Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com America | 16 Mai 2022
Sete dicas para um sacerdócio mais alegre
"A maior evangelização que podemos oferecer é uma Igreja alegre".
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Entre 2013 e 2019, na paróquia de St. Mary em Hudson, Ohio, sete homens foram ordenados ao sacerdócio, um em cada um dos sete anos consecutivos. Esta paróquia foi a minha primeira missão sacerdotal, por isso conheci cada um desses homens e vi como a sua formação na fé era um verdadeiro esforço comunitário.

Durante os meus anos na paróquia, de 2003 a 2007, trabalhei lado a lado com um ministro de jovens incrivelmente talentoso e fiel e a sua equipa altruísta, tive o apoio de um pastor maravilhoso e de mente aberta e experimentei o empenho orante e zeloso de toda uma paróquia para fazer jovens discípulos e ajudá-los a encontrar as suas missões no mundo.

O que eu acrescentei a essa mistura não foi perfeição sacerdotal, elegância litúrgica ou génio administrativo, mas a alegria de um pecador que o Senhor olhou. Nunca diria que sou a única razão pela qual esses sete homens são padres hoje – é claro que todos eles têm as suas próprias histórias e influências únicas – mas acho que ajudou que a minha própria vocação como padre me tivesse dado grande alegria. Assim, durante o meu tempo de vigário paroquial, pude dar um alegre testemunho do sacerdócio que era humano e, portanto, acessível e imitável. Também acho que a minha própria alegria ajudou os pais desses jovens a preocuparem-se menos com a possibilidade de os seus filhos se tornarem padres.

A alegria é um dom, e experimento-a com frequência. No entanto, admito prontamente que às vezes fico muito cansado, muito fraco, muito preguiçoso ou muito orgulhoso, e perco a minha alegria. No entanto, descobri que, se estiver activa e intencionalmente envolvido nas sete práticas que se seguem, sou mais capaz de sustentar essa alegria. Essas sete práticas não são exclusivas dos sacerdotes, mas escrevo sobre elas no contexto do sacerdócio porque é o que conheço nos últimos 19 anos. Adapte-os à sua própria vida como achar melhor, porque a maior evangelização que podemos oferecer é uma Igreja alegre.

 

Rezar. Na sua primeira Carta Apostólica, “A Alegria do Evangelho”, escreve o Papa Francisco, “Convido todo o cristão, em qualquer lugar e situação que se encontre, a renovar hoje mesmo o seu encontro pessoal com Jesus Cristo ou, pelo menos, a tomar a decisão de se deixar encontrar por Ele, de O procurar dia a dia sem cessar”. Este convite é tão básico e tão óbvio que pode ser facilmente ignorado ou esquecido, mesmo (e especialmente) pelos sacerdotes.

Pela nossa ordenação, os sacerdotes são configurados a Cristo de uma forma única e são chamados a liderar pela palavra e pelo exemplo, particularmente no cultivo de uma vida de oração.

Mas quando a vocação de alguém é ser um profissional de oração, pode ser tentador de vez em quando – na missa, ou ao rezar no Ofício, ou mesmo durante as devoções pessoais – ligar o piloto automático. Escrevo por experiência. As distracções abundam, e se eu não estiver atento para reconhecer essas distracções e intencionalmente rezar com elas ou através delas, esse encontro pessoal diário renovado com Jesus Cristo que é essencial para um sacerdócio alegre perde-se.

Rezar bem é um trabalho árduo e exige disciplina. Até mesmo dizer a Jesus: “Senhor, estou cansado” ou “Senhor, preciso de Ti” e depois ouvir a sua resposta exige tenacidade e humildade, cujos frutos são a alegria. Mas um padre que não leva a sério a oração, mesmo a mais simples, não pode esperar seriamente ser alegre.

 

Manter amizades fortes. Aristóteles escreve que todos querem amigos, que ninguém quer ficar sem amigos e está certo. Jesus Cristo, que é como nós em todas as coisas menos no pecado, tinha amigos. O Papa Francisco reivindicou o dia 29 de Julho como o Dia dos Santos Marta, Maria e Lázaro, celebrando três dos amigos mais próximos de Jesus. (Durante algum tempo, foi apenas o dia de Santa Marta.) Os Evangelhos dizem-nos que Jesus também era íntimo de Pedro, Tiago e João, para não mencionar a grande Maria Madalena.

Como Jesus, um sacerdote alegre terá boas amizades, tanto com irmãos sacerdotes como com leigos e leigas. Os padres precisam de amigos com quem possam partilhar as suas vidas, pessoas em quem possam confiar e que possam confiar neles. Tomás de Aquino observa que os amigos ajudam-nos a carregar os nossos fardos – partilham as nossas cruzes, como Simão de Cirene – e acha que a visão de um amigo nos lembra que somos amados. Quão verdadeiro. Os meus pais já faleceram e eu venho de uma família pequena. Posso dizer sem exagero que não conseguiria ser padre sem os meus amigos. Trazem-me muita alegria.

 

Abraçar a sua humanidade. Uma das mudanças mais drásticas na vida é passar de seminarista a padre. Mesmo com a melhor formação do seminário, é difícil preparar-se para aquele dia em que será visto como uma das pessoas mais misteriosas do mundo – a vestir roupas estranhas, a escolher não casar, a celebrar sacramentos, a pregar a companheiros pecadores e a ser convidado por pessoas para as partes mais importantes das suas vidas: casamentos, nascimentos, lutas com o pecado, sofrimentos, doenças e mortes. Algumas pessoas gostam de si porque é padre, e outras pessoas desprezam-no por causa disso, mas rara é a pessoa que não pensa nada sobre isto. É importante lembrar que antes de um homem ser padre, ele é um homem – ele é um ser humano.

Os sacerdotes mais alegres que conheço abraçam a sua humanidade; eles não fogem disso. Gostam de uma boa refeição, de uma boa bebida, de bons amigos, de boa música, de um bom romance, de uma boa arte, de uma boa caminhada. E riem muito. É verdade que o sacerdócio é um assunto sério, mas também é um assunto humano. Os padres mais alegres parecem ser os que falam com a mesma voz, quer estejam com o cabeção, no ginásio ou de férias. Não lideram com o seu ofício, mas com a sua humanidade e, por sua vez, levam os outros a considerar a alegria da Encarnação e a beleza e o mistério do sacerdócio.

 

Fazer amizade com pessoas que o deixam desconfortável. Jesus ama os pecadores. Como somos todos pecadores – reconhecemos isso no início de cada Missa – essa realidade deve consolar-nos. No entanto, com o tempo, torna-se fácil esquecer isto. Nós, sacerdotes e leigos, muitas vezes caímos na armadilha de nos cercarmos principalmente de pessoas que acreditam no que acreditamos e pensam o que pensamos. Essas pessoas fazem-nos sentir seguros e confortáveis.

Mas os Evangelhos testemunham que, embora Jesus tivesse um bom círculo de amigos em quem se confortava, também se consolava em estar com aqueles à margem da sociedade, incluindo pecadores e cobradores de impostos. Foi até eles porque os amava e sabia que os seus corações foram feitos para Ele. Ao amar o pecador, Jesus amaciou o coração do pecador para a conversão, que resulta em alegria. Sacerdotes alegres nunca esquecem que Jesus os amou primeiro como pecadores e continua a fazê-lo. Então fazem o mesmo para os outros.

 

Respeitar a dignidade de todas as pessoas (mesmo – especialmente – daquelas que o incomodam). Quando eu era seminarista, partilhei as mesmas graças do sacerdócio e da mesma diocese com o reitor do meu seminário. Mas as nossas visões do mundo e da igreja eram muito diferentes. Nem sempre gostei dele, mas amava-o. Quando ele morreu, tive a honra de concelebrar a sua missa fúnebre, e acredito que ele teria feito o mesmo por mim. Se o coração está cheio de ódio, não há espaço para a alegria. A maioria de nós tem pessoas nas nossas vidas que nos afectam. Isso é normal. Amar as pessoas de quem nem sempre gostamos é uma forma de lembrar que todos contam, todos importam — mesmo e especialmente aqueles que são difíceis de amar. A alegria de amar pessoas com quem nem sempre nos damos bem é real e contagiante.

 

Assumir riscos. Quando fui enviado para o doutoramento, imaginei que, ao regressar a Cleveland, iria ensinar no nosso pequeno seminário universitário pelos próximos 10 anos, pois esse era o plano original. Alguns meses antes da minha defesa de doutoramento, o meu novo bispo surpreendeu-me ao pedir-me para assumir um novo cargo como seu vigário para a evangelização. Eu disse sim, mas realmente não sabia ao que estava a dizer sim, pois ainda não havia uma descrição do trabalho. Ele disse-me para ser imaginativo e criativo e ajudá-lo a concentrar todos os esforços da nossa diocese na evangelização. Sem saber o que estava a fazer, tive grande conforto nas Estações da Cruz, especificamente no facto de Jesus ter caído três vezes no caminho do Calvário. Há muita pressão para que tudo seja perfeito no ministério, mas a Paixão de Jesus fazia parte do Seu ministério, e as suas três quedas são um lembrete de que cairemos também. Nem tudo que eu tento como padre vai funcionar, mesmo com o melhor planeamento. Mas o Senhor recompensa aqueles que se arriscam pelo seu reino. A recompensa é um coração alegre.

 

Deixar Jesus fazer a salvação. Talvez a maior ameaça à alegria de um padre seja a tentação de se ver como o Salvador. O padre deve consertar tudo, melhorar tudo, curar todas as feridas e curar todos os doentes, para não falar de equilibrar o orçamento, consertar o telhado e pregar boas homilias. Sacerdotes alegres tiram o seu dia de folga, tiram férias, fazem o seu retiro anual e reservam tempo para a leitura e exercício físico. Ao fazê-lo, modelam para o seu povo o lugar adequado para a oração e lazer na vida humana e lutam contra a tentação do vício no trabalho, que afecta muitos. Um sacerdote alegre lembra que Jesus é Senhor e Salvador.

 

Artigo do Pe. Damian J. Ference, publicado em America a 13 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sacerdócio  •  Alegria  •  Dicas  •  Ministério
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui