Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 14 Jul 2022
No meio da pressão para novos papéis femininos, as Irmãs destacam o que já estão a fazer
Na quarta-feira, 13 de Julho, a União Internacional das Superioras Gerais (UISG) lançou a segunda fase de uma campanha que mostra seu envolvimento em cargos de liderança e advocacia em vários ministérios em todo o mundo.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © UISG

Com a pressão para novos papéis de liderança para as mulheres na Igreja Católica a continuar a ganhar força, o maior grupo global de mulheres religiosas está a destacar o que os seus membros já estão a fazer em vários campos.

Na quarta-feira, 13 de Julho, a União Internacional das Superioras Gerais (UISG) lançou a segunda fase de uma campanha que mostra seu envolvimento em cargos de liderança e advocacia em vários ministérios em todo o mundo.

Intitulada New Leaders: Sisters Advocating Globally, a campanha destaca o compromisso das religiosas em projectos de desenvolvimento e foi publicada juntamente com um vídeo que ilustra essas iniciativas.

De acordo com a UISG, o coração da mensagem da campanha é: “Somos suas irmãs: estamos comprometidas em defender-vos, partilhando uma jornada de cuidado com as pessoas e com o meio ambiente”.

Segue-se a uma fase inicial da campanha lançada em Junho, com mulheres religiosas comprometidas em dar voz às comunidades mais marginalizadas do mundo e a permitir que elas desempenhem um papel nas discussões sobre questões de desenvolvimento.

“À medida que os líderes mundiais se consciencializam cada vez mais da necessidade de soluções de desenvolvimento lideradas e adaptadas aos mais vulneráveis, as Irmãs estão na vanguarda de um movimento para reformular as conversas globais em torno das necessidades das nossas comunidades mais negligenciadas”, disse a UISG.

A campanha “Sisters Advocating Globally” foi lançada em 2020 com o apoio do Global Solidarity Fund (GSF).

De acordo com a UISG, nos últimos dois anos, o projecto “construiu capacidade para redes e congregações lideradas por Irmãs expandirem o seu foco na advocacia, mudando a sua abordagem baseada principalmente nas necessidades, um modelo responsivo, para incluir uma procura por soluções sistémicas e estruturais que envolvem aqueles que tomam decisões a todos os níveis”.

Como parte da campanha, a Secretária Executiva da UISG, a Irmã Patricia Murray, participou no Fórum Económico Mundial em Davos em Maio de 2022, e um Apelo à Acção especial para o desenvolvimento foi lançado no ano passado pelas líderes da rede antitráfico de seres humanos Talitha Kum, que é dirigida por religiosas, com o apoio dos principais gabinetes do Vaticano, várias embaixadas junto à Santa Sé e ONGs internacionais.

A UISG também lançou outro Apelo à Acção sobre os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável 14 e 15 – vida abaixo da água e vida na terra – que será publicado no final deste mês pela iniciativa ecológica da UISG, “Semeando Esperança para o Planeta”, em colaboração com a união UNANIMA Internacional, focada na ONU e liderada por Irmãs.

Na semana passada, a UISG e a UNANIMA também co-organizaram um evento paralelo no Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas, que explorou o papel que a UISG pode ter em juntar líderes regionais e globais com mulheres religiosas envolvidas no terreno.

Falando de seu trabalho, a irmã Jean Quinn, directora executiva da UNANIMA Internacional, disse que a pandemia de coronavírus “aprofundou e exacerbou as desigualdades multidimensionais”, que limitam os meios de subsistência e a protecção de comunidades carentes e colocam em risco a dignidade humana.

“As Irmãs na linha de frente, que trabalham com essas comunidades marginalizadas, geralmente estão mais bem equipadas para dar a informar soluções baseadas nas experiências vividas pelas pessoas a quem servem”, disse Quinn, apelidando as religiosas como “as verdadeiras especialistas”, sendo que as “suas vozes devem ser incluídas em lugares de poder”.

A agenda de desenvolvimento sustentável de 2030, disse, é uma oportunidade para reconhecer e abordar “como o desenvolvimento e a degradação do planeta afectam o meio ambiente, economias e sociedades”.

“Também nos dá a oportunidade de cultivar relações uns com os outros e inspirar uma «cultura do encontro» nas futuras gerações de agentes de mudança”, disse Quinn, acrescentando que, ao nível pessoal, a cultura do encontro significa reconhecer tanto as injustiças passadas como as presentes e envolver as pessoas na procura de soluções “apesar de quaisquer diferenças políticas, sociais e económicas que possam dividir as pessoas”.

“Irmãs e líderes fazem exactamente isso todos os dias”, explicou. “Com serviço e um carisma de cuidado, enfrentam as dolorosas realidades da pobreza, falta de habitação, resquícios socioeconômicos do colonialismo e crescentes desigualdades”.

A irmã Sheila Kinsey, coordenadora da iniciativa ecológica “Semeando Esperança para o Planeta”, disse que está comprometida em colocar as preocupações de base nos holofotes nacionais e internacionais num espírito de “sinodalidade e solidariedade”.

Referindo-se ao Apelo à Acção que o seu projecto irá lançar no final deste mês, Kinsey disse que esta é uma oportunidade para erguer as vozes das mulheres religiosas e das comunidades que elas servem, “garantindo que a sua sabedoria e experiência sejam colocadas no centro de abordagem baseada em parcerias aos desafios ecológicos”.

“Estamos à procura de um ponto crítico de mudança, para desenvolver um modo de vida harmonioso e seguro para todas as pessoas e para a nossa casa comum”, adiantou.

A irmã Anne Carbon, missionária que trabalha com as comunidades indígenas Subaanen no Sul das Filipinas, disse que no seu trabalho encontrou “uma cultura pura, sustentável e profundamente interligada com a natureza”.

Condenou os hábitos dos colonos de usarem produtos químicos na terra, em oposição à prática dos Subaanen de usar fertilizantes naturais, bem como os governos pela desflorestação de territórios indígenas, que, segundo ela, despoja a terra da sua biodiversidade.

Desde a década de 1990 que as mulheres religiosas têm defendido os Subaanen em questões de mineração, e também estão envolvidas nos cuidados de saúde, disse Carbon, observando que, como enfermeira que trabalha num centro de saúde local, vacinou pessoalmente crianças de “dezenas de aldeias.”

Carbon explicou que também se envolveu com os moradores locais a respeito da intrusão das empresas de mineração. “Quando essas empresas vieram visitar os representantes do governo, reunimos milhares de assinaturas para detê-las”, observou.

“Estradas, escolas e electricidade foram prometidas. Mas as pessoas viram as consequências reais da mineração, visitando áreas onde a terra foi esvaziada, a água foi contaminada, os rios secaram e as comunidades sofreram envenenamento por cianeto”, apontou.

Durante 15 anos, as Irmãs juntaram-se aos moradores locais em protestos, piquetes, lobby, envio de cartas, petições e greves de fome, disse Carbon, observando que a mineração nas terras dos Subaanen foi proibida durante algum tempo, mas recentemente foi legalizada novamente, “o que é um desafio”.

Carbon disse que na sua experiência como missionária envolvida na linha da frente de debates contenciosos, as maiores ferramentas de advocacia são a “educação e networking”.

“Atendendo ao apelo do Papa para responder ao clamor da terra e ao clamor dos pobres, devemos unir-nos para defendermos o futuro do nosso único planeta”, concluiu.

Artigo de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 14 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui