Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Vida Nueva Digital | 24 Mai 2022
O efeito Ucrânia: já existem mais de cem milhões de refugiados no mundo
ACNUR alerta que pela primeira vez este número é ultrapassado e alerta que a ajuda humanitária “é apenas um paliativo”.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) denunciou que a invasão da Ucrânia ultrapassou um triste recorde. Pela primeira vez, o número de pessoas forçadas a deixar as suas casas ultrapassa cem milhões em todo o mundo.

“O número de pessoas que foram forçadas a fugir de conflitos, violência, violações de direitos humanos e perseguição ultrapassou a impressionante marca de 100 milhões pela primeira vez, como resultado da guerra na Ucrânia e outros conflitos mortais, declarou o ACNUR em comunicado.

“O número de 100 milhões é surpreendente, alarmante e preocupante. É um número que nunca deveria ter sido alcançado”, disse o alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi.

A situação já era “dramática” no final do ano passado, quando esta organização alertou que os refugiados já eram 90 milhões, devido a novas ondas de violência ou conflitos prolongados em países como a Etiópia, Burkina Faso, Birmânia, Nigéria, Afeganistão e a República Democrática do Congo.

A Europa não via um fluxo tão intenso de refugiados desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Quase 6,5 milhões de ucranianos deixaram o país, a maioria mulheres e crianças, enquanto homens em idade de combater precisam de ficar para trás.

E a ONU estima que pode haver 8,3 milhões até ao final do ano. Na própria Ucrânia, estima-se que existam 8 milhões de pessoas deslocadas internamente.

 

Paz e estabilidade, única resposta

Para dar uma ideia da magnitude dos números, Grandi destacou que “esses 100 milhões de pessoas representam mais de 1% da população mundial. Apenas 13 países no mundo têm uma população maior que esse número”.

O líder do ACNUR insistiu que “a ajuda humanitária é apenas um paliativo, não um remédio”. “Para reverter a tendência, as únicas respostas são paz e estabilidade, para que pessoas inocentes não sejam forçadas a escolher entre o perigo imediato do conflito e a difícil fuga e exílio”, disse.

Artigo de Vida Nueva Digital, publicado a 23 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Refugiados  •  Migrantes  •  Ucrânia  •  Guerra  •  Conflito  •  Paz  •  Ajuda Humanitária  •  ACNUR  •  ONU
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui