Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 16 Mai 2022
Quem virá depois de Francisco?
Embora o actual Papa ainda esteja a avançar com um itinerário ambicioso de liturgias, encontros e até viagens ao exterior, é sem dúvida a etapa final do seu pontificado.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

O Papa Francisco não diminuiu o ritmo, apesar de recentemente ter sido forçado a usar uma cadeira de rodas por causa de um problema num dos joelhos. E o Papa de 85 anos pode estar acima do peso e com menos mobilidade do que quando foi eleito bispo de Roma em Março de 2013, mas a sua mente parece ágil como sempre.

No entanto, a idade e as deficiências físicas estão a começar a cobrar o seu preço. No final de Outubro, superará Bento XVI como o Papa mais velho no cargo desde 1903, quando Leão XIII morreu quase cinco meses depois dos 93 anos.

Independentemente do quanto se estenda o pontificado de Francisco, o que é certo é que está no seu estágio final.

E isso significa que as pessoas estão a começar a falar sobre prováveis ​​candidatos para suceder ao primeiro Japa jesuíta e do Novo Mundo na história da Igreja.

Mas a situação é extremamente difícil de avaliar porque os cardeais que elegerão o sucessor (e que também são candidatos em potencial) não são tão conhecidos – nem mesmo entre si.

O grupo de homens que o Papa jesuíta colocou no Colégio dos Cardeais é extremamente diversificado.

A maioria não são nomes familiares e alguns deles são de áreas periféricas com pequenas populações católicas. Boa parte desses homens tem pouca experiência eclesial internacional.

 

O que os números nos dizem... e o que eles não dizem.

Actualmente, 117 cardeais com menos de 80 anos podem votar num conclave. (Isto não inclui Angelo Becciu, 73, a quem Francisco privou dos seus direitos de voto.) A 6 de Junho, o número de eleitores cai para 116.

Francisco deu o chapéu vermelho a 67 desses homens. Bento XVI escolheu 38 deles e João Paulo II os 12 restantes, incluindo aquele (Cardeal Norberto Rivera Carrera, do México) que passa a idade limite no próximo mês.

O facto de o actual Papa ter criado 58% daqueles que escolherão o seu sucessor é apenas relativamente importante, em parte devido ao facto de que esses cardeais não são fáceis de categorizar. E não há como dizer como é que votariam, se fossem subitamente trancados dentro da Capela Sistina.

Os 117 eleitores não realizaram uma única reunião como um grupo inteiro.

Francisco está no 10º ano do seu pontificado e realizou sete consistórios para introduzir novos membros no Colégio dos Cardeais. Mas, com excepção daquele primeiro consistório em Fevereiro de 2014, ele nunca reuniu todo o Colégio para uma reunião corporativa.

 

Os “aposentados” como influenciadores

É importante notar que também há 92 não-eleitores. Esses homens podem desempenhar um papel extremamente influente nos vários dias de reuniões que eles e os eleitores realizarão imediatamente antes do início do Conclave.

E aqui o número de cardeais não votantes criados por João Paulo (41) e Bento (26) ultrapassam os nomeados de Francisco (25) por quase três para um. E há algumas personalidades grandes e persuasivas nas suas fileiras.

Se todos os 209 membros do Colégio dos Cardeais – eleitores e não eleitores – comparecerem às sessões pré-Conclave, apenas 92 deles terão recebido o chapéu vermelho do Papa Francisco. Os outros 117 terão sido nomeados cardeais por João Paulo (53) e Bento (64). Como o Colégio não se reúne como um grupo inteiro desde 2014, também é difícil detectar uma dinâmica de grupo clara ou ethos que os une além da cor vermelha que todos usam.

Quando os eleitores forem finalmente chamados a cumprir o único dever que actualmente os distingue de todos os outros católicos baptizados, ou seja, escolher o próximo Bispo de Roma, que tipo de homem procurarão?

 

Os candidatos da “Agenda de Francisco”

Há um bom número de cardeais que apoiam entusiasticamente o ambicioso – e às vezes disruptivo – programa de reforma da Igreja que Francisco tem tentado implementar durante o seu pontificado.

O Papa argentino goza da lealdade inabalável de alguns dos principais homens de vermelho que abraçam de todo o coração o projecto para a Igreja missionária revitalizada que está mapeada na Evangelii gaudium, o seu documento mais importante.

E há pesos pesados no Colégio dos Cardeais que estão a conduzir a agenda que estabeleceu nas encíclicas Laudato si' e Fratelli tutti.

Mas será que algum desses homens pode reunir votos suficientes para ser eleito o próximo Pontífice Romano? Tudo se resume a saber se os eleitores querem seguir a “Agenda Francisco”.

A reforma em curso do Sínodo dos Bispos e a tentativa de fazer da “sinodalidade” uma parte constitutiva da vida eclesial e do governo em todos os níveis é central para isso.

E isto significa que o cardeal Mario Grech, o enérgico secretário geral do Sínodo, estaria entre os principais candidatos nesta categoria. Mas os seus 65 anos e a sua excelente saúde podem assustar aqueles que não querem voltar a um longo pontificado semelhante ao de João Paulo II.

Outros neste grupo que podem ter a hipótese de obter votos suficientes incluem o cardeal Matteo Zuppi, 66, de Bolonha. Novamente, um candidato jovem, mas com bons vínculos com a África (especialmente) e outros lugares onde a Comunidade de Sant' Egidio, com sede em Roma, na qual cresceu, é muito activa.

O cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado de 67 anos do Vaticano, foi mencionado ao longo do pontificado como alguém que poderia continuar o principal impulso das reformas de Francisco (especialmente uma abertura ao diálogo com o mundo) enquanto restaurava parte da disciplina institucional e a ordem que o actual Papa deixou de lado.

O Italiano do Norte é um diplomata papal de longa data e, embora tenha um jeito muito pastoral, nunca foi pároco de uma paróquia ou bispo diocesano.

Isso pode ser visto como um grande défice no seu conjunto de habilidades. Os outros chamados “bispos de Francisco” entre os cardeais provavelmente não são elegíveis por várias razões.

 

Os candidatos a “Mudar o Curso”

Se Francisco pode contar com vários apoiantes entusiasmados entre os cardeais, também deve enfrentar aqueles que estão extremamente preocupados com a direcção em que ele está a mover a Igreja.

Alguns vaiam-no abertamente, enquanto a maioria apenas aplaude educadamente ou fica em silêncio. Todos juntos, eles formam a multidão “Mudar o curso”.

Mais uma vez, a questão é quem é que entre eles se pode apresentar como suficientemente popular para ser eleito Papa.

Um dos homens deste grupo que tem uma hipótese razoável de obter votos é o Cardeal Peter Erdő de Esztergom-Budapeste. Aos 70 anos, que completará no próximo mês, o canonista húngaro tem a idade ideal. Embora seja pedante e doutrinariamente rígido, é meticulosamente organizado e bem relacionado. É um presidente de dois mandatos do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE) e é fluente na língua franca do Vaticano, italiano. Percepções de que está muito confortável com o governo nacionalista cleptocrata da Hungria provavelmente prejudicarão as suas hipóteses.

O Cardeal Malcom Ranjith do Sri Lanka, 74, é um “conservador” do tempo de Bento XVI que poderia ser apresentado por aqueles que querem mudar de rumo. Tem uma vasta experiência em todos os níveis da Igreja, tendo servido em dois cargos no Vaticano e num como Núncio Papal.

Parece ter diminuído o seu entusiasmo pela Missa em Latim Antigo e emergiu como um dos críticos mais francos da Igreja contra a perseguição religiosa (contra os cristãos, é claro).

A multidão “Mudar o curso” inclui pessoas como os cardeais Raymond Burke e Gerhard Müller, que, por várias razões, não são passíveis de virem a ser Papas.

Fica-se tentado a colocar o cardeal Robert Sarah entre eles. Isto seria um erro. O guineense, que completa 77 anos no mês que vem, é admirado por muitos dos seus companheiros cardeais – especialmente os seus companheiros africanos – pela sua atitude gentil e percebida santidade.

Aqueles que acreditam que alguém tão conservador nunca poderia ser eleito precisam apenas de se lembrar do Conclave de 2005.

 

Candidatos de compromisso

É muito provável que o sucessor do Papa Francisco seja o resultado de um compromisso. Isso não significa necessariamente que será um candidato moderado ou intermédio. Significa apenas que pode obter votos suficientes de várias facções dentro do Colégio eleitoral.

O cardeal Marc Ouellet, o franco-canadiano que liderou a Congregação dos Bispos nos últimos 12 anos, é alguém que o grupo de “Mudar o Curso” se sentiria confortável como o seu candidato de compromisso.

Discípulo de Bento XVI-Joseph Ratzinger, virou sem esforço para parecer apoiar Francisco. Mas as suas intuições teológicas e pastorais clássicas não mudaram.

Ouellet é outro candidato papal com aniversário em Junho. O próximo será o seu 77º, uma boa idade para um Papa de transição.

Os cardeais Peter Turkson e Charles Bo também devem receber alguns olhares.

Turkson, 73, obteve uma experiência valiosa e algumas cicatrizes de batalha por servir como líder de grandes departamentos nos dois últimos pontificados.

O estudioso das escrituras do Gana e ex-bispo diocesano é um forte defensor da doutrina social católica, ao mesmo tempo que oferece algumas visões bastante tradicionais sobre ética sexual. O seu apelo pode consistir em não ser um bispo estereotipado de Francisco ou um bispo de Bento.

Bo, que também tem 73 anos, é arcebispo de Yangon (Myanmar) desde 2003. Também tem sido uma das vozes mais fortes e credíveis da Igreja Católica na denúncia da discriminação religiosa, perseguição e injustiça em geral.

O Cardeal Bo é membro dos Salesianos de D. Bosco. Mas nunca estudou em Itália, como é comum para a maioria dos homens que pertencem a essa ordem religiosa.

Diz-se muitas vezes que o cardeal Luis Tagle, ex-arcebispo de Manila que dirige a Propaganda Fide, é o principal candidato asiático ao Papado. É possível que o filipino de 65 anos tenha algum apoio, mas a coragem pastoral de Bo certamente receberá muita atenção.

 

Um candidato adormecido?

Claro, há sempre a possibilidade de um candidato adormecido ou uma surpresa entre este grupo actual de cardeais-eleitores.

Costuma supor-se que o bispo de Roma deve ser de rito latino (Igreja ocidental). Mas há cardeais das Igrejas Orientais e não há regra ou cânone que os proíba de serem eleitos.

O cardeal Louis Sako, o patriarca caldeu de Bagdá, talvez seja a figura mais convincente desse grupo. Bispo no seu Iraque natal, devastado pela guerra, desde 2002, completará 74 anos em Julho.

Isto não acontece há quase 650 anos, mas não há nada que impeça os cardeais de escolher alguém de fora das suas fileiras. Não apostem nisso, mas seria bom ampliar um pouco a rede para encontrar o melhor candidato possível.

Da forma como as coisas estão, os cardeais são os que decidem quem tem as coisas certas para sentar na Cátedra de Pedro. Cada vez que um Pontífice Romano cria novos cardeais, também está a nomear os candidatos para serem os seus sucessores.

Espera-se que o Papa Francisco realize o seu próximo consistório em Novembro, embora alguns queiram que o faça muito mais cedo para completar o Colégio com o seu número agora convencional de 120 eleitores, ou até mesmo ir além desse número.

Como gostam de dizer em Roma, talvez o próximo Papa ainda não seja cardeal.

Artigo de Robert Mickens, publicado no La Croix International a 13 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Papa Francisco  •  Papa  •  Conclave  •  Cardeais  •  Santa Sé  •  Bispo de Roma  •  Eleição
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui