Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 19 Jul 2022
Jesuítas ajudam imigrantes a integrarem-se através de escola de idiomas
O Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS França) tem mantido uma Escola de Verão na Paróquia desde 2017 para ajudar os migrantes e refugiados a aprenderem francês e a assimilarem melhor a cultura local.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © HÉLÈNE DECAESTECKER

No pequeno pátio à sombra de um prédio no centro de Paris, vários estudantes estão alinhados em frente a uma mesa de madeira. Três jovens sentam-se do outro lado.

“Primeira vez aqui?” pergunta um deles em inglês. “Não”, responde um jovem de t-shirt azul, com uma mochila da mesma cor. Tenta dizer algumas palavras num francês hesitante.

Como várias dezenas de exilados, veio esta manhã para se inscrever na escola de idiomas de Verão do Serviço Jesuíta para Refugiados (JRS).

 

“Ouvir o clamor do mundo”

O JRS-França iniciou o programa de três semanas em Julho de 2017. A escola recebe até 60 migrantes e refugiados todos os dias para workshops e actividades de conversação em francês.

“No Verão, a maioria das associações fecha, enquanto muitos estudantes e jovens nos pedem para nos envolvermos”, diz Pauline Blain, directora do ramo juvenil do JRS-França.

“A Escola de Verão nasceu do atendimento a essa necessidade e da disponibilidade da população local”, diz.

Os alunos são muito diversificados.

A maioria deles está em processo de solicitação de asilo, embora a pergunta não seja feita de antemão. Muitos são rapazes afegãos, mas algumas jovens fizeram a viagem.

São supervisionados por 15 voluntários, estudantes de 17 a 25 anos que são formados durante dois dias no ensino de francês como língua estrangeira (FLE).

 

Ser ajudado e ajudar em troca

Após o registo, todos descem para uma grande sala na cave para começar o dia. Dividem-se em grupos de acordo com seu nível de proficiência no idioma.

“Aqui todos são iguais, homens e mulheres, religiões diferentes, estamos aqui para aprender francês de uma forma amigável”, diz Morgane, que presta serviço cívico no JRS há um ano.

Arif traduz as suas palavras para o dari, uma das duas línguas oficiais da sua terra natal, o Afeganistão. O jovem de 30 anos veio para a escola de verão do JRS no ano passado, depois de passar cinco anos e meio na Suécia.

“Quando cheguei, não falava nada de francês”, diz. “Encontrei muitos amigos aqui. No JRS, sinto-me em casa”.

Arif obteve recentemente o estatuto de refugiado na França. Agora instrutor de vólei ao serviço durante o ano, tornou-se um canal valioso para os voluntários de Verão na tradução e orientação dos recém-chegados.

“O JRS ajudou-me muito, e agora ajudo-os”, sorri.

Kylian, um estudante do ensino secundário de 17 anos e voluntário de Verão, diz que a ideia é “estar com e para os outros”. Isto resume a abordagem do Serviço Jesuíta aos Refugiados.

Na cave, Gabrielle e Gallia têm 12 alunos sentados diante delas em semicírculo. Estão a fazer com que repitam frases básicas.

“Hoje vamos falar sobre os tipos de transporte”, começam, em frente a um quadro branco. “Conhecem algum?”.

Depois de alguns estímulos gentis das duas jovens professoras, os alunos começam a falar um após o outro. “O comboio”, diz um. “O metro”, diz outro. “O autocarro”...

E assim continua.

 

Romper com o isolamento

Para a maioria dos alunos, a Escola de Verão é uma breve pausa no meio de uma jornada de vida muito difícil.

Por exemplo, Alim, de 28 anos, chegou a França em 2020 após oito meses de caminhada pela Europa e diz que está feliz por estar em Paris, que acha “muito bonita”. Ingressou na Escola de Verão do JRS há uma semana, graças ao boca-a-boca e às associações que ajudam os requerentes de asilo que os orientam para lá.

Além de desenvolver o seu francês, os workshops permitem que interaja com outras pessoas e escape da solidão quotidiana.

Após o almoço nos Jardins do Luxemburgo, alguns dos participantes regressam aos gabinetes do JRS para participar no workshop da tarde, dedicado nesse dia às diferenças entre linguagens.

“Às sextas-feiras, ao meio-dia, também organizamos um momento para que os voluntários revejam a sua semana, como uma introdução à espiritualidade inaciana”, sublinha Blain.

Este ano, o Serviço Jesuíta aos Refugiados organiza pela primeira vez um acampamento de Verão com o Movimento Eucarístico Juvenil, que terá lugar nos Alpes no fim de Julho.

Dois dos migrantes irão juntar-se a eles.

Artigo de Juliette Paquier, publicado no La Croix International a 18 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui