianças, segundo a UNICEF.

Andrea Iacomini, porta-voz da UNICEF na Itália, disse que o acesso à água também é um problema. Cerca de 4,6 milhões de pessoas na Ucrânia actualmente têm acesso limitado à água, enquanto há um total de mais de 6 milhões de pessoas na Ucrânia que lutam todos os dias para encontrar água potável, observou.

Artigo de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 20 de Abril de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui