Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 10 Mai 2022
Sínodo sobre a sinodalidade será “processo de discernimento espiritual”, dizem participantes
Participantes da assembleia realizada na semana passada sublinham que o sínodo já começou.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Paul Haring/CNS

O gabinete do Vaticano que organiza um grande encontro do Vaticano sobre a sinodalidade em 2023 realizou uma reunião de preparação na semana passada, afirmando que o sínodo dos bispos já começou.

“Este sínodo foi concebido não como um evento que acontecerá num momento, ou seja, em Outubro de 2023: já começou e essa consciência foi assumida por todos nós que participamos nesta assembleia”, disse o leigo colombiano Oscar Elizalde, porta-voz do CELAM, a Conferência Episcopal Latino-Americana.

“Não estamos a preparar-nos para o sínodo, ele já começou”.

A assembleia geral da semana passada foi organizada por um gabinete de 15 pessoas conhecido como Secretaria do Sínodo, que até à tão esperada reforma da Cúria Romana do Papa Francisco ser lançada no mês passado, era conhecida como Secretaria do Sínodo dos Bispos.

“Ou seja, a missão do secretariado é promover a sinodalidade em todos os organismos da Igreja, e os sínodos [dos bispos] que acontecem em Roma convocados pelo Papa são uma maneira de colocar essa sinodalidade em prática”, disse o padre Carlos Galli, reitor da Faculdade de Teologia da Pontifícia Universidade argentina e um dos teólogos favoritos do Papa Francisco.

Galli diz que há três etapas claras no processo sinodal em andamento: a etapa de preparação, que está “centrada na consulta e na escuta, a aperfeiçoar o que já estava a ser feito”; o palco da celebração, que será a própria reunião do Sínodo dos Bispos no Vaticano no final de 2023; e a etapa de implementação, que será sobre a recepção nas igrejas locais do que foi discutido nno encontro Romano.

Oficialmente chamado de “Para uma Igreja sinodal: Comunhão, Participação e Missão”, o processo foi lançado em Outubro passado pelo Papa Francisco no Vaticano.

Carmen Pena Garcia, professora de Direito Canónico da Pontifícia Universidade Comillas, em Madrid, disse que “todos os sínodos olham para a Igreja, mas os que existiram até agora olham para a Igreja na sua acção em relação a uma realidade concreta: a família, a juventude, a Amazónia”.

“Este sínodo, de certa forma, é um regresso à própria Igreja e ao entendimento da Igreja, querendo verdadeiramente implementar o Concílio Vaticano II”, disse, destacando que há continuidade e novidade no processo.

“A continuidade é o desenvolvimento e a recepção do Concílio Vaticano II. A novidade é que muita ênfase está a ser colocada na ideia do sujeito eclesial”.

Em todo este processo, que inclui consultas a nível paroquial, diocesano, nacional e continental, “a condição baptismal está no centro”, disse Pena.

“O baptismo é o que nos une e nos torna membros da Igreja, corresponsáveis ​​pela sua acção, sem afastar o facto de que existem diferentes carismas, diferentes ministérios e funções. A hierarquia tem o seu papel, que é capital, mas também é muito importante sublinhar que não diminui a corresponsabilidade de todos os baptizados”, disse.

Como canonista, afirmou que espera que todo o processo ajude a consciencializar os fiéis da sua responsabilidade e do seu papel dentro da Igreja quando se trata de ter uma participação activa. “E que os bispos permitam que assim seja!”.

Também quer ver a plenitude do Código de Direito Canónico ser aplicado, porque há muitos “canais de participação” que já são uma opção há mais de 40 anos, mas não são aplicados.

Desde que o Papa Francisco foi eleito em 2013, convocou duas assembleias “extraordinárias” de um sínodo de bispos, além daquelas que tradicionalmente são celebradas a cada três anos. Numa tentativa de reunir as vozes de toda a Igreja, não apenas as da hierarquia, para a sala sinodal, houve processos de consulta e reuniões pré-sinodais, mas desta vez o Papa quis ter certeza de que todos aqueles que querem participar poderiam ter as suas vozes ouvidas.

Antes de Outubro de 2023, espera-se que o gabinete do sínodo produza o que até agora foi chamado de “documento de trabalho”, uma directriz geral para as discussões do encontro de três semanas, embora fontes tenham dito ao Crux que entre as coisas discutidas na semana passada está uma mudança do nome para este documento. Desta vez, não será sobre o que Roma acha que deve ser discutido, mas um resumo do que as sete assembleias regionais acham que deve ser discutido.

O Irmão Marista espanhol Emir Turu, Secretário Geral da União dos Superiores Religiosos com sede em Roma e membro da Comissão de Espiritualidade do sínodo, disse que o facto de tal comissão existir é uma novidade por si só.

“Parece incrível que isto seja novo”, disse.

“Mas queremos dar outro tom ao discernimento que o processo sinodal deve inspirar: não é um debate intelectual sobre as posições já tomadas. Trata-se de entrarmos juntos num processo de discernimento espiritual. A intenção, acredito, é extraordinária. Acho que o tempo dirá se vamos conseguir”, concluiu.

Artigo de Inés San Martín, publicado no Crux a 5 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sínodo  •  Comunhão  •  Participação  •  Missão  •  Leigos  •  Papa Francisco  •  Igreja Sinodal
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui