Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 30 Mai 2022
Emoções e a nossa relação com Deus
Abade beneditino fala sobre como todos nós gerimos essa interacção delicada de maneira diferente.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

As emoções podem influenciar profundamente a maneira como as pessoas se relacionam com Deus. Mas também podem dominá-las, ardendo no coração como um incêndio florestal apenas para deixá-las a sentir o vazio mais tarde.

Como podemos encontrar a nossa orientação espiritual em tudo o que nos afecta?

É uma questão com que o abade beneditino Luc Cornuau lutou grande parte da sua vida.

Ele foi o pai espiritual de um dos mosteiros mais importantes da França nos últimos 20 anos. É a Abadia de La-Pierre-qui-Vire, localizada na Floresta Morvan, na Borgonha.

O abade Luc conversou com Florence Chatel, do La Croix, sobre como as emoções são geridas na vida da comunidade, tanto de forma pessoal, quanto colectiva.

 

Na vida monástica, qual é a sua relação com as emoções?

Mais do que emoções, somos sensíveis à questão dos pensamentos na tradição dos Padres do Deserto. Evagrius Ponticus lista oito pensamentos sobre gula, luxúria, raiva, tristeza, ganância, vanglória, orgulho e, finalmente, acedia (desânimo). Esse problema dos pensamentos sobrepõe-se parcialmente ao das emoções, e a maneira de lidar com eles é única. Se quero ajudar os meus irmãos, devo estar atento ao que se passa dentro de mim. Toda a emoção tem um lado positivo e um lado negativo. Por exemplo, a tristeza é positiva quando se torna compaixão pelas vítimas da pedocriminalidade na Igreja. Por outro lado, a tristeza negativa é uma forma de autopiedade. Eu experimentei o luto de um irmão de sangue, mais novo que eu, que cometeu suicídio. Para mim, uma maneira de superar a tristeza era chorar. Outra forma de transformar a tristeza em movimento de vida segundo o Espírito Santo é conversar com alguém sobre isso, confiar a Deus. A oração coloca as coisas no lugar certo. Percebo isso quando o medo do futuro se apodera de mim devido ao declínio das vocações. Esse medo indica-me que há uma realidade a ser levada em consideração. Mas se crescer a ponto de me fazer perder o sono, é perigoso.

 

Autoridade e raiva às vezes podem colidir. Como lida com esta emoção?

A raiva espontânea não é minha praia. Mas, como abade, sinto que há uma boa ira. Quando atitudes ou palavras de irmãos incomodam ou ferem os outros, há uma forma de justiça a ser exercida. Devo então ousar falar levantando a voz e, se continuar, falando um pouco mais alto. Empreender esse processo exige esforço da minha parte. Exteriormente, estou com raiva, mas dois minutos depois, acabou. Tenho um sentimento de realização. Por outro lado, a raiva má expressa-se em mim como aborrecimento, impaciência. Está ligada à minha incapacidade de aceitar fraquezas. Tenho que ter cuidado com isso, tenho que estar de guarda e tenho que ouvir o meu corpo, a minha barriga, quando ela se eleva, para não dizer coisas das quais vou me arrepender depois.

 

Na comunidade, uma certa contenção é necessária. O que faz quando um evento origina uma emoção forte?

A vida monástica contribui naturalmente para um distanciamento das nossas emoções. No geral, há uma atmosfera de silêncio na casa. Não se pode falar nos corredores, na Igreja, no refeitório... Mas se não existissem oportunidades para falar neste ambiente, as emoções corriam o risco de explodir. No ano passado, a partida de um irmão afectou-nos como comunidade. Ao mesmo tempo, reagimos de diversas formas: algumas no registoo da tristeza, do desânimo; outros no da raiva, do medo pelo futuro. Para nos ajudar a passar por isso, fizemos três reuniões comunitárias durante as quais nos ouvimos uns aos outros. Estas permitiram-nos destacar o que não correu bem, questionar isto ou aquilo, o abade em particular... No final, vários irmãos disseram-me como tinha sido benéfico proceder desta forma para não ficarem em estado de ruminação. Mesmo que eu entenda que essa partida continue a ser difícil para alguns, nós partilhamo-la. Outros lugares para conversar são os pequenos grupos comunitários, uma vez por semana. Quando, entre irmãos, partilhamos uma alegria, constrói-se a comunhão entre nós.

Entrevista de Florence Chatel, publicada no La Croix International a 28 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui