Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 7 Jun 2022
Rússia “violou todas as normas da guerra”, diz arcebispo ucraniano
O líder da Igreja estava a reagir ao bombardeamento do fim-de-semana do mosteiro em Svyatogorsk Lavra, perto de Donetsk, que matou vários monges ortodoxos e refugiados que recebiam abrigo.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS photo/Serhii Nuzhnenko, Reuters

O arcebispo greco-católico da Ucrânia acusou as forças russas de violarem todas as normas de guerra, afirmando que destruíram um dos locais religiosos mais históricos do país.

“Este ataque mostra que nada é sagrado para os ocupantes russos – todo o território ucraniano é alvo de mísseis russos, e nenhuma cidade ou vila se pode sentir segura”, disse o Arcebispo Maior Sviatoslav Shevchuk, de Kiev-Halich, cuja igreja combina o rito oriental com lealdade a Roma.

O líder da Igreja estava a reagir ao bombardeamento do fim-de-semana do mosteiro da Santa Dormição em Svyatogorsk Lavra, perto de Donetsk, que matou vários monges ortodoxos e refugiados que recebiam abrigo.

O Ministério da Defesa da Rússia afirmou no sábado que nacionalistas ucranianos em retirada incendiaram o mosteiro de madeira em Svyatogorsk.

“Nacionalistas ucranianos a 4 de Junho incendiaram um mosteiro de madeira de Svyatogorsk quando a 79ª brigada de assalto aéreo da Ucrânia recuou da cidade de Svyatogorsk, na República Popular de Donetsk”, disse o ministério, segundo a agência de notícias Tass.

Enquanto isso, o líder da Igreja Ortodoxa independente da Ucrânia, a PCU, disse a uma delegação da Conferência Episcopal da Alemanha que continua confiante de que o seu país está “a caminhar para a vitória”, mas alertou que deve evitar-se que os actuais “actos de genocídio” e “mal indisfarçável” se espalhem pela União Europeia. Combates intensos estão em curso enquanto as forças russas procuram o controlo da região leste de Donbass.

“Devemos testemunhar a verdade sobre os horrores do ataque russo – o povo da Ucrânia tem o direito inquestionável de defender a sua pátria com armas nas suas mãos”, disse o Metropolita Epifania Dumenko aos bispos alemães em Kyiv na sexta-feira passada. “Como cristãos, no entanto, não devemos deixar o ódio dominar-nos”.

Numa mensagem de fim-de-semana, o presidente Volodymyr Zelenskyy pediu a suspensão da Rússia da Unesco por "destruir deliberada e sistematicamente o património cultural e histórico da Ucrânia”.

Enquanto isso, os líderes da PCU da Epifania Metropolitana relataram que dezenas de outras paróquias haviam trocado a fidelidade para a Igreja Ortodoxa afiliada a Moscovo, ou UOC, e contestaram as alegações de que o conselho de governo da UOC havia rompido com o Patriarcado de Moscovo da Rússia, declarando “total independência e autonomia ” numa resolução no final de Maio.

O Papa disse estar seriamente preocupado com o bloqueio das exportações de grãos da Ucrânia e apelou contra o uso do trigo “como arma de guerra”, acrescentando na sua mensagem do Angelus no Domingo que a “agressão contra a Ucrânia” negou “o sonho de Deus para a humanidade”.

“O pesadelo da guerra mais uma vez abateu-se sobre a humanidade: povos em conflito uns com os outros, matando-se uns aos outros, sendo expulsos das suas casas em vez de serem aproximados”, disse o pontífice aos peregrinos de Roma.

“Renovo o meu apelo aos líderes das nações: não levem a humanidade à ruína!... Que se realizem verdadeiras negociações, verdadeiras conversas para um cessar-fogo e uma solução sustentável. Que o grito desesperado do povo sofredor, visto todos os dias nos média, seja ouvido. Respeitem a vida humana e parem a destruição macabra de cidades e vilas no leste da Ucrânia”, pediu.

Num comunicado após a visita de quatro dias dos bispos alemães, o bispo Bertram Meier, de Augsburg, disse acreditar que os ucranianos mereciam o apoio “de todas as pessoas que amam a liberdade” na sua luta contra a invasão da Rússia, acrescentando que as evidências sugeriam que as instituições culturais do país estavam a ser deliberadamente visadas para “destruir a identidade independente da Ucrânia e apagar a sua história”.

Enquanto isso, Kyiv disse que continuará a pressionar para que o Patriarca Kirill da Rússia seja sancionado pela União Europeia, depois de o seu nome não ter sido incluído no sexto pacote de medidas da UE na quinta-feira passada, a pedido da Hungria.

O Patriarca disse aos cadetes militares em Moscovo na semana passada que a Rússia era uma “potência amante da paz… inoculada contra todas as aventuras militares, qualquer capacidade de ser agressiva”, e só precisava de forças armadas para proteger as suas “fronteiras sagradas”.

 

Artigo de Jonathan Luxmoore, publicado no The Tablet a 7 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Ucrânia  •  Guerra  •  Rússia  •  Paz  •  Mosteiro  •  Bombardeamentos
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui