Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Vida Nueva Digital | 23 Mai 2022
Bispo de Kharkov denuncia ataques russos às Igrejas: “Já nada é sagrado”
Catedral da diocese só pode ser usada como armazém depois de um bombardeamento.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

A invasão da Ucrânia por Putin já vai em três meses. Três meses de incerteza, medo, morte, fome, destruição, “choque e dor”.

Os templos de Kharkov foram destruídos por mísseis russos. O mesmo não acontece com a Igreja, entendida como um povo, que mantém o seu ânimo e a sua fé elevados no meio de bombas, estilhaços e balas. Assim observa Pavlo Honcharuk, o bispo católico latino de Kharkov.

Numa conversa com a Ajuda à Igreja que Sofre, o prelado, que está nas ruas desde o primeiro dia, lamentou que “já nada é sagrado” para as tropas russas.

“A nossa catedral está danificada – todas as janelas foram partidas devido à pressão durante um ataque aéreo. Agora, usamo-la como depósito de suprimentos humanitários. Rezamos numa pequena capela. Mas ainda podemos enterrar todos os mortos, graças a Deus”.

O prelado lamentou que “as igrejas não sejam um refúgio seguro durante os ataques aéreos, a menos que tenham uma cave segura, porque os edifícios religiosos não são mais respeitados do que outros alvos civis”.

“Já nada é sagrado”, conclui.

 

Ajuda humanitária aos bunkers

O bispo, que está à frente da diocese de Kharkov-Zaporijia há dois anos, esforça-se para ajudar os vizinhos.

“Além da oração e da missa diária, na maioria dos dias tentamos chegar às pessoas nos bunkers com ajuda humanitária. Transportamos veículos, conduzimos pela cidade aparentemente deserta e conversamos com as pessoas, confortamo-las”, diz.

Em dias que são como uma maratona, realiza “um trabalho incrivelmente exaustivo, fisicamente e ainda mais mentalmente devido ao stress permanente”.

“Vemos pessoas, idosos, inválidos, escondidos em caves”.

O bispo vê diariamente situações horríveis, algumas das quais ficarão para sempre com ele. “Lembro-me de uma menina de cerca de cinco anos de pé, petrificada, diante do cadáver de um ente querido na rua, incapaz de se mexer. O sentimento de terror, medo e completo desamparo paira sobre todos”, explica.

 

Armados com a Palavra de Deus e a oração

As situações também são dramáticas para as famílias. Enquanto as crianças mais novas e as mães são levadas para um local seguro, os pais e filhos mais velhos são deixados para trás para defenderem as suas casas e o seu país.

Apesar dos bombardeamentos, D. Pavlo não pensou em sair.

“Enquanto houver crentes na cidade, estarei com eles. Deus e a minha fé dar-me-ão forças para isso. Nós – os padres – não estamos armados. Somos pessoas da igreja. As nossas armas são a Palavra de Deus e a oração”, conclui.

Artigo de Israel Duro, publicado em vida Nueva Digital a 20 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Guerra  •  Paz  •  Ucrânia  •  Rússia  •  Fundação AIS  •  Ajuda humanitária  •  Bunkers  •  Oração  •  D. Pavlo Honcharuk
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui