Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 30 Mai 2022
Sobre o tiroteio no Texas, Academia do Vaticano para a Vida diz que leis justas “protegem todos os cidadãos”
Fabrizio Mastrofini, porta-voz da Pontifícia Academia para a Vida, referindo-se ao trágico assassínio de pelo menos 19 crianças e dois adultos durante o tumulto, disse ao Crux que “é necessária uma sociedade mais humana”.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Dario Lopez-Mills/AP

Com o debate sobre o controlo de armas nos Estados Unidos a ressurgir novamente após o tiroteio mortal numa escola primária em Uvalde, Texas, na semana passada, o principal órgão do Vaticano sobre questões da vida chegou-se à frente, dizendo que é necessária uma reflexão mais profunda sobre o assunto.

Fabrizio Mastrofini, porta-voz da Pontifícia Academia para a Vida, referindo-se ao trágico assassínio de pelo menos 19 crianças e dois adultos durante o tumulto, disse ao Crux que “é necessária uma sociedade mais humana”.

“A utopia do cristianismo é uma sociedade onde as armas já não são usadas”, ou pelo menos onde são usadas “cada vez menos”, disse. Apontando para a encíclica de 2020 do Papa Francisco sobre a amizade social, Fratelli Tutti, afirmou: “Somos todos irmãos e irmãs; não há necessidade de nos matarmos uns aos outros”.

Em termos de se outras leis precisam de ser promulgadas limitando o acesso a armas de fogo e impondo verificações de antecedentes mais rigorosas a potenciais compradores, Mastrofini disse: “Isso depende de vários estados”.

“Não posso dizer queleis são necessárias, mas é verdade que uma lei justa é aquela que protege todos os cidadãos” e visa “salvar vidas”, observou. Nesse sentido, todo o político deve responder à “sua própria consciência”.

Os comentários de Mastrofini surgem depois de um atirador de 18 anos entrar na Robb Elementary School a 24 de Maio e abrir fogo, matando pelo menos 19 crianças e dois adultos.

O atirador, identificado como aluno da Escola Secundária de Uvalde, nas proximidades, tinha entrado na escola com um revólver e uma espingarda. Morreu lá.

O ataque da semana passada marca o tiroteio mais mortal numa escola primária dos EUA desde que um atirador entrou na Sandy Hook Elementary em Newtown, Connecticut, em 2012, matando 20 crianças e seis adultos. O tiroteio em Uvalde também ocorreu apenas 10 dias depois de um atirador matar 10 pessoas num supermercado em Buffalo, Nova Iorque.

Ataques armados em escolas, supermercados, igrejas e cinemas têm aumentado nas últimas décadas.

O tiroteio na Columbine High School em Littleton, Colorado, a 20 de Abril de 1999, foi um dos primeiros tiroteios em massa dessa natureza a penetrar e a chocar a consciência nacional dos Estados Unidos. Naquele dia, 15 alunos e professores morreram, incluindo os atiradores, e 24 ficaram feridos quando dois alunos entraram na escola com a intenção de bombardeá-la e abrir fogo contra alunos e funcionários.

Desde 2000, houve cerca de 367 tiroteios em escolas, totalizando um a cada 22 dias. Muitas escolas nos Estados Unidos agora têm detectores de metal nas entradas e protocolos sobre o que fazer em casos de tiroteio.

O debate sobre o controlo de armas está mais uma vez na vanguarda do discurso público após o tiroteio em Uvalde, com defensores a dizerem que o acesso precisa de ser limitado e oponentes a dizerem que leis mais rígidas não resolverão o problema.

Após o tiroteio da semana passada, o arcebispo Gustavo García-Siller, de San Antonio, criticou a cultura de armas dos Estados Unidos, dizendo que os líderes eleitos “em geral não têm coragem de controlar as armas no país”.

“Nós, o povo, estamos no limite. Não sabemos muito sobre a pessoa que cometeu esses assassínios, mas seja qual for o caso, as armas estão disponíveis e as pessoas estão a morrer, e fizemos armas como ídolos”, disse, acrescentando que na nossa fé, “lhe chamaríamos idolatria, mas são sagradas a ponto de não tomarmos medidas para ajudar a evitar essas situações”.

“Muitas pessoas são mortas diariamente em todo o país por causa do uso de armas e nós protegemo-las. Precisamos de proteger as pessoas”, disse.

Embora as opiniões sobre o controlo de armas na Igreja sejam tão variadas quanto na arena política, os defensores da doutrina social da igreja há muito que argumentam que são necessárias leis mais rígidas para tornar a sociedade um lugar mais seguro para todos.

Embora não se intrometa em questões políticas, depois de Uvalde, a Academia para a Vida do Vaticano, liderada pelo arcebispo italiano Vincenzo Paglia, esteve activa na discussão no Twitter, dizendo a 27 de Maio que “O lugar das #armas na vida dos Estados Unidos exige análise e reflexão social, ética e teológica”.

No dia seguinte ao tiroteio, a academia retweetou uma observação publicada pelo biógrafo papal Austen Ivereigh sobre a posse de armas nos EUA que dizia: “Procurei em vão por «controlo de armas» ou «comércio de armas». Nada sobre a perversão de possuir armas como um «direito»”.

“A Conferência Episcopal dos EUA deplora as leis permissivas que incentivam o aborto, mas não as leis permissivas que incentivam o massacre de crianças. Porquê?”, perguntou Ivereigh.

Em resposta ao tweet de Ivereigh, a Academia publicou uma linha do telegrama do Papa Francisco após o tiroteio em Uvalde, no qual ofereceu as suas orações pelas vítimas e pelas suas famílias e disse: “É hora de dizer basta ao tráfico indiscriminado de armas. Vamos todos comprometer-nos para que tais tragédias nunca mais aconteçam”.

Nos seus comentários ao Crux, Mastrofini disse que a Academia está a incentivar uma maior reflexão sobre a presença de armas na sociedade porque a vê como uma questão de vida.

“Estamos preocupados com todos os temas, não só o aborto ou a eutanásia, mas também a defesa da vida, coisas que tratam da pena de morte e da matança por disseminação de armas. Essa é uma linha que sempre repetimos”, afirmou.

As armas, disse, “devem ser menos difundidas” e os cidadãos também devem “ter uma reflexão sobre que tipo de sociedade queremos construir”.

“Uma sociedade mais humana é aquela em que há uma tentativa de reduzir os conflitos e o uso da força para resolver conflitos, qualquer conflito, até mesmo conflitos entre pessoas”, disse.

Artigo de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 30 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui