Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 26 Mai 2022
Católicos alemães esperançosos, mas também incertos sobre as perspectivas de mudança
Cerca de 30.000 pessoas devem participar no Katholikentag anual, um festival de fé de quatro dias que começou na quarta-feira em Stuttgart.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © MARIJAN MURAT/DPA/MAXPPP

Os católicos na Alemanha estão actualmente reunidos em Stuttgart para o 102º Katholikentag, um festival de fé que acontece a cada dois anos organizado pelo Comité Central dos Católicos Alemães (ZdK), a principal organização leiga do país.

O presidente alemão Frank-Walter Steinmeier abriu cerimoniosamente a celebração de quatro dias dos “Dias Católicos” na noite de quarta-feira na capital Baden-Württemberg.

Após o cancelamento da edição de 2020 por causa da pandemia, cerca de 30.000 pessoas devem participar em debates, workshops, espectáculos e cultos a partir de agora até Domingo.

 

“A pandemia magoou-nos muito”

“Estou muito feliz por ver as pessoas em carne e osso novamente, mesmo que provavelmente haja menos pessoas do que no passado”, disse Wolfgang Klose, um dos quatro vice-presidentes do ZdK.

“A pandemia magoou-nos muito”, admitiu.

Winfried Kretchmann, ministro-presidente de Baden-Württemberg e católico praticante, também lembrou ao ZdK durante a sua plenária (realizada terça e quarta-feira) que a Igreja institucional está a passar por uma “séria crise”.

A crise que a Igreja enfrenta, além da guerra na Ucrânia e da pandemia de coronavírus, é um dos temas centrais do Katholikentag deste ano, como foi durante as reuniões do ZdK no início desta semana.

Os 230 membros do comité expressaram uma mistura de frustração e esperança de mudança.

 

“Encontrar consenso”

O Caminho Sinodal, iniciado em 2020 na Alemanha na tentativa de reformar a Igreja Católica, está na boca do mundo.

“Quando foi lançado, eu não estava muito optimista”, disse Lukas Greubel, da Federação da Juventude Católica de Würzburg.

“Agora, vejo um desejo real de encontrar consenso em questões muito sensíveis. Nem todas as propostas serão implementadas, mas a emergência de uma cultura de diálogo entre leigos e bispos é o grande sucesso deste caminho sinodal”, disse.

Ursula Becker é igualmente realista. Membro da Comunidade de Vida Cristã (CLC) em Aachen, participa na jornada sinodal e no fórum sobre o estilo de vida dos sacerdotes.

“Nenhuma das nossas propostas para suspender a obrigação do celibato dos padres será aprovada pelo Papa. Sabemos disso e cria muita frustração, mas ainda temos que fazer a nossa voz ser ouvida como Igreja Católica na Alemanha”, explicou.

 

“Estrada acidentada”

Dentro do ZdK, que se descreve como “a face democrática da Igreja” na Alemanha, as pessoas continuam cientes da “relutância interna e externa” em torno dessa “estrada pedregosa”.

Mais de 70 bispos e cardeais dos Estados Unidos, Polónia e Escandinávia assinaram uma carta aberta em Abril expressando a sua “preocupação” de que o Caminho Sinodal possa levar a um possível cisma dentro da Igreja.

“Não, não queremos separar-nos do resto da Igreja Católica”, disse Claudia Nothelle, uma das vice-presidentes do ZdK.

“O Papa Francisco está a incentivar o fortalecimento das Igrejas locais. Com o Caminho Sinodal, estamos a abordar questões que não poderemos reformar sozinhos, como o acesso ao sacerdócio para as mulheres, mas não nos sentimos sozinhos”, disse ela.

“Outros países lançaram processos sinodais, como a Austrália, Irlanda e Itália. A esperança de mudança continua forte”, está convencida.

“Um dos maiores temas de frustração e dor continua a ser a gestão do abuso sexual doze anos após as primeiras revelações”, disse a irmã beneditina Philippa Rath da Abadia de St. Hildegard em Hesse.

“Muitos bispos não estão a fazer nada para ajudar as vítimas”, reclamou.

 

Criar um quadro legislativo para lidar com os abusos

“Já não é suficiente apresentar novos relatórios de especialistas sobre a situação nas dioceses todos os anos”, acrescentou Wolfgang Klose, outro vice-presidente do ZdK.

“Alguns bispos são muito corajosos, mas não todos, e as vítimas são tratadas de forma diferente de acordo com a diocese. Isso já não é aceitável. Os bispos precisam de ajuda externa”, insistiu.

No último dia da assembleia plenária, os membros do ZdK pediram ajuda a Kerstin Claus, a nova comissária do governo encarregada de questões de abuso sexual.

Eles instaram Claus, que estava presente na reunião, a pressionar para a criação de uma estrutura legislativa para exigir que as instituições religiosas tratem as vítimas da mesma maneira.

Claus disse que está “a trabalhar activamente” nesse pedido.

 

Artigo de Delphine Nerbollier, publicado no La Croix International a 26 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui