Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 26 Mai 2022
Cozinhar e jardinar – acolher refugiados traumatizados da Ucrânia no coração de uma família
Que coragem foi necessária para essas pessoas deixarem a Ucrânia… e que desespero.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS photo/Jorge Silva, Reuters

Estávamos numa reunião da aldeia. Todos ali haviam convidado refugiados ucranianos para as suas casas. Metade de nós ainda estava à espera que os convidados chegassem, o resto já estava embrenhado e a ideia era que devíamos partilhar as nossas experiências.

Uma mulher contou-nos que tinha um menino de nove anos hospedado, que nunca falava e recusava-se a sair do lado da mãe por momento que fosse.

Outra disse que a jovem na sua casa não conseguia dormir completamente, por ansiedade. Ouvimos falar de outra que disse que estava terrivelmente, inconsolavelmente solitária: “Porque estou aqui? Perdi tudo – a minha família, a minha casa, os meus amigos, o meu trabalho, o meu país…”.

Que coragem foi necessária para estas pessoas partirem, pensei, e que desespero. A nossa Olena finalmente recebeu o visto para o seu filho e espera chegar dentro de uma semana ou mais, embora ainda tenha que chegar à Polónia e encontrar um avião: ela nunca voou antes.

No entanto, embora muito gentil, ela parece encorajadoramente engenhosa.

No outro dia, eu estava numa videochamada com ela e – virtualmente, claro – levei-a para a rua e mostrei-lhe as bandeiras e cartazes azuis e amarelos, dando as boas-vindas aos refugiados. Silenciosamente, chorou. Um pouco mais tarde, escreveu que pedia “desculpa pelas lágrimas… Eu vejo tanto apoio, as bandeiras ucranianas estão por toda parte! É tão quente e tão doloroso ao mesmo tempo…”. Mas, agora, ela escreve, com determinação: “Está tudo pronto. Estamos ansiosos para te ver!”.

E nós também estamos ansiosos por esse encontro. Esta noite, porém, tornamo-nos realmente conscientes da variedade de problemas que todos podemos enfrentar nos próximos meses, e ouvimos como algumas pessoas estavam a lidar com eles. A vegetariana que dividia a cozinha com uma família de sérios comedores de carne aprendera a sair do caminho e a deixá-los cozinhar; o rapazinho calado, ainda agarrado à mãe com força, começou a brincar com o jogo de blocos de madeira Jenga, o que é perfeitamente possível sem usar palavras. Perguntei à simpática pessoa cujo hóspede não conseguia dormir como é que ela tentara ajudar, e ela devolveu-me um sorriso levemente pesaroso: “Vinho tinto, principalmente. E às vezes gin.”

Mas o refugiado que estava passando por uma crise existencial tão real precisava de um tratamento mais subtil. Uma excelente mulher – originalmente ucraniana, mas residente britânica de longa data – que estava sentada em silêncio e a ouvir, deu-nos alguns bons conselhos.

Todos, disse ela, sentirão a dor e a culpa da separação e a dor do exílio – alguns mais do que outros. Dêem-lhes tempo para se estabelecerem; ajudem-nos a sentirem-se aquecidos e seguros; escutem-nos. E então, gradualmente, sugeriu coisas que eles gostariam de fazer. Em geral, ela disse encorajadoramente, eles são óptimos cozinheiros e adoram jardinagem.

A nossa filha tem um filho de quatro anos, chamado Joey. Uma jovem enfermeira ucraniana chegou para ficar com eles e ela tem uma filha da idade do Joey. No minuto em que as crianças se conheceram, foi amor à primeira vista e, em pouco tempo, a mãe estava a fazer borscht para toda a família. Os dois pequenos, tagarelando alegremente e agora inseparáveis, nada sabem da guerra e dos horrores que a acompanham. Eles gostam realmente da companhia um do outro. Talvez essa seja a melhor maneira de fazer isto, afinal.

Testemunho de Sue Gaisford, publicado no The Tablet a 19 de Maio de 2022.

 

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Ucrânia  •  Guerra  •  Paz  •  Refugiados  •  Acolhimento  •  Jardinagem  •  Culinária
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui