Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 9 Jun 2022
Líderes da Igreja: Cultura de Vida significa trabalhar para acabar com a violência armada
D. García-Siller falou ao lado de outros líderes religiosos no caminho a seguir após três tiroteios em massa – incluindo o de Uvalde – no mês passado, que se traduziram na perda de 35 vidas.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Veronica G. Cardenas/Reuters via CNS

Lamentando uma “cultura da morte” que existe nos EUA, o arcebispo Gustavo García-Siller, de San Antonio, falou a 8 de Junho sobre a necessidade de os católicos serem líderes no revigorar de uma cultura de vida após três tiroteios em massa notáveis ​​em menos de um mês.

“O respeito das pessoas não existe e por isso temos que trazê-lo à tona”, disse García-Siller. “Não há muito a perder. Temos vindo a perder vidas. O que mais queremos perder?”

García-Siller passou muito tempo em Uvalde, Texas, após o tiroteio em massa de 24 de Maio na Robb Elementary School, onde um atirador matou 19 crianças e duas professoras. O arcebispo presidiu a várias missas para as vítimas e a comunidade e reuniu-se com as famílias das vítimas e outros membros da comunidade nas semanas que se seguiram à tragédia.

García-Siller falou abertamente sobre a necessidade de reforma da política de armas, condenando novamente o facto de as armas nos EUA se terem tornado “ídolos”, embora “com as mesmas armas sagradas” se matem “crianças e pessoas inocentes”.

À parte desse comentário, concentrou-se principalmente no que os católicos de todo o país podem fazer dentro das suas paróquias locais para criar mudanças. Disse, para, em primeiro lugar, ouvirem as histórias daqueles que foram directamente afetados para saberem a verdade. Em segundo, afirmou, é importante organizar, liderar e apelar directamente aos líderes políticos de uma perspectiva religiosa – e não política.

“Um grande problema que vejo que tem acontecido nas últimas semanas é que tudo ainda é visto pela política, e quando é apenas essa lente, as pessoas não importam. As estruturas em vigor não importam, as melhorias nos procedimentos, na segurança… isso não será ouvido porque é o político e é basicamente as linhas partidárias que lideram tudo”, disse García-Siller.

“A melhor maneira é que as pessoas de fé sejam realmente guiadas pelo Espírito… caso contrário, apenas usamos os nossos próprios talentos e dons, e precisamos de mais do que isso para trazer paz e compreensão e, eventualmente, diálogo”, continuou.

García-Siller falou ao lado de outros líderes religiosos no caminho a seguir após três tiroteios em massa – incluindo o de Uvalde – no mês passado, que se traduziram na perda de 35 vidas. A discussão foi organizada pela Iniciativa da Universidade de Georgetown sobre Pensamento Social Católico e Vida Pública.

John Carr, o codirector da iniciativa, que actuou por mais de 20 anos como director do Departamento de Justiça, Paz e Desenvolvimento Humano da Conferência Episcopal dos EUA abriu a discussão com uma nota sobre os debates politizados sobre como evitar a próxima tragédia e a abordagem alternativa dentro da doutrina social católica.

“As pessoas discutem se precisamos de pensamentos e orações, ou mudança e acção; sejam armas ou pessoas que matam pessoas; seja saúde mental ou jovens a receberem armas de assalto; seja uma cultura de violência ou políticas que não nos protegem da violência armada – o génio da doutrina social católica é a Palavra e isso une-nos”, disse Carr.

A irmã Judy Byron liderou os comentários com o testemunho de Miah Cerrillo, de 11 anos, ao Congresso durante uma audiência do Comité de Supervisão da Câmara a 8 de Junho sobre violência armada no início do dia.

Cerillo é uma sobrevivente do tiroteio na Robb Elementary School. No seu depoimento pré-gravado, detalhou como o atirador entrou na sua sala de aula, disparando sobre a sua professora e colegas de classe e como se cobriu de sangue para fazer o atirador pensar que estava morta.

Byron, directora da Northwest Coalition for Responsible Investment [NWCRI] e líder em esforços de responsabilidade corporativa sobre a segurança de armas, disse que viu o quão difícil era a lembrança, o que a fez perguntar-se por que teve de ser uma criança a liderar os esforços de mudança para começar.

“O que estou a pensar agora é que não podemos continuar a deixar os nossos filhos fazerem o trabalho pesado”, disse. “Nós, adultos, devemos levantar-nos e exigir o fim da violência armada”.

Byron e a NWCRI trabalham para trazer fabricantes de armas a bordo como parte da solução para a violência armada. Apresentaram resoluções em todas as conferências de accionistas desde 2019 para que a Sturm, Ruger & Co. e a Smith & Wesson – os dois maiores fabricantes de armas do país – adaptassem a política de direitos humanos e conduzissem uma avaliação de impacto sobre os direitos humanos. Solicitaram avaliações para ver se as armas podem ser mais seguras e para a abordagem de marketing das empresas.

A 8 de Junho, Byron reconheceu que as respostas das empresas ao longo dos anos foram abaixo da média. No entanto, espera progressos depois de a proposta à Sturm, Ruger & Co. para realizar uma avaliação de impacto sobre os direitos humanos ter sido recentemente apoiada pela maioria das partes interessadas da empresa.

Byron reconheceu que muitos católicos presumivelmente não investem em fabricantes de armas, mas observou que uma maneira de os católicos fazerem a diferença é analisar se outros investimentos que fazem têm impacto na cultura de armas nos EUA.

“Falem com os vossos gerentes”, disse. “E os bancos? Vocês investem em bancos e eles estão a financiar fabricantes de armas?”. Apontou os exemplos da Mastercard e da Visa “e a maneira como as suas plataformas são usadas para comprar armas fantasmas online”.

Comentando sobre o tiroteio em massa de 14 de Maio num supermercado em Buffalo, onde 10 pessoas foram mortas num ataque aparentemente motivado por racismo, o padre Bryan Massingale, um pastor associado na paróquia predominantemente negra da Ressurreição de São Carlos Borromeo, na Arquidiocese de Nova Iorque, disse que neste momento a doutrina católica chama os fiéis a perguntar: “Como é que estamos a viver juntos?”.

“Então, sejam guiados pelo Espírito e abracem o dom da coragem do Espírito, para exigir que os nossos oficiais eleitos reflictam a vontade do povo e protejam a dignidade das pessoas”, disse Massingale, professor de Ética Teológica e Social na Universidade de Fordham.

 

Artigo de John Lavenburg, publicado no Crux a 9 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
EUA  •  Líderes religiosos  •  Cultura de Vida  •  Cultura de Morte  •  Armas  •  Tiroteios
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui