Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 23 Mai 2022
Sobreviventes e defensores pressionam bispos italianos para uma investigação nacional de abusos
Os quase 50 signatários da carta pediram aos bispos que obtenham “verdade e justiça para as vítimas de abusos.”
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Paul Haring/CNS

Um conjunto de sobreviventes de abuso e grupos de defesa publicaram uma carta aberta aos bispos italianos, que estão a reunir-se para elegerem novas lideranças, pedindo a adopção de várias medidas destinadas a reconhecer e prevenir o problema.

“Os abusos cometidos dentro da Igreja afectam as pessoas nos seus corpos, nas suas vidas, nas suas consciências: são violações dos direitos humanos. Se a Igreja não respeita os direitos humanos, não pode pregar o Evangelho”, diz a carta.

“A obediência ao Evangelho pode levar-nos à «desobediência» sempre que, em nome da «prudência», corremos o risco de nos tornarmos cúmplices de crimes”, pode ler-se.

Os quase 50 signatários da carta pediram aos bispos que obtenham “verdade e justiça para as vítimas de abusos – menores, adultos, pessoas vulneráveis, religiosos – perpetrados por pessoas de várias capacidades envolvidas na Igreja, bem como medidas preventivas para que a Igreja recupere a credibilidade e autoridade”.

Cerca de 20 organizações católicas diferentes estão representadas na carta, que também foi assinada por pessoas de várias profissões, incluindo ex-membros de movimentos católicos como os Focolares e a prelatura do Opus Dei.

A carta faz parte de uma iniciativa mais ampla intitulada “#ItalyChurchToo”, que é amplamente liderada por Francesco Zanardi, um sobrevivente de abuso e fundador da organização Rete L'Abuso (Rede de Abuso) que investiga casos de abuso clerical.

Também foi assinado por vários outros grupos católicos na Itália que, no passado, criticaram a incapacidade da Igreja local em lidar com a crise dos abusos sexuais clericais e que há meses se juntam a Zanardi para pedir um inquérito nacional independente semelhante ao que está a ser realizado noutras nações europeias.

Em 2018, um estudo alemão descobriu que 1.670 padres abusaram de cerca de 3.677 menores de 1946 a 2014. Uma investigação em França divulgada no ano passado e que abrangia sete décadas descobriu que mais de 200 mil crianças foram abusadas em instituições católicas.

Os próprios bispos italianos discutiram a possibilidade de um inquérito nacional semelhante ao realizado na Alemanha e em França, mas a decisão sobre a realização e a metodologia do inquérito, caso aconteça, foi adiada para depois da eleição da nova liderança da Conferência Episcopal esta semana.

O cardeal italiano Gualtiero Bassetti é o presidente cessante da Conferência Episcopal Italiana (CEI), e o seu substituto será eleito durante a assembleia plenária da primavera de 23 a 27 de Maio.

Bassetti, cuja nomeação à frente dos bispos italianos terminará assim que o seu sucessor for nomeado, no passado insistiu na necessidade de uma investigação “qualitativa” em vez de quantitativa, e disse que a conferência como um todo, que está actualmente dividida sobre o assunto, deve concordar com isso.

A actual proposta que está a ser discutida pela CEI basear-se-ia em dados de um novo programa para ouvir as vítimas a nível diocesano. É dirigido pela CEI e superiores religiosos.

Na sua carta – endereçada a Bassetti e a todos os membros da CEI, bem como aos líderes de vários departamentos proeminentes do Vaticano, e que foi publicada para coincidir com o início da assembleia plenária da CEI – o grupo #ItalyChurchToo pediu “a plena cooperação do Igreja italiana numa investigação independente… que lance luz sobre os abusos cometidos pelo clero na Itália”.

O inquérito, segundo eles, deve incluir uma variedade de profissionais competentes e deve usar “métodos qualitativos, quantitativos e documentais ao mesmo tempo”.

Nesse espírito, rejeitaram quaisquer propostas de trabalho que sejam realizados com as ferramentas e recursos da própria Igreja, que, segundo eles, “não teriam as características necessárias de terceiros e seriam não críveis, deficientes e, em última análise, inúteis, se não mesmo prejudiciais.”

Os signatários também pediram a abertura de arquivos em dioceses, conventos, mosteiros, paróquias, centros pastorais e várias outras instituições educacionais e escolares, e pediram que as instituições católicas colaborem de maneira “efectiva” com o Estado italiano na acusação de agressores.

“Não estamos dispostos a acolher sinergias com instituições estatais que não contemplem uma investigação séria do passado, envolvimento directo das vítimas e reparação proporcional ao dano causado”, escreveram, sublinhando a necessidade de assumir a responsabilidade pessoal pelos abusos, bem como quaisquer “omissões” ou encobrimentos ao longo do caminho.

Essas e outras falhas, disseram, devem ser reconhecidas e divulgadas “para fins de responsabilização adequada pelas consequências das suas acções, às quais todos somos chamados”.

Também foi solicitada a ampliação de centros de escuta objectivos e acolhedores com profissionais competentes nas dioceses de todo o país, “para tornar a recolha de histórias e testemunhos menos onerosa psicologicamente, mais fácil e mais rigorosa”.

Foi solicitado que as vítimas e as suas famílias sejam tratadas com acolhimento quando optarem por se apresentar, e que os sobreviventes recebam uma compensação financeira adequada pelos abusos sofridos.

Também pediram a “aplicação estrita” de normas recentes estabelecidas pelo Papa Francisco para reprimir os abusos, incluindo sua legislação de 2019 Vox Estis Lux Mundi, que, entre outras coisas, exige a denúncia obrigatória de todas as alegações de abuso.

Outro pedido foi que a prescrição para casos de abuso seja eliminada, “como já está a acontecer noutros países”, e os signatários observaram ainda que esforços eficazes de prevenção exigem uma acção ampla, incluindo “formação para o ministério ordenado, educação psicoafectiva dos seminaristas e candidatos à vida religiosa, e repensar a dinâmica da pastoral”.

Diante disso, pediram que o certificado anti-pedofilia obrigatório previsto para a Convenção de Lanzarote – a Convenção do Conselho da Europa sobre a Protecção de Crianças Contra Exploração Sexual e Abuso Sexual – seja estendido a membros do clero e voluntários que trabalham em ambientes eclesiásticos.

Fazer isso, afirmaram, ajudaria a “restaurar maior transparência às instituições eclesiásticas”.

Os signatários encerraram a carta dizendo que os seus pedidos se destinam a “combinar o trabalho da Igreja italiana com o de outras conferências episcopais e dioceses individuais, e eliminar quaisquer dúvidas sobre a reticência que o episcopado italiano possa ter em relação ao surgimento da verdadeira extensão do fenómeno na Itália”.

“Como cidadãos, vítimas de abuso, baptizados e baptizadas, mães, pais, educadores, profissionais, precisamos de ver a Igreja italiana orientada de forma compacta para uma operação sem sombras e sem descontos”, escreveram.

Artigo de  Elise Ann Allen, publicado no Crux a 23 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui