Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 29 Jun 2022
Caridade católica lança campanha para proteger idosos durante o Verão quente
“Saving Our Elders” (Salvando os nossos idosos) é um programa da Comunidade de Sant'Egídio, apresentado na terça-feira, 28 de Junho, na sua sede no bairro de Trastevere, em Roma.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Paul Haring/CNS

Um dos movimentos católicos favoritos do Papa Francisco lançou uma iniciativa destinada a ajudar os idosos na Itália, 19 milhões dos quais vivem sozinhos ou com um cônjuge idoso.

“Saving Our Elders” (Salvando os nossos idosos) é um programa da Comunidade de Sant'Egídio, apresentado na terça-feira, 28 de Junho, na sua sede no bairro de Trastevere, em Roma.

“Estamos aqui porque se espera um Verão muito quente”, disse Marco Impagliazzo, presidente da comunidade. “Na verdade, já estamos a viver isso. Sabemos que para os idosos e para as comunidades mais vulneráveis, estas ondas de calor são muito perigosas”.

Apresentou dados que mostram que as temperaturas extremamente altas entre os maiores de 80 anos representam um aumento de mortalidade de 50%.

“Há uma necessidade urgente de que acções de protecção sejam tomadas para ajudar uma das faixas etárias mais vulneráveis ​​da Itália, os idosos, que sofrem um problema muito concreto”, disse Impagliazzo. “Há nove milhões de idosos italianos que vivem sozinhos e cinco milhões de casais que só se têm um ao outro, sem a presença dos seus filhos ou outros cuidadores nas suas casas”.

A campanha “Saving Our Elders” planeia mobilizar milhares de voluntários, muitos deles na faixa dos 80 anos, para garantir que ninguém fique sozinho durante o Verão.

A ideia é simples: os voluntários inscrevem-se no programa e comprometem-se a conversar com as pessoas que lhes são designadas, ligando-lhes regularmente, visitando-os quando possível e ajudando nas tarefas diárias, como compras no supermercado ou farmácias.

“Quantos idosos morrem sozinhos, e os dias passam sem que ninguém perceba, porque ninguém tocou à campainha, ninguém ligou ou perguntou porque deixaram de ir ao supermercado, à farmácia ou de apanhar a sua correspondência?”, perguntou Impagliazzo.

A rede de protecção aos mais vulneráveis, disse, salva vidas, e qualquer pessoa pode participar, mesmo sem o programa estruturado: “Cada um de nós, com um pequeno gesto como uma ligação ou uma visita, pode salvar vidas. Relembrá-los da necessidade de beber água pode evitar que desidratem”.

Durante a pandemia dde COVID-19, a comunidade italiana uniu-se e mobilizou-se para ajudar os mais vulneráveis, disse Impagliazzo, pedindo à sociedade que mantenha a atitude de caridade que floresceu durante a crise.

“É a humanidade do nosso povo, das nossas famílias, que pode levar à mudança”, afirmou. “O modelo, a rede de protecção, existe. E pode ser aplicado por todos, até mesmo pelos idosos, que mesmo tendo menos possibilidades de encontrar os da sua geração, ainda podem fazer um telefonema. Aliás, até beneficiam disso, fazendo companhia uns aos outros”.

A certa altura, Impagliazzo dirigiu-se ao sistema de saúde público italiano e às Residências Assistidas (RSA), unidades sociais e de saúde dedicadas a idosos não autossuficientes que necessitam de cuidados médicos, de enfermagem ou de reabilitação, gerais ou especializados.

Dizendo tratar-se de uma “questão delicada e dolorosa”, o líder de Sant'Egídio disse que há muitas residências “ilegais”, “lugares improvisados ​​onde se ouve falar de maus tratos ou extrema dificuldade de alimentação e outras violações dos direitos humanos”.

“A institucionalização do idoso”, observou, “é um factor de agravamento da sua saúde e da sua vida em geral. Por isso, estamos muito felizes com as decisões que o governo italiano está a desenvolver para passar para as formas de atendimento domiciliar, sem as pessoas estarem institucionalizadas”.

Existem cerca de 240 RSA na Itália, e Impagliazzo disse que mesmo entre esses lares oficiais para idosos há uma “arbitrariedade” por parte de quem os administra, pois recusam-se a cumprir a ordem do governo de permitirem visitas de familiares aos institucionalizados.

Artigo de Inés San Martín, publicado no Crux a 29 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui