Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 23 Mai 2022
Mulheres religiosas intensificam a sua luta contra o tráfico humano
A rede Talitha Kum, que inclui irmãs católicas de 800 congregações, reúne-se em Roma para enfrentar o flagelo do tráfico agora agravado pela Covid e pela guerra na Ucrânia.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

A irmã Maryknoll Abby Avelino nunca esquecerá o dia em 2017 quando 15 mulheres da sua terra natal, Filipinas, chegaram a Tóquio, onde ministra há anos. Todas tinham entre 25 e 30 anos.

“Conheci-as aos poucos, porque elas vinham à missa. E foi assim que as conheci", lembra a religiosa católica de 56 anos.

“Todas elas tinham pago imenso dinheiro, mas quando chegaram a Tóquio, descobriram que não seriam estudantes, mas seriam forçadas a trabalhar em restaurantes sem serem pagas”, conta a irmã Abby.

“Demoramos dois anos, mas as irmãs e eu conseguimos ajudá-las a recuperar o dinheiro. Algumas voltaram para as Filipinas, outras ficaram no Japão”, observa.

A irmã Abby conhece dezenas de outras viagens como estas.

Desde 2016 que faz parte da “Talitha Kum”, uma rede global de milhares de religiosas católicas de mais de 800 congregações que combatem o tráfico de pessoas.

As líderes do grupo, cujo nome hebraico significa “Levanta-te!”, reuniram-se em Roma na semana passada.

A Irmã Abby é a coordenadora da Talitha Kum para a Ásia.

 

“Um aumento drástico do tráfico”

“Por definição, as freiras estão muito envolvidas com mulheres e crianças, que são a população mais vulnerável hoje e, portanto, potencialmente vítimas de tráfico”, explica a Irmã Comboni Gabriella Bottani.

A italiana de 57 anos é a coordenadora internacional da Talitha Kum, que foi lançada por superioras de congregações de todo o mundo após uma assembleia geral da poderosa União Internacional de Mulheres Superioras Gerais (UISG) em 2001.

A rede foi finalmente criada em 2009.

Hoje, há múltiplas facetas do tráfico de pessoas contra as quais as irmãs estão a lutar, desde a prostituição e trabalho não declarado até casamentos forçados e escravidão.

“Há um aumento drástico do tráfico”, diz a Irmã Gabriella.

“Deslocamentos internos e ondas de refugiados ligados aos vários conflitos em curso só aceleram esse fenómeno”, sublinha.

Diante disto, a ajuda oferecida varia de acordo com a situação e o país: assistência jurídica, acolhimento, saúde, educação...

A Irmã Maria Luisa Puglisi, membro das Adoradoras do Santíssimo Sacramento, é a coordenadora europeia da rede.

Até recentemente, vivia numa comunidade em Espanha onde mulheres vítimas eram acolhidas. Entre elas estavam mulheres sul-americanas que vieram para a Europa para fugir dos cartéis de drogas, mas caíram numa rede de prostituição. Havia também mulheres marroquinas muito jovens que deixaram o seu país para encontrar a liberdade do outro lado do Mar Mediterrâneo.

A Irmã Colleen Jackson, de 70 anos, membro das Irmãs da Caridade da Austrália, é a coordenadora de Talitha Kum para a Oceania.

Ela relata a dramática situação dos migrantes explorados ou trabalhadores forçados naquela parte do mundo, como os 22 homens que chegaram à Austrália vindos das ilhas vizinhas de Vanuatu, mas que nunca foram pagos pelo seu empregador.

“Eventualmente conseguimos justiça através dos tribunais, mas levou-nos mais de cinco anos”, diz.

 

“A pandemia acelerou o tráfico”

A Irmã Colleen, ex-psicoterapeuta, coordena o trabalho de 150 voluntárias nos seis gabinetes de combate ao tráfico na Austrália. A maioria dessas voluntárias também são religiosas.

Ao todo, a rede estima que terá ajudado 18.000 pessoas na região até 2021. E esse número está a crescer.

“É óbvio que a pandemia acelerou o tráfico e tornou várias pessoas muito mais vulneráveis”, diz a Irmã Colleen.

Enquanto isso, no Japão, no ano passado, a Irmã Abby estabeleceu “jovens embaixadoras” para a luta contra o tráfico.

É uma forma de colocar a geração mais jovem no trabalho da Talitha Kum, que em breve estará a expandir os seus esforços também na América Latina.

Artigo de Loup Besmond de Senneville, publicado no La Croix a 23 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Talitha Kum  •  Tráfico  •  Exploração  •  Roma  •  Vaticano  •  Religiosas
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui